O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

CAMARA DOS DIGNOS PARES
SESSÃO DE 12 DE MARÇO DE 1861
PRESIDENCIA DO EX.MO SR. VISCONDE DE LABORIM VICE-PRESIDENTE
Secretarios: os dignos pares Conde de Peniche
D. Pedro de Brito do Rio
Ás duas horas e meia da tarde, declarou-se aberta a sessão, por estar presente na sala o numero legal.
Lida a acta da sessão antecedente, julgou-se approvada na conformidade do regimento, por não haver reclamação em contrario.
O sr. Secretario: — A mesa recebeu um officio do sr. visconde de Fonte Arcada, em que s. ex.ª participa que não póde comparecer a esta sessão, nem talvez possa vir a mais alguma por motivo de doença.
Deu conta tambem de um officio do secretario geral interino da academia real das sciencias de Lisboa, enviando para serem distribuidos pelos membros da mesa da camara tres exemplares de Portugália Monumenta Histórica, publicação da mesma academia.
O sr. Presidente: — Entramos na ordem do dia que é a continuação da discussão do parecer n.º 113 sobre o projecto de lei n.º 100, na sua especialidade.
O sr. Ferrão: — Parecia-me conveniente, se V. ex.ª assim o entendesse, que esperassemos pela presença do governo, para entrarmos na discussão d'este projecto.
O sr. Presidente: — Eu já mandei participar aos srs. ministros, que ia entrarem discussão o parecer dado para ordem do dia, que exige a sua presença: por conseguinte esperaremos um pouco até que s. ex.ªs venham.
Pausa.
O sr. Conde do Bonfim: — Em quanto, sr. presidente, não tratamos do objecto que está dado para ordem do dia, eu pedia licença a V. ex.ª, para me referir a um projecto que por em quanto se não discute, mas de que se deve tratar brevemente. Fallo, sr. presidente, do projecto de lei relativo ao contrato da companhia união mercantil tendente a estabelecer, por meio de navegação a vapor, a communicação entre o continente do reino e as ilhas adjacentes, e possessões da Africa occidental.
O sr. Presidente: — Está dado para ordem do dia de hoje.
O sr. Conde do Bomfim: — Mais uma rasão é essa para eu pedir a palavra.
O sr. Presidente: — Eu devo dizer ao digno par, que o projecto a que se referiu, está dado para a primeira parte da ordem do dia; como porém se devia começar pelo projecto que já se achava em discussão desde a semana passada, entra o projecto que diz respeito á companhia união mercantil, na segunda parte da ordem do dia.
O sr. Conde do Bomfim: — Eu faço estas reflexões, porque me parecia conveniente que este projecto fosse á commissão de marinha e ultramar, a que tenho a honra de per