O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

17 DE NOVEMBRO DE 2006

95

Portugal, com lamentável atraso de cerca de um quarto de século, legislou sobre a procriação
medicamente assistida. Não constando a procriação medicamente assistida do programa apresentado nas
últimas eleições legislativas por qualquer partido político, sendo inaceitável para grande parte da população a
legislação aprovada recentemente na Assembleia da República e não permitindo a actual composição da
Câmara a pretendida alteração legislativa, a qual envolve princípios e valores fundamentais, parece-me que a
decisão devia ser dada aos cidadãos por sufrágio directo e individual, como aliás tem acontecido em muitos
países das democracias ocidentais. O povo português tem maturidade histórica e democrática para discutir e
decidir directamente estas questões essenciais na dignidade da pessoa humana.

A Deputada do PS, Matilde Sousa Franco.

______

Votei favoravelmente o projecto que propunha a realização de um referendo nacional sobre as questões de
procriação medicamente assistida (PMA) por duas razões fundamentais:
Acredito e defendo que a democracia representativa necessita cada vez mais da participação e intervenção
dos cidadãos. A petição, subscrita por mais de 78 000 cidadãos, propondo a realização de um referendo sobre
a PMA, é a afirmação de uma cidadania empenhada na defesa de um património cultural e do bem comum e
na procura de soluções reflectidas na construção e no fortalecimento de uma ética da nova era científica.
Acredito que o interesse geral e o desenvolvimento humano sustentado se constroem no âmbito de uma
cultura humanista e de uma cidadania participativa, portadora de uma ética de responsabilidade, que procura
compromissos razoáveis entre o presente e o nosso futuro civilizacional.
A lei sobre PMA, aprovada pelo Parlamento em 25 de Maio de 2006, é uma lei polémica e não consensual
(atente-se a mensagem do Presidente da República fundamentando a decisão de promulgação do decreto que
regula a procriação medicamente assistida, publicada no Diário da Assembleia da República de 15 de Julho de
2006).
A meu ver, a lei não foi elaborada com a prudência devida, uma vez não se ter atendido, designadamente,
a questões éticas e da dignidade do ser humano salientadas no Parecer do Conselho de Ética para as
Ciências da Vida e por outras entidades ouvidas.
Por outro lado, a complexidade dos temas abordados não deveria servir de argumento para dispensar o
Parlamento de promover um debate mais alargado e transparente. Isto porque a complexidade subjacente à
lei constitui antes fundamento para a realização de um debate global, participativo, sério e responsável, e que,
por sua vez, contribuiria para a devida formação da consciência dos cidadãos no âmbito de matérias tão
sensíveis no âmbito das ciências da vida.
As audições realizadas no âmbito da discussão dos projectos de lei não foram transmitidas no Canal
Parlamento e não poderão ser visualizadas no futuro. Assim, a opacidade que se registou na discussão desta
lei não favorece quer a democracia representativa quer a democracia participativa.
O valor e a centralidade da pessoa humana, que marca a nossa cultura democrática, exige que os
cidadãos sejam informados e esclarecidos, para que possam, em consciência, reflectir e decidir da sua forma
de actuar e da sua participação e comprometimento na sua relação com os outros e com a natureza. A
democracia participativa deve poder ser exercida e dar ao cidadão a possibilidade de se realizar e de participar
na construção da sociedade contemporânea.
Os problemas jurídicos e éticos que a Lei da Procriação Medicamente Assistida levanta não podem deixar
de ser questionados. Assim o afirma o próprio Presidente da República na mensagem enviada ao Parlamento.
Concluo com uma palavra de apreço ao Sr. Presidente da Assembleia da República pelo seu
posicionamento nesta questão, que permitiu que esta petição de cidadãos fosse discutida na Assembleia da
República.

A Deputada do PS, Teresa Venda.

Srs. Deputados que entraram durante a sessão:

Partido Socialista (PS):
António Bento da Silva Galamba
António José Martins Seguro
António Ribeiro Gameiro
Armando França Rodrigues Alves
Joaquim Ventura Leite
José Alberto Rebelo dos Reis Lamego
João Cardona Gomes Cravinho
Manuel Maria Ferreira Carrilho
Maria Antónia Moreno Areias de Almeida Santos

Páginas Relacionadas
Página 0009:
17 DE NOVEMBRO DE 2006 9 devidas no ano seguinte. Esta é uma regra injusta e incompre
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 21 10 propostas de alteração, designadamente em relação ao artigo 63
Pág.Página 10
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 21 12 Vozes do CDS-PP: — Muito bem! O Sr. Presidente: — Ainda
Pág.Página 12
Página 0013:
17 DE NOVEMBRO DE 2006 13 municipais fazem, designadamente com as juntas de freguesia
Pág.Página 13
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 21 18 O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs. Deputados, como teremos votaç
Pág.Página 18
Página 0041:
17 DE NOVEMBRO DE 2006 41 Em relação a um dos objectivos do CDS-PP, o de aumentar par
Pág.Página 41
Página 0043:
17 DE NOVEMBRO DE 2006 43 Aplausos do PS. O Sr. Presidente: — Srs. Membros do G
Pág.Página 43
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 21 44 A Sr.ª Helena Pinto (BE): — Sr. Presidente, Srs. Membros do Go
Pág.Página 44
Página 0045:
17 DE NOVEMBRO DE 2006 45 Vozes do PS: — Muito bem! O Sr. Luís Fazenda (BE): —
Pág.Página 45
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 21 46 alteração, tal significa que há uma plena adesão a um novo con
Pág.Página 46
Página 0049:
17 DE NOVEMBRO DE 2006 49 Sr. Presidente e Sr. Ministro, o que não é normal e o que n
Pág.Página 49
Página 0050:
I SÉRIE — NÚMERO 21 50 O Orador: — Mas a lei tem de dizer mais alguma coisa. O que é
Pág.Página 50
Página 0053:
17 DE NOVEMBRO DE 2006 53 Em relação àqueles que tínhamos o dever de autorizar, não n
Pág.Página 53
Página 0054:
I SÉRIE — NÚMERO 21 54 O Sr. Pedro Mota Soares (CDS-PP): — Mas mal! O Orador: —
Pág.Página 54
Página 0057:
17 DE NOVEMBRO DE 2006 57 Trata-se, por isso, de uma proposta justa que o PS apresent
Pág.Página 57
Página 0058:
I SÉRIE — NÚMERO 21 58 Aliás, o PCP queixa-se em relação à questão do pessoal mas, no
Pág.Página 58
Página 0059:
17 DE NOVEMBRO DE 2006 59 Esta Lei das Finanças Locais abre o caminho para uma nova f
Pág.Página 59