O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

12 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008

Protestos do PCP.

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Atenção a essas comparações!

O Sr. Primeiro-Ministro: — A minha visão do patriotismo — e eu gosto da palavra Pátria! — é a de um patriotismo progressista e também de um patriotismo europeu, porque é aí que se defendem os interesses portugueses.

O Sr. João Oliveira (PCP): — A entregar o país a Bruxelas!

O Sr. Primeiro-Ministro: — Olhe, Sr. Deputado, não encontro melhores palavras para lhe responder do que as palavras de Eduardo Lourenço.

Vozes do PCP: — E a Constituição?

O Sr. Primeiro-Ministro: — Dizia Eduardo Lourenço: «Ou conseguimos obter os meios de participar, como europeus que somos, ou reinventamos, por conta própria, o fundamentalismo luso, de terrífica memória, para reciclar nele todos os complexos e para continuarmos puros, sem nenhuma contaminação alheia».

Aplausos do PS.

Vozes do PCP: — E a Constituição?

O Sr. Primeiro-Ministro: — Mas fica claro, neste debate, que aquilo que era a posição do Partido Comunista de defesa do referendo é, afinal de contas, apenas instrumental para afirmar a verdadeira posição do Partido Comunista. Os senhores são é contra o avanço da construção europeia!

O Sr. Jerónimo de Sousa (PCP): — Nunca enganámos ninguém, como os senhores!

O Sr. Primeiro-Ministro: — Os senhores são é contra o Tratado de Lisboa!

O Sr. Bruno Dias (PCP): — Então? Não responde?

O Sr. Primeiro-Ministro: — Os senhores são contra os valores que sempre inspiraram a construção europeia!

Aplausos do PS.

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — E a Constituição fica no «bolso»!

O Sr. Presidente: — Tem a palavra o Sr. Deputado Paulo Portas.

O Sr. Paulo Portas (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr. Primeiro-Ministro, sintetizando a posição do CDS, direi o seguinte: primeiro, a Presidência portuguesa e a diplomacia portuguesa aproveitaram, com mérito e com talento, uma oportunidade de ultrapassar o impasse em que a Europa se encontrava e que era, a todos os títulos, indesejável.

Vozes do CDS-PP: — Muito bem!

O Sr. Paulo Portas (CDS-PP): — Segundo, é melhor para a Europa ter um Tratado realista, um Tratado moderado, um Tratado que é um compromisso, do que não ter tratado nenhum, viver um impasse institucional

Páginas Relacionadas
Página 0013:
13 | I Série - Número: 075 | 24 de Abril de 2008 e continuar a alimentar fantasias, nom
Pág.Página 13