O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

0380 | I Série - Número 007 | 03 de Outubro de 2003

 

O Sr. Presidente: - Tem razão, Sr. Deputado.
E, sendo assim, iniciamos com a discussão do voto n.º 87/IX - De saudação aos pilotos israelitas que se pronunciaram pela paz (BE).
Tem a palavra o Sr. Deputado João Teixeira Lopes.

O Sr. João Teixeira Lopes (BE): - Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Nelson Mandela afirmou que "o problema palestiniano é o grande problema moral do nosso tempo". Nelson Mandela sabe do que fala, porque esteve mais de 20 anos preso nas cadeias do apartheid, conheceu a intolerância e os muros da mais horrenda discriminação.
Foram 27 os pilotos israelitas que declararam não querer fazer guerra aos palestinianos. A deserção ou a objecção de consciência são, neste caso, um imperativo ético, como foram para muitos democratas que se recusaram a combater na guerra colonial, para não combaterem povos que lutavam pela sua libertação.
Estes 27 pilotos israelitas não querem matar inocentes, nem querem matar civis, nem tão pouco se deixam levar pela teoria dos danos colaterais.
A paz exige coragem, bem mais coragem do que fazer uma guerra suja. Não confundimos o povo de Israel com o seu governo. Sharon é de certo um criminoso de guerra.
Estes 27 pilotos, que recusam a guerra suja, mostram a sua bravura ao serem heróis da paz, ao recusarem a chacina e o genocídio.

O Sr. Luís Fazenda (BE): - Muito bem!

O Sr. Presidente: - Tem a palavra o Sr. Deputado Guilherme d'Oliveira Martins.

O Sr. Guilherme d'Oliveira Martins (PS): - Sr. Presidente, Srs. Deputados: Votaremos favoravelmente este voto, em nome dos valores da paz.
Num tempo de mil incertezas, em que o diálogo israelo-palestiniano continua sem funcionar, é preciso falar das questões da injustiça, do sofrimento e das diferenças culturais, no contexto da História.
A luta actual pela igualdade entre os povos e, naturalmente, entre a Palestina e Israel deve ser orientada em função de um objectivo humano de respeito e de coexistência e não em função da repressão e da rejeição.
Somos pelo cumprimento da Carta das Nações Unidas, das resoluções da Assembleia Geral e do Conselho de Segurança e, neste sentido, entendemos que a paz no Médio Oriente é a chave para a situação na zona mais perigosa no mundo neste momento.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente: - Tem a palavra o Sr. Deputado António Filipe.

O Sr. António Filipe (PCP): - Sr. Presidente, Srs. Deputados: Este voto conta com o nosso apoio e pensamos que é uma iniciativa oportuna.
Neste momento, em que justamente estamos todos muito preocupados com a situação que vive o povo palestiniano - por razões justas, porque efectivamente está a ser sujeito a uma bárbara ocupação, e está em curso a construção de um muro segregacionista que visa isolar a Palestina e roubar território palestiniano -, é muito justo salientar o esforço daqueles que lutam pela paz em Israel. E, perante o exemplo que é dado pelos pilotos da força aérea que se recusam a bombardear zonas residenciais palestinianas, que vem, aliás, na sequência de um movimento mais amplo que tem tido lugar no exército israelita, em que já várias centenas de jovens militares se recusaram a combater na Palestina, ainda que isso lhes custe a prisão e severas represálias num Estado profundamente militarista como é o de Israel -, nunca é demais salientar a coragem desses cidadãos e saudá-los como grandes arautos da luta pela paz, que é absolutamente necessária para a massacrada terra palestiniana e também para o povo de Israel.

Aplausos do PCP.

O Sr. Presidente: - Tem a palavra o Sr. Deputado Telmo Correia.

O Sr. Telmo Correia (CDS-PP): - Sr. Presidente, Srs. Deputados: No que respeita a este voto n.º 87/IX, do Bloco de Esquerda, de uma forma muito breve, quero dizer que a posição do CDS-PP é conhecida e revê-se no voto que a Assembleia da República aprovou há uns dias em relação ao conflito no Médio Oriente.

O Sr. Luís Marques Guedes (PSD): - Muito bem!

O Orador: - A nossa posição é clara: somos pela paz, condenamos o terrorismo e o princípio da retaliação.
Consideramos um absurdo total que se vote um voto de apoio a desertores do exército de um país com o qual Portugal

Páginas Relacionadas
Página 0379:
0379 | I Série - Número 007 | 03 de Outubro de 2003   batalha contra a perver
Pág.Página 379
Página 0381:
0381 | I Série - Número 007 | 03 de Outubro de 2003   tem relações. Isso seri
Pág.Página 381
Página 0382:
0382 | I Série - Número 007 | 03 de Outubro de 2003   No momento em que, feli
Pág.Página 382
Página 0383:
0383 | I Série - Número 007 | 03 de Outubro de 2003   por inércia, incompetên
Pág.Página 383
Página 0384:
0384 | I Série - Número 007 | 03 de Outubro de 2003   criminal -, que é o fac
Pág.Página 384
Página 0385:
0385 | I Série - Número 007 | 03 de Outubro de 2003   O Sr. Guilherme Silva (
Pág.Página 385
Página 0386:
0386 | I Série - Número 007 | 03 de Outubro de 2003   O 25 de Abril de 1974 f
Pág.Página 386
Página 0387:
0387 | I Série - Número 007 | 03 de Outubro de 2003   O Orador: - Isto signif
Pág.Página 387
Página 0388:
0388 | I Série - Número 007 | 03 de Outubro de 2003   querer que o Parlamento
Pág.Página 388
Página 0389:
0389 | I Série - Número 007 | 03 de Outubro de 2003   O Sr. Presidente: - Tem
Pág.Página 389
Página 0390:
0390 | I Série - Número 007 | 03 de Outubro de 2003   O Orador: - Além do mai
Pág.Página 390