O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

0949 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003

 

Novembro.
Pode este debate ser compartimentado das propostas já elaboradas em relação ao contrato individual de trabalho, ao sistema de avaliações, ou isolado do objectivo de aplicar aos trabalhadores da Administração Pública o chamado "pacote laboral", que o Sr. Ministro Bagão Félix tantas vezes negou e que, agora, os senhores já vão admitindo mais ou menos?
Disponho de pouco tempo, Sr.ª Ministra, mas um mérito lhe reconheço: a frontalidade. E há pouco, quase que foi sincera, naquele meio lapsus linguae, quando falava de parceria e ia dizendo "privatização" - foi um pequeno lapso, que está registado em Acta. Mas, Sr.ª Ministra, com base nessa frontalidade, não estará de acordo com a ideia de que estamos perante a primeira dose de um objectivo político e ideológico de alteração do conceito de Estado, do papel do Estado social, onde, em relação aos serviços públicos e às funções sociais, a linha fundamental é a privatização, o sentido do lucro e não essa dimensão social que o Estado, num sentido progressista e não de retrocesso, como os senhores estão a defender, deveria acautelar?
De facto, não estamos, aqui, a tratar de democratização, de desburocratização, de modernização da Administração Pública. A maioria e o Governo, com estas propostas - e "ainda a procissão vai no adro"! -, estão a falar de privatização e não de eficácia, estão a falar do lucro contra os trabalhadores, contra os seus interesses e os seus direitos, contra os cidadãos, contra o povo português.

Aplausos do PCP.

O Sr. Presidente (Lino de Carvalho): - Para pedir esclarecimentos, tem a palavra o Sr. Deputado Diogo Feio.

O Sr. Diogo Feio (CDS-PP): - Sr. Presidente, Sr.ª Ministra de Estado e das Finanças, encontramo-nos no início de um importante debate, e eu diria, mesmo em relação a um Governo que é reformista, que já tem mexido em muitas áreas da nossa sociedade, que começamos hoje, neste Plenário, a discutir a reforma das reformas. Trata-se de uma reforma que, desde já, exige coragem, determinação e que está na linha do cumprimento das promessas eleitorais, não só do CDS-PP mas também do PSD, e daqueles que são os compromissos do Programa do Governo.

O Sr. Nuno Teixeira de Melo (CDS-PP): - Muito bem!

O Orador: - Diria, até, que é uma reforma que corresponde a um sinal dos tempos: a uma nova sociedade, a uma nova economia; uma economia que exige uma Administração mais competitiva, mais eficiente e mais transparente. É que, de uma vez por todas, era preciso assumir que, em Portugal, não é possível continuar a gastar muito para ter pouca eficiência, não é possível continuar a gastar muito comparativamente com os restantes Estados da União Europeia para, depois, quando se vai ver os resultados, estarmos sempre atrás desses mesmos Estados.
Mas, para além desta, existe uma outra questão, diria, quase de natureza orçamental, e refiro-me à consolidação das contas públicas e do efeito sobre as despesas. Aliás, isto recorda-me um bom artigo, que li, sobre os Orçamentos do Partido Socialista, que falava de um "monstro" que estava a ser criado e que era preciso combatê-lo de uma forma clara; lembra-me ainda relatórios do Tribunal de Contas que criticavam constantemente a ineficiência dos gastos públicos que iam sendo feitos. Mais, relembra-me algumas ideias de uma certa esquerda que pensa que é com mais despesa pública que se consegue menos desigualdade.
Os resultados estão à vista, e é pena que assim seja.

Protestos de Deputados do PS.

Sr.ª Ministra, o que pretendo saber é se, para além da qualidade e eficiência dos serviços prestados, é possível que estas medidas tenham efeitos precisamente em relação à nossa despesa pública.
Gostaria também de saber se estas medidas se enquadram no modelo de desenvolvimento que este Governo quer para o nosso país, que passa, obviamente, por ter uma Administração Pública claramente eficiente.
Ainda faremos uma intervenção, mas quero dizer que, para nós, esta é a altura, é o tempo de decidir e reformar, e é por isso que felicitamos o Governo por, finalmente, tomar as decisões necessárias à reforma da Administração Pública, que há seis anos esperávamos.

O Sr. Presidente (Lino de Carvalho): - Para responder, tem a palavra a Sr.ª Ministra de Estado e das

Páginas Relacionadas
Página 0931:
0931 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   operação, é um negócio
Pág.Página 931
Página 0932:
0932 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   mesmo tempo, de regras
Pág.Página 932
Página 0933:
0933 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   especiais e anormais di
Pág.Página 933
Página 0934:
0934 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   responsável, capaz de r
Pág.Página 934
Página 0935:
0935 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   Essa diferenciação não
Pág.Página 935
Página 0936:
0936 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   Estou certa de que esta
Pág.Página 936
Página 0937:
0937 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   de aposentação na Admin
Pág.Página 937
Página 0938:
0938 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   Onde está desenvolvido
Pág.Página 938
Página 0939:
0939 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   Vozes do PS: - Muito be
Pág.Página 939
Página 0940:
0940 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   A parcialidade do manda
Pág.Página 940
Página 0941:
0941 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   O Sr. José Magalhães (P
Pág.Página 941
Página 0942:
0942 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   prestado directamente p
Pág.Página 942
Página 0943:
0943 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   um repúdio unânime por
Pág.Página 943
Página 0944:
0944 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   Em todo o caso, Sr. Dep
Pág.Página 944
Página 0945:
0945 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   uma decisão sensata por
Pág.Página 945
Página 0946:
0946 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   pelo também socialista
Pág.Página 946
Página 0947:
0947 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   sua relação com a refor
Pág.Página 947
Página 0948:
0948 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   Protestos do PS.
Pág.Página 948
Página 0950:
0950 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   Finanças. A Sr.ª
Pág.Página 950
Página 0951:
0951 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   Aplausos do PSD e do CD
Pág.Página 951
Página 0952:
0952 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   deveríamos concluir o s
Pág.Página 952
Página 0953:
0953 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   Dados, a propósito de u
Pág.Página 953
Página 0954:
0954 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   A Oradora: - … e, natur
Pág.Página 954
Página 0955:
0955 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   A Oradora: - O Sr. Depu
Pág.Página 955
Página 0956:
0956 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   tomam como referência d
Pág.Página 956
Página 0957:
0957 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   no Novo Sistema Retribu
Pág.Página 957
Página 0958:
0958 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   Portanto, Sr. Deputado,
Pág.Página 958
Página 0959:
0959 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   O Sr. José Magalhães (P
Pág.Página 959
Página 0960:
0960 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   O Sr. José Magalhães (P
Pág.Página 960
Página 0961:
0961 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   O Sr. António Pinheiro
Pág.Página 961
Página 0962:
0962 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   imparcialidade da Admin
Pág.Página 962
Página 0963:
0963 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   a desastrosa experiênci
Pág.Página 963
Página 0964:
0964 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   mais pequeno e ágil é,
Pág.Página 964
Página 0965:
0965 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   Aplausos do PS. O
Pág.Página 965
Página 0966:
0966 | I Série - Número 018 | 31 de Outubro de 2003   Aplausos do PSD e do CD
Pág.Página 966