O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

47 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008


«The good thing is (… )that all the symbolic elements are gone, and that which really matters — the core —
is left.» (Anders Fogh Rasmussen, Primeiro-Ministro da Dinamarca, Jyllands-Posten, 25 de Junho de 2007).
«The Constitution is the capstone of a European Federal State» (Guy Verhofstadt, Primeiro-Ministro belga,
Financial Times, 21 de Junho de 2004).
As citações de vários altos responsáveis europeus que acima transcrevo espelham bem a realidade
inerente à aprovação do Tratado de Lisboa: um Tratado que nasceu de uma metamorfose do rejeitado projecto
de Constituição; um Tratado que, no fundo, procura esconder o enorme défice democrático que condicionou,
desde o primeiro dia, a sua aprovação.
Assim, são sete as razões que me levam a rejeitar e a votar naturalmente contra a aprovação na
Assembleia da República do Tratado de Lisboa.
Em primeiro lugar temos o enorme défice democrático na aprovação do Tratado, fruto de o mesmo não ter
sido objecto de qualquer referendo como defendemos ser necessário no passado.
Em segundo lugar, trata-se de um texto confuso e ilegível, em que as novas disposições foram dispersas
por todos os antigos Tratados, sob forma de emendas, numa técnica que, uma vez mais, impede a correcta
percepção por parte dos povos da Europa das leis fundamentais que os irão (eventualmente) reger.
Em terceiro lugar, é um Tratado potenciador da criação (uma vez mais sem consulta às populações) de um
super Estado europeu, de características federais, projecto este que tem vindo a ser sucessivamente
derrotado ao longo da História e que agora surge, de novo, de forma encapotada.
Em quarto lugar, é um Tratado com uma inapropriada centralização de poderes, em detrimento dos
poderes dos Estados-membros, e que não lhes dá margem a qualquer possibilidade, de no futuro, restaurarem
as suas competências individuais, se então o entenderem como desejável, centralização esta que se
concretiza através da figura do Presidente da União Europeia, com prejuízo das presidências rotativas até
agora existentes.
Em quinto lugar, assistimos à perda de um comissário por Estado já que apenas 2/3 dos Estados passam a
ser representados.
Em sexto lugar, que não menos importante, existe uma real perda do peso de Portugal, do seu poder
institucional, nomeadamente no Conselho, devido à alteração de equilíbrios dentro da instituição a favor dos
Estados mais populosos prevista no Tratado de Lisboa.
Na verdade, Portugal passará de 3,74% para 2,14%, alterando-se assim os equilíbrios de poder no seio da
União, em favor dos Estados mais populosos.
Em sétimo lugar, a perda importantíssima que representa para Portugal a passagem da «gestão» que até
agora exercia da sua zona marítima exclusiva para a competência da União Europeia, situação esta que, na
prática, nos trará os maiores prejuízos naquela que é a nossa única riqueza da actualidade: o mar.
São assim sete, e muito importantes, as razões que nos levam a rejeitar o Tratado de Lisboa, não porque
sejamos contra a Europa mas, sim, porque desejamos que a Europa a construir seja uma Europa democrática,
verdadeiramente representativa das populações que a compõem e em que estas se revejam nos seus líderes.
A tudo isto o Tratado de Lisboa não dá resposta. Uma vez mais estamos a construir uma Europa de costas
viradas para os cidadãos europeus. Até quando e com que consequências?

O Deputado do PSD, Pedro Quartin Graça.

———

Nota: As declarações de voto anunciadas pelos Srs. Deputados António Preto, Guilherme Silva e Correia
de Jesus do PSD e Pedro Mota Soares e Telmo Correia do CDS-PP, serão publicadas oportunamente.

Srs. Deputados que entraram durante a sessão:

Partido Socialista (PS):
Ricardo Manuel Ferreira Gonçalves

Partido Social Democrata (PSD):

Páginas Relacionadas
Página 0006:
6 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 processo de instrução do requerimento do co
Pág.Página 6
Página 0007:
7 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Fria. Soube reencontrar a sua própria h
Pág.Página 7
Página 0008:
8 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Primeiro-Ministro: — … fundada no mes
Pág.Página 8
Página 0009:
9 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 África. Na sequência das Cimeiras, que
Pág.Página 9
Página 0010:
10 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Isto foi bom para a Europa, mas é uma marc
Pág.Página 10
Página 0011:
11 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 português ou dos direitos de soberania
Pág.Página 11
Página 0012:
12 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Protestos do PCP. O Sr. Bernardino S
Pág.Página 12
Página 0013:
13 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 e continuar a alimentar fantasias, nom
Pág.Página 13
Página 0014:
14 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 democrata a pode pôr em causa, como não po
Pág.Página 14
Página 0015:
15 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 com má-fé ou com reserva mental. Isso
Pág.Página 15
Página 0016:
16 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Presidente: — Para responder, tem a
Pág.Página 16
Página 0017:
17 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Eh!…
Pág.Página 17
Página 0018:
18 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 A questão é a seguinte: este é o mapa de P
Pág.Página 18
Página 0019:
19 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Protestos do PCP e da Deputada de Os V
Pág.Página 19
Página 0020:
20 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Alberto Martins (PS): — Foi contra e
Pág.Página 20
Página 0021:
21 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Os democratas e os amantes da liberdade,
Pág.Página 21
Página 0022:
22 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Por isso, para além de termos promovido a
Pág.Página 22
Página 0023:
23 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 qualificada, assente agora no princípi
Pág.Página 23
Página 0024:
24 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 No seguimento da moção de censura apresent
Pág.Página 24
Página 0025:
25 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 pleno emprego e o progresso social»; n
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Alberto Martins (PS): — O Tratado de
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 A 13 de Dezembro de 2007, os Chefes de
Pág.Página 27
Página 0028:
28 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Com o Tratado de Lisboa, a União Europeia
Pág.Página 28
Página 0029:
29 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 transparência e democraticidade, pela
Pág.Página 29
Página 0030:
30 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Com a sua entrada em vigor, a União Europe
Pág.Página 30
Página 0031:
31 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 vinha propagando; que a Europa tenha t
Pág.Página 31
Página 0032:
32 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 composição do Parlamento Europeu e, sobret
Pág.Página 32
Página 0033:
33 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Srs. Deputados, o que se contesta na r
Pág.Página 33
Página 0034:
34 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 A Constituição da República, na Parte II,
Pág.Página 34
Página 0035:
35 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Agostinho Lopes (PCP): — A ratifica
Pág.Página 35
Página 0036:
36 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 posição sobre o assunto: o Presidente do C
Pág.Página 36
Página 0037:
37 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Mas isto era de tal maneira escandalos
Pág.Página 37
Página 0038:
38 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Através do Tratado de Lisboa, a Europa diz
Pág.Página 38
Página 0039:
39 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 Vozes do PS: — Muito bem! O Sr. Vit
Pág.Página 39
Página 0040:
40 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 exactamente por ser de carácter transversa
Pág.Página 40
Página 0041:
41 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 A primeira foi cobrir de ridículo a qu
Pág.Página 41
Página 0042:
42 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 O Sr. Ministro de Estado e dos Negócios Es
Pág.Página 42
Página 0043:
43 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 com o exercício desta votação, dê o pr
Pág.Página 43