O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 21

94

6 - É inaceitável que sejam necessários três Ministros para a aceitação de certos projectos.
7 - É também inaceitável que se preveja a isenção fiscal de imóveis do Estado (artigo 12.º n.º 1).
Além do exposto e em geral, os Deputados signatários votaram contra a lei porque aumenta o centralismo
contra a descentralização e ataca a autonomia do poder local.

O Deputado do PSD, Hugo Velosa.

———

Sobre o projecto de resolução n.º 159/X:

Segundo a Constituição, o Deputado à Assembleia da República deve votar de acordo com a sua
consciência e responde pelos seus actos perante o País. Assim, faço questão de exprimir por escrito a minha
votação a favor da realização de um referendo nacional sobre as questões da procriação medicamente
assistida, assunto de enorme interesse e actualidade. Os referendos são bons apoios da democracia
representativa em questões de interesse nacional, como é o caso.
Em Portugal, foram apresentados projectos de lei para as técnicas de procriação medicamente assistida
(PMA) desde há mais de 20 anos e nenhum partido político se submeteu à apreciação das eleições
legislativas de 2005 com programas sobre este assunto. Só está em vigor uma legislação aprovada no
Parlamento no dia 24 de Maio de 2006, a qual ainda não foi regulamentada e é inaceitável para grande parte
da população. Em numerosos países, já há anos existe uma segunda geração de regulamentações. Com este
pedido de referendo, subscrito por cerca de 80 000 pessoas numa acção inédita entre nós, solicita-se, com a
maior rapidez, a imprescindível melhoria da lei recentemente aprovada.
A PMA (intervenção biomédica através da qual alguns casais com problemas de infertilidade tentam o
nascimento de um filho) pode dar a satisfação legítima de procriar, mas, por outro lado, estão em causa
profundas e diversas consequências que devem ser melhor analisadas e acauteladas. Sublinhe-se que estas
questões são sobretudo antropológicas, não são religiosas, nem políticas, de esquerda ou direita. Em todo o
mundo têm sido alvo de generalizada atenção e participados debates, o que ainda não aconteceu entre nós: a
clonagem, a maternidade de substituição, a criação de embriões excedentários e o seu destino, os bancos de
esperma, a fecundação heteróloga (com recurso de gâmetas de um dador estranho ao casal), com as
consequentes dificuldades de identificar as respectivas maternidade e/ou paternidade e, na expressão do Prof.
Alexandre Laureano Santos, «acrescidos riscos de desestruturação da personalidade dos indivíduos afectados
e do conjunto social, como um todo», etc.
Por exemplo, em As Chaves do Século XXI, com prefácio de Koichiro Matsuura, Director-Geral da
UNESCO, edição da UNESCO, 2000 (em português, Instituto Piaget, Lisboa, 2002), atentemos agora apenas
num depoimento. Jeremy Rifkin, que publicou recentemente nos Estados Unidos e em França Le Siècle
Biotech. Le commerce des gènes dans le meilleur des mondes, adverte: «O comércio genético promete, é
verdade, enormes vantagens… mas é preciso ser ingénuo ou mal intencionado para imaginar que não existe
outro preço a pagar por todas essas vantagens… os direitos genéticos serão, no século que começa, aquilo
que foram no século que acaba, os direitos do homem e os direitos cívicos».
Tenho procurado documentar-me o melhor possível sobre a PMA e participei no Colóquio realizado pela
Assembleia da República em 10 e 11 de Janeiro de 2006 (no qual o conjunto dos participantes terá sido de
cerca de meia centena). Em consciência, subscrevi a referida petição de cidadãos para a realização deste
referendo e, em 24 de Maio de 2006, votei no Plenário contra os projectos de lei sobre a procriação
medicamente assistida, os quais foram aprovados e aguardam regulamentação.
No referendo, as perguntas terão de ser muito concretas e claras, bastando as três seguintes: a) Concorda
que a lei permita a criação de embriões humanos em número superior àquele que deva ser transferido para a
mãe imediatamente e de uma só vez? (diz respeito à criação de embriões excedentários); b) Concorda que a
lei permita a geração de um filho sem um pai e uma mãe biológicos, unidos entre si por uma relação estável?
(diz respeito à legitimidade de acesso às técnicas de procriação medicamente assistida e à fecundação
heteróloga); c) Concorda que a lei admita o recurso à maternidade de substituição, permitindo a gestação no
útero de uma mulher de um filho que não é biologicamente seu? (diz respeito à «barriga de aluguer»).
O referendo deve ser antecedido de muito amplos e pedagógicos debates e sessões de esclarecimento.
O artigo 67.º, n.º 2, e), da Constituição da República Portuguesa estipula que a procriação medicamente
assistida deve ser «regulada em termos que salvaguardem a dignidade da pessoa humana».
Os três principais aspectos do referendo poderão considerar-se atentatórios do princípio da dignidade da
pessoa humana, sendo cientificamente indubitável que o embrião é um ser humano e uma pessoa humana.
Permita-se-me citar o Juiz Pedro Vaz Patto: «Na bem conhecida concepção de Kant, que encontra
acolhimento consensual em pessoas de diversos quadrantes,… a pessoa, só por ser pessoa, tem dignidade, e
não um preço, como têm as coisas, e dessa dignidade deriva que ela deverá ser sempre encarada como fim
em si mesma e nunca como instrumento ao serviço de fins que lhe são alheios».

Páginas Relacionadas
Página 0009:
17 DE NOVEMBRO DE 2006 9 devidas no ano seguinte. Esta é uma regra injusta e incompre
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 21 10 propostas de alteração, designadamente em relação ao artigo 63
Pág.Página 10
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 21 12 Vozes do CDS-PP: — Muito bem! O Sr. Presidente: — Ainda
Pág.Página 12
Página 0013:
17 DE NOVEMBRO DE 2006 13 municipais fazem, designadamente com as juntas de freguesia
Pág.Página 13
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 21 18 O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs. Deputados, como teremos votaç
Pág.Página 18
Página 0041:
17 DE NOVEMBRO DE 2006 41 Em relação a um dos objectivos do CDS-PP, o de aumentar par
Pág.Página 41
Página 0043:
17 DE NOVEMBRO DE 2006 43 Aplausos do PS. O Sr. Presidente: — Srs. Membros do G
Pág.Página 43
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 21 44 A Sr.ª Helena Pinto (BE): — Sr. Presidente, Srs. Membros do Go
Pág.Página 44
Página 0045:
17 DE NOVEMBRO DE 2006 45 Vozes do PS: — Muito bem! O Sr. Luís Fazenda (BE): —
Pág.Página 45
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 21 46 alteração, tal significa que há uma plena adesão a um novo con
Pág.Página 46
Página 0049:
17 DE NOVEMBRO DE 2006 49 Sr. Presidente e Sr. Ministro, o que não é normal e o que n
Pág.Página 49
Página 0050:
I SÉRIE — NÚMERO 21 50 O Orador: — Mas a lei tem de dizer mais alguma coisa. O que é
Pág.Página 50
Página 0053:
17 DE NOVEMBRO DE 2006 53 Em relação àqueles que tínhamos o dever de autorizar, não n
Pág.Página 53
Página 0054:
I SÉRIE — NÚMERO 21 54 O Sr. Pedro Mota Soares (CDS-PP): — Mas mal! O Orador: —
Pág.Página 54
Página 0057:
17 DE NOVEMBRO DE 2006 57 Trata-se, por isso, de uma proposta justa que o PS apresent
Pág.Página 57
Página 0058:
I SÉRIE — NÚMERO 21 58 Aliás, o PCP queixa-se em relação à questão do pessoal mas, no
Pág.Página 58
Página 0059:
17 DE NOVEMBRO DE 2006 59 Esta Lei das Finanças Locais abre o caminho para uma nova f
Pág.Página 59