O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

17 | I Série - Número: 085 | 17 de Maio de 2008


sofrer na sociedade portuguesa e de outros não estarem. E o Governo do Partido Socialista não pode, não deve — não deixarão que seja! — ser insensível a esse facto.
Mas o Governo prometeu! É mais uma quebra de palavra que valida a censura, neste Parlamento, ao Governo: foi sobre o Tratado de Lisboa, foi sobre o IVA, foi sobre o Código do Trabalho, é sobre os aumentos dos pensionistas e dos trabalhadores da Administração Pública!! Não vale a pena repetir as imagens, o vídeo da conferência de imprensa do Sr. Primeiro-Ministro e do Ministro das Finanças. Por que é que vem agora aqui o Governo dizer: «não pode ser, não podemos aumentar a despesa pública, não podemos fazer isto e aquilo»… Mas o Governo prometeu! E está, hoje, aqui a dar fé de uma imensa quebra de palavra, de uma enorme falta aos compromissos tomados.
E voltamos sempre a este tema, que valida a censura e o descontentamento dos portugueses em relação ao Governo do Partido Socialista.

Aplausos do BE.

O Sr. Presidente: — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado Bernardino Soares.

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Sr. Presidente, a primeira questão que quero referir é a de que, evidentemente, este debate agendado pelo PCP é da maior importância e actualidade, que é, aliás, o nome que regimentalmente tem.
Também quero dizer que neste debate se estão a comprovar, mais uma vez, as razões que levaram o PCP a apresentar uma moção de censura pela política global do Governo e, porventura, serão estas algumas das razões que o Primeiro-Ministro admitiu que existiam, mas não quis dizer quais eram.

Vozes do PCP: — Exactamente!

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — De facto, Sr. Ministro, quando discutimos o último Orçamento do Estado, já sabíamos que havia crise internacional; só o Governo continuava a dizer, nas palavras do Sr.
Ministro das Finanças, que «tinha revisto o cenário macroeconómico, adoptando uma atitude prudente» — imagine-se o que disse o Sr. Ministro das Finanças no debate do Orçamento do Estado para 2008…!

O Sr. João Oliveira (PCP): — Exactamente!

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — A situação que estamos a viver é causada, certamente, pela crise internacional e pela má previsão do Governo em relação ao que aí vinha, e é causada também pela política interna do Governo. Porque não pense o Governo que, agora, vai continuar a justificar a imposição de sacrifícios apenas com a crise internacional! A sua responsabilidade é muito grande na situação que, hoje, vivemos!

Vozes do PCP: — Muito bem!

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Este Governo é responsável pela crise económica que vivemos e por este crescimento económico raquítico que estamos a ter na nossa economia, que não cria emprego e que não resolve os problemas da nossa economia e do desenvolvimento.
Afinal, o Governo já teve de abdicar daquela «coroa de glória» que nos atirava em todos os debates que era a de que o crescimento, não muito grande, da economia portuguesa previsto pelo Governo ia, pela primeira vez, convergir, ser superior, à média de crescimento da União Europeia. Tudo mentira! Afinal, vamos continuar este ano a divergir da União Europeia, a crescer menos do que a União Europeia, ao contrário do que o Governo andou a propagandear todos estes anos, fundando-se numa previsão falsa, mentirosa e, apenas, destinada à propaganda política.

Vozes do PCP: — Muito bem!

Páginas Relacionadas
Página 0020:
20 | I Série - Número: 085 | 17 de Maio de 2008 Há muito para fazer e não serão esta maiori
Pág.Página 20
Página 0021:
21 | I Série - Número: 085 | 17 de Maio de 2008 soberania onde sempre me habituei a ver
Pág.Página 21
Página 0022:
22 | I Série - Número: 085 | 17 de Maio de 2008 ortográfica europeia, possam estranhar e re
Pág.Página 22
Página 0023:
23 | I Série - Número: 085 | 17 de Maio de 2008 Tal qual o inglês, língua uma pouco mai
Pág.Página 23
Página 0024:
24 | I Série - Número: 085 | 17 de Maio de 2008 Também já foi dito a esta Câmara que esse P
Pág.Página 24
Página 0025:
25 | I Série - Número: 085 | 17 de Maio de 2008 E eu acrescento que, entre as quatro lí
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | I Série - Número: 085 | 17 de Maio de 2008 O Sr. Presidente: — Queira concluir, Sr.ª D
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | I Série - Número: 085 | 17 de Maio de 2008 se compreende que a proposta de resoluç
Pág.Página 27
Página 0028:
28 | I Série - Número: 085 | 17 de Maio de 2008 responsabilidade de cuidar e zelar pela mes
Pág.Página 28
Página 0029:
29 | I Série - Número: 085 | 17 de Maio de 2008 naturalmente é o Brasileiro. Portanto,
Pág.Página 29
Página 0030:
30 | I Série - Número: 085 | 17 de Maio de 2008 que alterara o texto inicial, quando este p
Pág.Página 30
Página 0031:
31 | I Série - Número: 085 | 17 de Maio de 2008 O Sr. Pedro Mota Soares (CDS-PP): — Sr. Pr
Pág.Página 31
Página 0032:
32 | I Série - Número: 085 | 17 de Maio de 2008 Hoje, o que estão a pedir-nos muitos, os qu
Pág.Página 32
Página 0033:
33 | I Série - Número: 085 | 17 de Maio de 2008 Modificativo, assinado em S. Tomé e Prí
Pág.Página 33
Página 0034:
34 | I Série - Número: 085 | 17 de Maio de 2008 O Sr. João Oliveira (PCP): — Uma segunda no
Pág.Página 34