O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

48 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008

opõe à evolução registada pelo Direito do Trabalho, dentro e fora de Portugal. Adopta soluções normativas de fundo, que desequilibram ainda mais as relações de trabalho a favor do empregador e em detrimento da posição dos trabalhadores. Inclui normas que põem em causa níveis mínimos de segurança e estabilidade no emprego, nomeadamente na contratação a termo, despedimentos e oposição à reintegração de trabalhadores.
Centra o essencial da disciplina jurídico-laboral nas relações individuais de trabalho em detrimento da promoção da autonomia contratual colectiva das associações sindicais e patronais e com desrespeito pelos princípios da liberdade sindical».
Demonstre, por isso, Sr. Ministro, se for capaz, que um horário concentrado de 12 horas diárias, ou 60 horas semanais, permite a conciliação da vida profissional com a vida familiar e particular. As oito horas de trabalho, principal conquista do século passado, são, assim, substituídas pelo trabalho «de sol a sol».
Tudo isto gerido no já conhecido banco de horas onde todas as horas são pagas da mesma maneira, seja ela a 1.ª hora de trabalho ou a 12.ª hora. Significa isto que o esforço acrescido do trabalhador não lhe é pago, indo directamente para o bolso do patrão toda a riqueza produzida.
Dirá o Sr. Ministro que isto faz parte da adaptabilidade, que pode ser individual ou grupal e que tem a ver com o acordo entre patrão e trabalhador, ou até com a maioria dos trabalhadores. A pergunta é muito simples: que capacidade é essa que as centenas de milhares de trabalhadores das empresas de trabalho temporário têm que até elas próprias desconhecem? São trabalhadores que não sabem para quem trabalham, mas percebem que a precariedade laboral em que vivem lhes permite ser despedidos sem qualquer direito. Quem fala das empresas de trabalho temporário, fala dos falsos recibos verdes, dos contratos a termo e dos trabalhadores crescentemente explorados em nome da ameaça do desemprego.
Demonstre, se for capaz, que o combate aos falsos recibos verdes se faz permitindo que as empresas sofram uma pequena penalização (de 5% para a segurança social), quando para outro qualquer tipo de contrato o desconto é de 23,75%. Isto não é legalizar a ilegalidade, Sr. Ministro? Demonstre que o alargamento do período experimental, inédito na Europa, não é mais do que a via para o patronato poder despedir a seu bel-prazer sem quaisquer encargos e direito a indemnização.
Sr. Presidente, Srs. Membros do Governo, Sr.as e Srs. Deputados: Em 12 de Julho de 2008, dizia o Ministro Vieira da Silva ao Expresso: «Se fosse difícil despedir, não havia este desemprego». É verdade. Que seja um ministro socialista a abrir o caminho ao «despedimento simplex» é elucidativo dos propósitos desta revisão da legislação laboral, agora se percebendo melhor as palavras de Bagão Félix, quando acusava este Código de ser «demasiado amigo dos patrões».
O Bloco de Esquerda mantém a sua exigência de revogação do Código do Trabalho, renovando propostas suas e recuperando outras do PS quando era oposição.
Destacarei apenas algumas: reintrodução do princípio do tratamento mais favorável para o trabalhador, porque este é a parte mais fraca na relação de trabalho; redução progressiva do horário de trabalho para as 35 horas, de forma a permitir a criação de mais emprego e de tempo para viver; dinamização da contratação colectiva contra o vazio contratual e a individualização das relações laborais, pondo fim à caducidade das convenções colectivas de trabalho, permitindo a manutenção dos direitos dos trabalhadores até nova convenção; diminuição da precariedade, limitando os contratos a termo a um ano, fim do qual o trabalhador passa a contrato efectivo; exercício democrático do direito de greve e de prestação de serviços mínimos; permitir a readmissão do trabalhador em caso de despedimento ilícito; democracia nas empresas, não limitando o exercício da actividade dos sindicatos e das comissões de trabalhadores; reforço das medidas contra a discriminação das mulheres no trabalho, com promoção de políticas de igualdade entre mulheres e homens; reforço, ainda, das políticas de apoio à maternidade e paternidade; antecipação da idade de reforma para os trabalhadores nocturnos e por turnos.
O Primeiro-Ministro regressou de férias para apresentar um exemplo de «trabalho qualificado»: um gigantesco call center em Santo Tirso. Para um Governo que começou a prometer um «choque tecnológico» e muita formação profissional, os horizontes parecem ter mirrado bastante, ficando-se agora pela imitação do modelo laboral em vigor em Bombaim ou em Xangai.
Mas a resposta social e laboral vai ser dada. É no terreno da luta que teremos de enfrentar o «Código Vieira da Silva», e é nesse terreno que este Código irá ser derrotado.

Aplausos do BE.

Páginas Relacionadas
Página 0018:
18 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 O Sr. Ministro dos Assuntos Parlamentar
Pág.Página 18
Página 0019:
19 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 Foi possível passar de 600 000 trab
Pág.Página 19
Página 0020:
20 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 Em vez de aumentar a duração dos contra
Pág.Página 20
Página 0021:
21 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 O Sr. Francisco Lopes (PCP): — É isso
Pág.Página 21
Página 0022:
22 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 Vozes do CDS-PP: — Muito bem! O S
Pág.Página 22
Página 0023:
23 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Claro
Pág.Página 23
Página 0024:
24 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 eternamente dos direitos de passagem a
Pág.Página 24
Página 0025:
25 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 O Sr. Luís Pais Antunes (PSD): — Concl
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 Bem, que assumiu comprometer a vida dos
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 considerar ser um bom objectivo, ma
Pág.Página 27
Página 0028:
28 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 o que é riqueza produzida? Se isto não
Pág.Página 28
Página 0029:
29 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 Aplausos do PS. O Sr. Presidente
Pág.Página 29
Página 0030:
30 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 O Sr. Ministro dos Assuntos Parlamentar
Pág.Página 30
Página 0031:
31 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 O Sr. Jorge Machado (PCP): — O PS,
Pág.Página 31
Página 0032:
32 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 O encerramento de empresas no período d
Pág.Página 32
Página 0033:
33 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 O CDS diz: «Os senhores deviam ter
Pág.Página 33
Página 0034:
34 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 O Sr. Ministro do Trabalho e da Solidar
Pág.Página 34
Página 0035:
35 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 Se reconhecem que ela existe em Portug
Pág.Página 35
Página 0036:
36 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 Quanto ao princípio do tratamento mais
Pág.Página 36
Página 0037:
37 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 O Sr. Presidente: — Tem a palavra o Sr
Pág.Página 37
Página 0038:
38 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 Aplausos do BE. O Sr. Presidente:
Pág.Página 38
Página 0039:
39 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 do combate à precariedade, da promo
Pág.Página 39
Página 0040:
40 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 O Sr. Ministro do Trabalho e da Solidar
Pág.Página 40
Página 0041:
41 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 O Sr. Jorge Machado (PCP): — Nem ma
Pág.Página 41
Página 0042:
42 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 Aplausos do PCP. O Sr. Presidente
Pág.Página 42
Página 0043:
43 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 Mas, se o Sr. Ministro tem dúvidas,
Pág.Página 43
Página 0044:
44 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 que tem como consequência o desincentiv
Pág.Página 44
Página 0045:
45 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 O Governo PS ataca a conquista hist
Pág.Página 45
Página 0046:
46 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 O Sr. Francisco Lopes (PCP): — O PS, nu
Pág.Página 46
Página 0047:
47 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 Vozes do PCP: — Muito bem! O Sr.
Pág.Página 47
Página 0049:
49 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 O Sr. Presidente: — Para uma intervenç
Pág.Página 49
Página 0050:
50 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 Descontado o incompreensível aumento da
Pág.Página 50
Página 0051:
51 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 Vozes do PS: — Muito bem! O Sr.
Pág.Página 51
Página 0052:
52 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 A Sr.ª Manuela Melo (PS): — Bem lembrad
Pág.Página 52
Página 0053:
53 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 fosse alguém estranho e neutro em r
Pág.Página 53
Página 0054:
54 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 O Sr. Ministro do Trabalho e da Solidar
Pág.Página 54
Página 0055:
55 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 O Sr. Jorge Machado (PCP): — É prec
Pág.Página 55
Página 0056:
56 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 patrão tem até seis meses para usar o t
Pág.Página 56
Página 0057:
57 | I Série - Número: 002 | 19 de Setembro de 2008 E recorrem sempre à justificação da
Pág.Página 57