O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

DIARIO DAS CORTES GERAES E EXTRAORDINARIAS DA NAÇÃO PORTUGUEZA.

NUM. 133.

SESSÃO DO DIA 21 DE JULHO.

Aberta a Sessão, sob a presidencia do senhor Moura, leu-se e approvou-se a acta do dia antecedente.

O senhor Correa Seabra: - Parece-me não se haver ontem decidido que os dois exemplares, que se achavão na alfandega fossem, remettidos ás bibliothecas de que a acta faz menção, isto he, um para a das Cortes, e outro para a bibliotheca publica de Lisboa.

O senhor Presidente: - Ninguem se oppoz á indicação, e deu-se como approvada.

O senhor Ferreira Borges: - Se se mudarem as Cortes qual he a livraria destas? Eu não o ser. Por tanto parecia-me, que um exemplar fosse para a bibliotheca publica, e outro para a da universidades.

O senhor Maldonado: - Este Congresso mandou que se organizasse a livraria das Cortes, e eu fui incumbido disto. O fundo della compõe-se da antiga livraria das Necessidades, mas deve-se augmentar este fundo. Já vierão obras, que forão remettidas para a livraria das Cortes. Agora vem uma, que se deve juntar ás outras que já cá estrio, para se augmentar aquelle fundo. A obra da livraria foi mandada fazer pelas Cortes, e não he muito, se as Cortes a mandarão fazer, que se chame das Cortes, e venha para alli aquelle exemplar.

O senhor Soares Franco: - Desejava saber se a propriedade da livraria das Necessidades passou para as Cortes.

O senhor Brandão: - Esta livraria não he das Cortes, he uma livraria particular, e sendo particular, não me persuado, que deva ser preferida a uma publica, qual a da universidade. Por tanto sou de voto, que um exemplar va para Coimbra.

Pôz-se a votos, e decidiu-se, que sejão remettidos, um para a livraria propria das Cortes, e outro para a bibliotheca publica.

O senhor Felgueiras mencionou os seguintes Officios do Governo: 1.° Do Ministro dos Negocios do Reino remettendo os seguintes papeis: uma representação da Camera de Viseu sobre o reparo da cadea, e casa da Camera; um officio da Illustrissima Junta da Administração da Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro ácerca da nomeação de um Professor de Filosofica Racional, e Moral para assistir com o Lente Proprietario daquella Cadeira aos exames dos alumnos da dita Academia; um officio do Enfermeiro Mór do Hospital Nacional de S. José, enviando a representação dos Facultativos de Medicina, e Cirurgia sobre a prohibição da entrada aos parentes, ou amigos dos enfermos no referido Hospital; e uma conta do Juiz, Vereadores, e Procurador da Camera do Porto sobre a vendagem livre de carnes verdes; que todas se remetterão ás Commissões respectivas, segundo a sua materia, 2.º Do mesmo Ministro remettendo a resposta do Bispo de Viseu, recusando acceitar o emprego de Conselheiro de Estado, de que as Cortes ficárão inteiradas; e ficou de se tratar deste objecto na Sessão de terça feira.

Mencionou igualmente as seguintes felicitações; da Camera de Lousa, da de Villa d'Aguda, e da do Baraçal annexa á de Celorico; das quaes se mandou fazer honrosa menção: do Corregedor e Provedor da Comarca de Alemquer Francisco Luiz da Silva, do Corregedor da Comarca de Aveiro Rodrigo Sarmento de Vasconcellos de Castro, do Juiz de fora dos Arcos Alexandre Furtado de Villaça, de um Religioso Constitucional do Mosteiro de Salsedas da Ordem de S. Bernardo, dos quatro Freires de Aviz Fr. José Joaquim de Sousa Vahia, Fr. Maximo Osorio do Amaral Sarmento, Fr. Antonio de Sousa Alvim, Fr. Francisco Reixa Barrantes Maldonado; que forão ouvidos com agrado.

Apresentou uma memoria de Antonio Joaquim de Góes na cidade de Beja, sobre o encanamento do rio Sado de Alcacer do Sal até Aguas de Passo; que se remetteu á Commissão de Estatistica.

O senhor Sousa Machado apresentou tambem uma memoria sobre a causa do atrazamenlo da Agri-

*