O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

23 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008


qualificada, assente agora no princípio da dupla maioria. A Comissão Europeia terá, a partir de 2014, uma nova composição com base no sistema de rotação igualitária.
Mas, Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, neste domínio também é de focar a criação da figura do Alto Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, que tem uma dupla missão: é o mandatário do Conselho para a Política Externa e de Segurança Comum, mas é também o VicePresidente da Comissão para a Política Externa.
A terceira e última nota sobre o Tratado de Lisboa é a de que é melhor para os parlamentos nacionais. O poder dos parlamentos nacionais é reforçado: passam a ser notificados dos actos legislativos e não legislativos da União Europeia. É a primeira vez que um Tratado se refere aos parlamentos nacionais — há neste Tratado 46 referências à sua importância. O Tratado apresenta uma inovação essencial, uma vez que sugere que os parlamentos nacionais sejam directamente associados ao controlo da boa aplicação do princípio da subsidiariedade.
Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Enquanto relatora, cumpre-me dizer que este é um Tratado que representa um aprofundamento dos direitos fundamentais e dos valores da União, mas é também um aperfeiçoamento do funcionamento democrático das instituições.
É, em suma, uma vitória para o projecto europeu.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente: — Tem a palavra o Sr. Deputado Mário Santos David, na qualidade de co-relator da Comissão de Assuntos Europeus.

O Sr. Mário Santos David (PSD): — Sr. Presidente, permita-me que comece por evocar a memória de Rui Moreira, um competente e interessado jornalista e subdirector da Lusa, ontem desaparecido, que consagrou alguns anos da sua curta vida em Bruxelas ao projecto europeu.

O Sr. Pedro Santana Lopes (PSD): — Muito bem!

O Sr. Mário Santos David (PSD): — Sr. Presidente, Sr. Primeiro-Ministro, Srs. Membros do Governo, Sr.as e Srs. Deputados: Coube-me a honrosa tarefa, juntamente com a Sr.ª Deputada que me precedeu, de ser corelator do relatório e parecer sobre a proposta de resolução n.º 68/X, que aprova o Tratado de Lisboa.
Procurámos elaborar um documento que pudesse permanecer como uma súmula factual de todo o processo desde o Tratado Constitucional ao Tratado de Lisboa, bem como do seu conteúdo, assim como deixar bem patente a forma séria e profunda como o assunto foi abordado pela Assembleia da República, envolvendo todas a suas comissões especializadas, com particular destaque, obviamente, para a Comissão de Assuntos Europeus.
Uma palavra de muito apreço pela alta qualidade da assessoria técnica desta nossa Comissão.

O Sr. Pedro Santana Lopes (PSD): — Muito bem!

O Sr. Mário Santos David (PSD): — Um Tratado que traduz a vontade expressa desde a Declaração de Berlim em que a Presidência alemã deixou claro querer responder à crise institucional, que se instalara com as rejeições do Tratado Constitucional em França e nos Países Baixos, com um Tratado que correspondesse ao grau de ambição do próprio projecto europeu, à sua capacidade em responder aos desafios do alargamento, às expectativas crescentes dos cidadãos, às ambições que foram sendo fixadas desde 1957 e ao papel que a União Europeia deve desempenhar no mundo.
Já tivemos, neste Plenário, oportunidade de debater, em 27 de Junho passado, os resultados do Conselho Europeu que concluiu a Presidência alemã, em que foi conferido à Presidência portuguesa um mandato extremamente preciso e concreto para a Conferência Intergovernamental que se seguiu e que deveria elaborar um Tratado Reformador. E, na sequência do êxito que obviamente constituiu o acordo conseguido em Lisboa a 19 de Outubro sobre o futuro Tratado, tivemos um debate em Plenário a 20 de Dezembro sobre a sua substância.

Páginas Relacionadas
Página 0006:
6 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 processo de instrução do requerimento do co
Pág.Página 6
Página 0007:
7 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Fria. Soube reencontrar a sua própria h
Pág.Página 7
Página 0008:
8 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Primeiro-Ministro: — … fundada no mes
Pág.Página 8
Página 0009:
9 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 África. Na sequência das Cimeiras, que
Pág.Página 9
Página 0010:
10 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Isto foi bom para a Europa, mas é uma marc
Pág.Página 10
Página 0011:
11 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 português ou dos direitos de soberania
Pág.Página 11
Página 0012:
12 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Protestos do PCP. O Sr. Bernardino S
Pág.Página 12
Página 0013:
13 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 e continuar a alimentar fantasias, nom
Pág.Página 13
Página 0014:
14 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 democrata a pode pôr em causa, como não po
Pág.Página 14
Página 0015:
15 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 com má-fé ou com reserva mental. Isso
Pág.Página 15
Página 0016:
16 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Presidente: — Para responder, tem a
Pág.Página 16
Página 0017:
17 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Eh!…
Pág.Página 17
Página 0018:
18 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 A questão é a seguinte: este é o mapa de P
Pág.Página 18
Página 0019:
19 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Protestos do PCP e da Deputada de Os V
Pág.Página 19
Página 0020:
20 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Alberto Martins (PS): — Foi contra e
Pág.Página 20
Página 0021:
21 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Os democratas e os amantes da liberdade,
Pág.Página 21
Página 0022:
22 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Por isso, para além de termos promovido a
Pág.Página 22
Página 0024:
24 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 No seguimento da moção de censura apresent
Pág.Página 24
Página 0025:
25 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 pleno emprego e o progresso social»; n
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Alberto Martins (PS): — O Tratado de
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 A 13 de Dezembro de 2007, os Chefes de
Pág.Página 27
Página 0028:
28 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Com o Tratado de Lisboa, a União Europeia
Pág.Página 28
Página 0029:
29 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 transparência e democraticidade, pela
Pág.Página 29
Página 0030:
30 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Com a sua entrada em vigor, a União Europe
Pág.Página 30
Página 0031:
31 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 vinha propagando; que a Europa tenha t
Pág.Página 31
Página 0032:
32 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 composição do Parlamento Europeu e, sobret
Pág.Página 32
Página 0033:
33 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Srs. Deputados, o que se contesta na r
Pág.Página 33
Página 0034:
34 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 A Constituição da República, na Parte II,
Pág.Página 34
Página 0035:
35 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Agostinho Lopes (PCP): — A ratifica
Pág.Página 35
Página 0036:
36 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 posição sobre o assunto: o Presidente do C
Pág.Página 36
Página 0037:
37 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Mas isto era de tal maneira escandalos
Pág.Página 37
Página 0038:
38 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Através do Tratado de Lisboa, a Europa diz
Pág.Página 38
Página 0039:
39 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Vozes do PS: — Muito bem! O Sr. Vit
Pág.Página 39
Página 0040:
40 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 exactamente por ser de carácter transversa
Pág.Página 40
Página 0041:
41 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 A primeira foi cobrir de ridículo a qu
Pág.Página 41
Página 0042:
42 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Ministro de Estado e dos Negócios Es
Pág.Página 42
Página 0043:
43 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 com o exercício desta votação, dê o pr
Pág.Página 43