O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

1681
DIARIO DO GOVERNO.
CAMARA DOS SENADORES.
Sessão de 16 de Julho de 1839.
(Presidencia do Sr. Duque de Palmella.)
TRES quartos depois da uma hora da tarde, foi aberta a Sessão; presentes 36 Srs. Senadores.
Lida a Acta da precedente, ficou approvada.
Á Camara foi presente uma participação do Sr. Castro Pereira, que não compareceu por motivo de serviço.
O Sr. Serpa Saraiva obteve a palavra para apresentar o seguinte
Requerimento.
Incumbindo aos Representantes dos Povos não só a formação de Leis justas, mas a vigilancia e guarda dos direitos e interesses do mesmo povo, principalmente quando é abuso ou desleixo de algumas Authoridades para isso concorre, prevaricando: — Proponho que se indique ao Governo de Sua Magestade, para que haja por bem providenciar por todos os meios a seu alcance a denuncia do mais escandaloso projecto que está proximo a realisar-se na antiga, importante, e populosa Villa de Tondella.
Ha mais de 30 annos que um chafariz custosamente lavrado no meio da praça, junto á Cadêa e Casa do Concelho, espera pela conclusão do famoso aqueducto, que conduza de longa distancia abundante nascente d'agoa para acudir ás precisões ordinarias e extraordinarias, como incendios, etc. dos habitantes do centro da Villa, porque nas extremidades ha muito que existem perenes e deliciosas fontes.
Nunca lembrou suspender ou desviar tão desejada obra, que só era retardada pela difficuldade dos tempos; agora que o aqueducto chega á entrada da Villa, e já pouco dista do chafariz (fallo do aqueducto completo e bem vedado, que traga com limpeza agoa de beber, que para outros usos verte já no chafariz): agora, digo, é que a Camara appareceu deliberada a demolir o chafariz, mudalo para a extremidade, quasi fóra da Villa; fazendo assim retrogradar a obra sob o affectado motivo de economia, ao mesmo tempo que a demolição com risco e perda de muitos lavores, a reedificação consecutiva em outro local, e a expropriação deste, onde está um predio particular, importam muito mais do que o resto do aqueducto que se pertende poupar.
Por tanto se o deliberado projecto da Camara Municipal se realisar lá ficam em sêco os habitantes do centro da Villa, quando estavam a ponto de saciar a séde de tantos annos: arreda-se para longe da Cadêa esta commodidade aliàs indispensavel á sua limpeza e precisão dos presos miseraveis; deturpa-se a belleza da praça central e unica da Villa: gasta-se mais, e violenta-se o proprietario que se expropria não em beneficio, mas em prejuizo publico.
Todos estes sacrificios, para que 1 Para o interesse particular de alguem que pertende os sobejos d'agoa nos seus quintaes, onde não podem ir sem a mudança do chafariz: quando os sobejos da agoa no local da praça, já se affrontam e arrematam em concorrencia publica para interesse do Concelho.
Requeiro pois, como Representante dos Povos, e em nome de alguns habitantes (ameaçados se insistirem tio requerimento de igual natureza que já apresentaram á Camara Municipal onde pende); que este negocio seja remettido ao Governo com especial recommendação, para o fim proposto de excitar a observancia exacta das Leis, tornando effectiva a responsabilidade dos Empregados que prevaricarem, abusando de seus officios no transcendente objecto de que se tracta. Lisboa, e Sala da Sessão dos Senadores, 16 de Julho de 1839. = Francisco de Serpa Saraiva.
Terminada a leitura, proseguiu
O Sr. Serpa Saraiva: — Agora, Sr. Presidente, se me é permittido apoiar este Requerimento; direi que o que elle contêm são factos, e tão verdadeiros e publicos como a luz do meio dia, que os alumia na praça publica: e dados taes factos, é facil tirar a deducção, concluindo com a justiça do meu Requerimento. E como eu sou um dos proprietarios daquella Villa, julguei do meu dever apresentalo, e espero que esta Camara o approvará, reclamando do Governo de Sua Magestade justiça, e apoio aos Povos oppressos, de quem póde zombar a violencia disfarçada com o nome de bem publico, economia, e em trages de Liberdade.
A Camara julgou urgente o Requerimento apresentado; pelo que teve logo segunda leitura: não havendo quem reclamasse a palavra, foi posto á votação e approvado.
O Sr. Vellez Caldeira, na qualidade de Relator das Commissões (reunidas) de Legislação e Administração, leu e mandou para a Mesa um Parecer sobre o Projecto de Lei, remettido da Camara dos Deputados, ácerca do modo de processar as expropriações. — A pedido do Sr. Presidente do Conselho, foi dispensada a competente impressão, ficando sobre a Mesa para ser opportunamente discutido.
Foram lidos, já reduzidos a Decretos das Côrtes, os Projectos de Lei da Camara dos Deputados, nesta approvados, sobre os seguin-
*