O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

100
DIARIO DA CAMARA DOS SENHORES DEPUTADOS
humilde pessoa, envolveu nella a todos os ministros da guerra antecessores de s. ex.ª, especialmente ao nobre marechal Saldanha, que era presidente do conselho na administração a que tive a honra de pertencer.
À camara sabe perfeitamente que eu só mãis tarde entrei para aquella administração, e que fui só dois mezes ministro, e que a pasta da guerra estava confiada ao general mãis illustre do nosso exercito, o nobre marechal Saldanha.
Á censura de s. ex.ª ainda n'esta parte foi injusta e immerecida, porque o nobre marechal Saldanha occupava-se com assiduidade d'este importante ramo da administração publica. Esta presente um sr. deputado, que fez parte de uma commissão encarregada da organisação do exercito, e que póde dar testemunho de que esses trabalhos chegaram a concluir-se. O sr. Quintino de Macedo: — Apoiado. O Orador: — Mas não era só da reorganisação do exercito que o nobre marechal se occupava com solicitude; s. ex.ª tinha tambem a peito dotar o exercito com boas leis organicas. O illustre ministro deve saber que tem por seu collega um dos membros de uma commissão que foi encarregada de dois importantissimos trabalhos, que eram o codigo penal militar e o codigo do processo. O nobre marechal, quando soube que esses trabalhos estavam muito adiantados, chamou a uma conferencia essa illustre commissão, e pediu-lhe, com instancia, que concluisse os seus trabalhos, para elle os publicar em acto de dictadura.
Nota-se que o ministerio, a que se chamou dos cem dias, não tivesse publicado nenhuma medida de interesse para o exercito, quando s. ex." está no ministerio da guerra ha seis mezes, e ainda não vi que se apresentasse nenhuma das leis a que me referi. E não só se não tem apresentado ao parlamento nenhum d'esses importantes assumptos, mas até mesmo eu não tenho noticia de nenhuma disposição devida á iniciativa de s. ex.ª o actual sr. ministro da guerra.
Sinto que s. ex.ª me provocasse a vir para a camara fazer estes parallelos, que eu certamente não faria se o nobre ministro não se occupasse mãis da minha humilde pessoa, que dos assumptos importantes que estão hoje entregues aos seus cuidados.
Eu, sr. presidente, trato sempre, quanto as minhas debeis faculdades me permittem, bem ou mal, na tribuna e na imprensa, de advogar os interêsses legitimos da nobre classe a que tenho a honra de pertencer (muitos apoiados).
Estou certo que o nobre ministro, apesar de ser estranho ás lutas parlamentares, ha de ter pensado e meditado muito nos negocios pertencentes ao ministerio a seu digno cargo, e por isso não me levará a mal que lhe peça para expor á camara as suas idéas sôbre alguns pontos do importante assumpto que nos occupa. Por exemplo: sobre a administração militar, assumpto que deve merecer a inteira solicitude do nobre ministro.
Nós, sr. presidente, como disse hontem e repito agora, estamos ha immenso tempo a estudar e não saímos d'este deploravel systema.
Eu tenho a maior consideraçao pela illustração dos membros que compõem hoje a commissão, que o nobre ministro nomeou para tratar da reorganisação do exercito; mas, independentemente das idéas dos membros de tão illustre commissão, os ministros têem o seu pensamento, e não se devem eximir de o patentearem ao parlamento. Eu desejaria, por consequencia, que o pobre ministro da guerra nos dissesse qual o pensamento do governo ácerca da reforma das instituições militares do nosso paiz.
Para um ponto chamava eu attenção de s. ex.ª a administração militar.
A administração militar é um dos principaes elementos a que o exercito prussiano deve as espantosas vantagens que alcançou na guerra assombrosa que ultimamente teve logar.
E na administração militar que eu creio que se pódem realisar importantes economias.
Eu ouvi fallar n'uma das sessões passadas ao sr. ministro da fazenda em economias no exercito. S. ex." disse que se podiam fazer 150:000$000 réis de economias no exercito, e não creio que possam fazer-se senão n'este ramo.
Ha um outro ponto para que eu desejo chamar a attenção do nobre ministro da guerra.
Creio que no arsenal do exercito ainda se estão fundindo peças pelo systema francez, systema que me parece estar condemnado, ou pelo menos se julga muito inferior ao systema usado hoje pelos prussianos.
O material de guerra importa em grandes sommas, a por isso convem fazer um estudo previo a respeito d'elle, e ver se effectivamente as vantagens obtidas nas ultimas campanhas são devidas em grande parte á artilhei ia Krupp.
Quando entrou para o ministerio da guerra o sr. Fontes, que tambem fui comprehendido na censura que o nobre ministro da guerra me dirigiu, havia apenas nos regimentos de artilheria vinte e quatro bôcas de fogo raiadas. S. ex.ª deu grande desenvolvimento ao systema que então se adoptava; e deve-se á sua fecunda iniciativa o haver hoje mais de cem bôcas de fogo de campanha do systema francez.
Na exposição de París de 1867 examinei com toda a attenção os magnificos exemplares de artilheria do systema Krupp que ali estavam expostos; fiz conhecimento com alguns officiaes allemães que foram estudar as secções militares que faziam parte d'aquelle sumptuoso templo das artes; e tive a fortuna de encontrar um official que pela sua extrema bondade me communicou, debaixo de todo o segredo, as vantagens de artilheria de campanha do systema Krupp sobre o systema francez.
Isto é uma questão technica, com a qual eu não desejo cansar a camara; mas bastará dizer que as vantagens são importantes.
O official, a que alludi, disse-me logo que me tornava responsavel como cavalheiro pela divulgação d'este segredo, pois o que me confiou era apenas para minha illustração. A muito custo pude obter d'elle auctorisação para dizer ao sr. ministro da guerra o sufficiente, para chamar a sua attenção sobre tão importantes vantagens.
Fiz sentir ao sr. ministro da guerra daquella epocha o que havia a tal respeito, o s. ex.ª, com aquella penetração que todos lhe reconhecem, comprehendeu logo u importancia do assumpto, e nomeou uma commissão para dar o seu parecer sobre se conviria adquirir algumas bôcas de fogo do systema Krupp para as baterias de campanha do nosso exercito. Esta commissão, composta de officiaes illustrados, deu um parecer que collocou o sr. Fontes no embaraço de fazer a acquisição de algumas bôcas de fogo daquelle systema, que tão notaveis vantagens obteve na guerra a que já me referi.
Pouco mãis ou menos por esse tempo o govêrno hespanhol encommendava tresentas peças de campanha do systema Krupp.
Para que a camara faça idéa do que são as officinas do sr. Krupp, bastará dizer-lhe que ellas occupam dez mil operarios.
Faça v. ex.ª agora idéa o que não tem produzido aquella immensa fabrica. Pois em Portugal, apesar do que deixo exposto, creio que ainda se estão fundindo peças de artilheria pelo systema francez, e portanto fazendo-se uma despeza que mãis tarde se póde conhecer que é improductiva.
Não sei se o illustre ministro se tem preoccupado com esta circumstancia, para a qual eu chamo de novo a sua attenção.
E espero que o nobre ministro nos diga alguma cousa sôbre este objecto, assim como sobre o armamento do exercito.
Direi tambem a s. ex.ª, que no ministerio a seu cargo ha de encontrar indicios de que o marechal Saldanha desejava fazer acquisição de 30:000 armas do systema Sneider aperfeiçoado. Eu sinto dize-lo mas o nosso exercito esta des-