O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

35 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008

O Sr. Agostinho Lopes (PCP): — A ratificação parlamentar do Tratado a 23 de Abril, excluindo a participação e a decisão por referendo do povo soberano, em vésperas do 25 de Abril, assume uma particular gravidade, mas esclarece também o caminho a prosseguir pelos portugueses. Esclarecimento porque convoca a luta dos portugueses, dos trabalhadores e camadas antimonopolistas, dos patriotas, dos homens e mulheres que não se resignam a ver este País, Portugal, feito região de um super Estado europeu, dirigido pelas grandes potências e pelo grande capital transnacional, a levantar uma barreira, a construir o «não» à Europa do capital, a continuar a resistência para depois vencer o federalismo, o neoliberalismo e o militarismo a que o Tratado quer amarrar o País.

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, tem mesmo de terminar.

O Sr. Agostinho Lopes (PCP): — Resistir e lutar por Portugal é hoje, em primeiro lugar, lutar contra o projecto de União Europeia consubstanciado no Tratado; é resistir e lutar por uma Europa de cooperação entre povos e países soberanos e iguais em direitos, por uma Europa de paz e de cooperação com todos os povos do mundo.

Aplausos do PCP e de Os Verdes.

O Sr. Presidente: — Tem a palavra o Sr. Deputado João Semedo para uma intervenção.

O Sr. João Semedo (BE): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: A ratificação do Tratado que hoje aqui tem lugar é o culminar de um processo que se encontra manchado. Manchado porque resulta na inqualificável quebra de um compromisso eleitoral de realizar um referendo no nosso País;…

O Sr. Luís Fazenda (BE): — Muito bem!

O Sr. João Semedo (BE): — … manchado porque é um processo de ratificação envergonhado e escondido da população;…

Vozes do BE: — Muito bem!

O Sr. João Semedo (BE): — … e manchado ainda porque este Tratado hipoteca o futuro da própria Europa, definitivamente entregue a um directório dos grandes países europeus.
Falta democracia nesta Europa, uma evidência agravada com este Tratado onde, cada vez mais, as verdadeiras decisões que contam são tomadas onde não existe a necessária legitimidade democrática.
O Parlamento Europeu, o órgão eleito da União Europeia, continuará entretido com os pormenores, ao mesmo tempo que conselhos e comissões não eleitos, não sujeitos ao escrutínio popular, vão garantindo a decisão daquilo que verdadeiramente conta. E o que verdadeiramente conta nesta União Europeia, com Tratado ou sem ele, é o mercado e os grandes negócios.
A chamada e recorrente «crise institucional da Europa» tornou-se o denominador comum para garantir todos os saltos institucionais da União. E é em nome desta suposta crise que governantes europeus nos têm tentado convencer da bondade das mudanças nesta arquitectura institucional.
Foi assim com Maastricht, com Nice, com o Tratado Constitucional e agora com o Tratado de Lisboa.
Dizem que a Europa vive uma crise que só o esforço legislativo e a mudança institucional poderão resolver.
Facilmente se percebe, Sr.as e Srs. Deputados, ao olharmos para as hesitações da Europa relativamente ao Kosovo, que as razões por que hoje a União só alcança consensos de menor denominador comum são de ordem exclusivamente política, mas mesmo do ponto de vista institucional, o Tratado de Lisboa cria mais problemas do que aqueles que supostamente resolve.
Sr.as e Srs. Deputados, pensemos novamente nos acontecimentos do Kosovo: com o Tratado já em vigor não só continuaríamos sem ter qualquer decisão comum, como teríamos três porta-vozes a debitar a sua

Páginas Relacionadas
Página 0006:
6 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 processo de instrução do requerimento do co
Pág.Página 6
Página 0007:
7 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Fria. Soube reencontrar a sua própria h
Pág.Página 7
Página 0008:
8 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Primeiro-Ministro: — … fundada no mes
Pág.Página 8
Página 0009:
9 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 África. Na sequência das Cimeiras, que
Pág.Página 9
Página 0010:
10 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Isto foi bom para a Europa, mas é uma marc
Pág.Página 10
Página 0011:
11 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 português ou dos direitos de soberania
Pág.Página 11
Página 0012:
12 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Protestos do PCP. O Sr. Bernardino S
Pág.Página 12
Página 0013:
13 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 e continuar a alimentar fantasias, nom
Pág.Página 13
Página 0014:
14 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 democrata a pode pôr em causa, como não po
Pág.Página 14
Página 0015:
15 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 com má-fé ou com reserva mental. Isso
Pág.Página 15
Página 0016:
16 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Presidente: — Para responder, tem a
Pág.Página 16
Página 0017:
17 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Eh!…
Pág.Página 17
Página 0018:
18 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 A questão é a seguinte: este é o mapa de P
Pág.Página 18
Página 0019:
19 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Protestos do PCP e da Deputada de Os V
Pág.Página 19
Página 0020:
20 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Alberto Martins (PS): — Foi contra e
Pág.Página 20
Página 0021:
21 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Os democratas e os amantes da liberdade,
Pág.Página 21
Página 0022:
22 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Por isso, para além de termos promovido a
Pág.Página 22
Página 0023:
23 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 qualificada, assente agora no princípi
Pág.Página 23
Página 0024:
24 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 No seguimento da moção de censura apresent
Pág.Página 24
Página 0025:
25 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 pleno emprego e o progresso social»; n
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Alberto Martins (PS): — O Tratado de
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 A 13 de Dezembro de 2007, os Chefes de
Pág.Página 27
Página 0028:
28 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Com o Tratado de Lisboa, a União Europeia
Pág.Página 28
Página 0029:
29 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 transparência e democraticidade, pela
Pág.Página 29
Página 0030:
30 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Com a sua entrada em vigor, a União Europe
Pág.Página 30
Página 0031:
31 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 vinha propagando; que a Europa tenha t
Pág.Página 31
Página 0032:
32 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 composição do Parlamento Europeu e, sobret
Pág.Página 32
Página 0033:
33 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Srs. Deputados, o que se contesta na r
Pág.Página 33
Página 0034:
34 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 A Constituição da República, na Parte II,
Pág.Página 34
Página 0036:
36 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 posição sobre o assunto: o Presidente do C
Pág.Página 36
Página 0037:
37 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Mas isto era de tal maneira escandalos
Pág.Página 37
Página 0038:
38 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Através do Tratado de Lisboa, a Europa diz
Pág.Página 38
Página 0039:
39 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Vozes do PS: — Muito bem! O Sr. Vit
Pág.Página 39
Página 0040:
40 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 exactamente por ser de carácter transversa
Pág.Página 40
Página 0041:
41 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 A primeira foi cobrir de ridículo a qu
Pág.Página 41
Página 0042:
42 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Ministro de Estado e dos Negócios Es
Pág.Página 42
Página 0043:
43 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 com o exercício desta votação, dê o pr
Pág.Página 43