O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

332
DIARIO DO GOVERNO.
Sessão de 8 de Março de 1839.
(Presidencia do Sr. Leitão).
Foi aberta a Sessão pouco antes da uma hora da tarde: presentes 38 Srs. Senadores.
Leu-se e foi approvada a Acta da precedente.
Foram distribuidos exemplares impressos do = Parecer da Commissão creada pelo Decreto de 17 de Outubro de 1837, para examinar o estado do Terreiro Publico de Lisboa, e propôr os melhoramentos, etc. = para esse fim enviados pelo Presidente interino da Commissão do mesmo Terreiro.
O Sr. Trigueiros participou que a Commissão de Agricultura havia nomeado para seu Presidente o Sr. Braamcamp, Secretario o Sr. Tavares de Almeida, e Relator a elle Sr. Trigueiros. — A Camara ficou inteirada.
O Sr. Presidente: — Tenho a participar á Camara que a Deputação encarregada de levar perante Sua Magestade a Resposta ao Discurso da Corôa, foi recebida pela Mesma Augusta Senhora no dia e hora determinados, tendo eu a honra de lêr a mencionada Resposta, que foi ouvida por Sua Magestade com a sua costumada Benevolencia. (É a seguinte):
«Senhora. — A Camara de Senadores da Nação Portugueza vem hoje muito respeitosamente congratular-se com Vossa Magestade por vêr felizmente reunida, pela primeira vez, a Representação Nacional, Decretada na Constituição Politica de 1838.
«Todo Portugal saudou com as mais cordiaes acclamações de regosijo o Nascimento do Principe Successor á Corôa de Vossa Magestade. O Nascimento do Infante Dom Luiz foi um novo Penhor de Successão da mesma Corôa, e de Paz entre os Portuguezes; e um beneficio mais, com que a Divina Providencia se dignou felicitar estes Reinos.
«O Titulo de Duque do Porto, que Vossa Magestade lhe conferiu, na fórma das determinações de Seu Augusto Avô, o Senhor Duque de Bragança, recordará sempre ao Joven Principe os heroicos feitos dos valorosos defensores do Throno de Vossa Magestade; e excitará nelle um constante desejo de imitar o immortal Chefe, que á frente da Civilisação e da Liberdade os conduziu á Victoria.
«A segurança de amizade que Vossa Magestade continua a receber das Potencias Estrangeiras com quem tem relações, e as que recentemente se acham estabelecidas entre Vossa Magestade e o Rei da Grecia, que para este fim enviou um Ministro Plenipotenciario a esta Côrte, são motivos de mui particular satisfação para o Senado.
«Senhora. O restabelecimento das relações de harmonia, que por tantos seculos têem subsistido entre os Augustos Predecessores de Vossa Magestade, e o Chefe Visivel da Igreja Catholica, é geralmente appetecido pelos Portugueses indissoluvelmente unidos com a Sancta Sé pelos vinculos da Religião, não obstante que o fanatismo tenha procurado seduzir alguns incautos. O Senado concorrerá gostoso, quanto delle depender, para o feliz exito das negociações começadas com a Sé Apostolica; tendo a devida attenção aos Sagrados fóros da Igreja Lusitana, aos inviolaveis direitos e preroga-