O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

34 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008

A Constituição da República, na Parte II, Organização Económica, define e assume uma clara matriz social e económica de intervenção e regulação do Estado, com a subordinação do poder económico ao poder político e o planeamento do desenvolvimento económico e social, assegurando simultaneamente «o funcionamento eficiente dos mercados». O Tratado perfilha e constitucionaliza o neoliberalismo como ordem económica e social, com a transformação da «concorrência não falseada» em sacrossanto princípio fundador da União Europeia,…

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Muito bem!

O Sr. Agostinho Lopes (PCP): — … paradigma da livre circulação de capitais sem entraves, do livre comércio e motor da globalização imperialista.
Tratado que reconhece a Carta dos Direitos Fundamentais, atribuindo-lhe «o mesmo valor jurídico que os tratados», onde se inscreve não o «todos têm direito ao trabalho» do artigo 58.º da Constituição da República mas, em contraposição, «o direito de trabalhar», em estranha, ou talvez não, coincidência com a Constituição de 1933, de Salazar.

Vozes do PCP: — É verdade!

O Sr. Agostinho Lopes (PCP): — Alguém disse a propósito da Revisão Constitucional de 2004, que o PS, o PSD e o CDS aprovaram para acolher o primado do direito da União Europeia, inscrito no defunto tratado dito constitucional: «o sintoma que historicamente mais revela a decadência das classes dirigentes em Portugal é o cansaço de ser autónomo. Cansaço que leva essas classes dirigentes a aceitarem a perda da autonomia nacional…

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Muito bem!

O Sr. Agostinho Lopes (PCP): — … sem um momento de reflexão, nem sequer de hesitação. O que se passou na Assembleia da República com esta Revisão Constitucional foi um dos momentos mais tristes e deprimentes de toda a nossa história parlamentar fora do período ditatorial».

O Sr. Honório Novo (PCP): — Muito bem!

O Sr. Agostinho Lopes (PCP): — Quem disse isto, Srs. Deputados, não foi nenhum comunista antieuropeísta impenitente mas, sim, João Ferreira do Amaral, prestigiado professor do Instituto Superior de Economia e Gestão, membro do PS, recordando, a propósito, 1385 e 1580, datas de crise da independência nacional.

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Muito bem!

O Sr. Agostinho Lopes (PCP): — Infelizmente para o País, vamos ter hoje a repetição desses momentos tristes e deprimentes com a ratificação do Tratado! Srs. Deputados, quando caminhamos para os nove séculos de História nada nem ninguém poderá retirar ao povo português o imprescritível direito de escolher o seu futuro colectivo como povo e País soberano.

Vozes do PCP: — Muito bem!

O Sr. Agostinho Lopes (PCP): — O Tratado da União Europeia é, e será, independentemente do grave significado antipatriótico e anticonstitucional do seu conteúdo, apenas mais um episódio da triste história das traições das classes dominantes em Portugal, subordinando os interesses nacionais aos seus mesquinhos e privados interesses de grupo!

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, tem de terminar.

Páginas Relacionadas
Página 0006:
6 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 processo de instrução do requerimento do co
Pág.Página 6
Página 0007:
7 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Fria. Soube reencontrar a sua própria h
Pág.Página 7
Página 0008:
8 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Primeiro-Ministro: — … fundada no mes
Pág.Página 8
Página 0009:
9 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 África. Na sequência das Cimeiras, que
Pág.Página 9
Página 0010:
10 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Isto foi bom para a Europa, mas é uma marc
Pág.Página 10
Página 0011:
11 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 português ou dos direitos de soberania
Pág.Página 11
Página 0012:
12 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Protestos do PCP. O Sr. Bernardino S
Pág.Página 12
Página 0013:
13 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 e continuar a alimentar fantasias, nom
Pág.Página 13
Página 0014:
14 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 democrata a pode pôr em causa, como não po
Pág.Página 14
Página 0015:
15 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 com má-fé ou com reserva mental. Isso
Pág.Página 15
Página 0016:
16 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Presidente: — Para responder, tem a
Pág.Página 16
Página 0017:
17 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Eh!…
Pág.Página 17
Página 0018:
18 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 A questão é a seguinte: este é o mapa de P
Pág.Página 18
Página 0019:
19 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Protestos do PCP e da Deputada de Os V
Pág.Página 19
Página 0020:
20 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Alberto Martins (PS): — Foi contra e
Pág.Página 20
Página 0021:
21 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Os democratas e os amantes da liberdade,
Pág.Página 21
Página 0022:
22 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Por isso, para além de termos promovido a
Pág.Página 22
Página 0023:
23 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 qualificada, assente agora no princípi
Pág.Página 23
Página 0024:
24 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 No seguimento da moção de censura apresent
Pág.Página 24
Página 0025:
25 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 pleno emprego e o progresso social»; n
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Alberto Martins (PS): — O Tratado de
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 A 13 de Dezembro de 2007, os Chefes de
Pág.Página 27
Página 0028:
28 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Com o Tratado de Lisboa, a União Europeia
Pág.Página 28
Página 0029:
29 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 transparência e democraticidade, pela
Pág.Página 29
Página 0030:
30 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Com a sua entrada em vigor, a União Europe
Pág.Página 30
Página 0031:
31 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 vinha propagando; que a Europa tenha t
Pág.Página 31
Página 0032:
32 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 composição do Parlamento Europeu e, sobret
Pág.Página 32
Página 0033:
33 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Srs. Deputados, o que se contesta na r
Pág.Página 33
Página 0035:
35 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Agostinho Lopes (PCP): — A ratifica
Pág.Página 35
Página 0036:
36 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 posição sobre o assunto: o Presidente do C
Pág.Página 36
Página 0037:
37 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Mas isto era de tal maneira escandalos
Pág.Página 37
Página 0038:
38 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Através do Tratado de Lisboa, a Europa diz
Pág.Página 38
Página 0039:
39 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Vozes do PS: — Muito bem! O Sr. Vit
Pág.Página 39
Página 0040:
40 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 exactamente por ser de carácter transversa
Pág.Página 40
Página 0041:
41 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 A primeira foi cobrir de ridículo a qu
Pág.Página 41
Página 0042:
42 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Ministro de Estado e dos Negócios Es
Pág.Página 42
Página 0043:
43 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 com o exercício desta votação, dê o pr
Pág.Página 43