O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

59 | I Série - Número: 006 | 20 de Novembro de 2009

Mas aqui, nesta bancada — esperemos que tenha desenvolvimentos e que, até amanhã, o PSD reflicta sobre isto — , tendo de optar entre uma mão cheia de nada e a clareza da suspensão, não teremos nenhuma dúvida em votar, como propomos, a clareza da suspensão, porque é isso que aproveita a escola pública e que aproveita a negociação do Governo com os professores.

Aplausos do PCP.

O Sr. Presidente: — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado José Pedro Aguiar Branco.

O Sr. José Pedro Aguiar Branco (PSD): — Sr. Presidente, Sr. Ministro, Sr.as e Srs. Deputados: Não há memória de um conflito social como este — entre o Governo e os professores — na história de Portugal após o 25 de Abril.
O que aconteceu na educação nos últimos dois anos não foi um problema, não foi, sequer, uma sucessão de problemas, não foi um conflito meramente corporativo, como o Governo nos quis fazer crer.
O que aconteceu na educação foi uma crise, uma crise institucional da maior gravidade, uma crise com a mesma dimensão e importância da crise que atormenta a nossa economia.

Vozes do PSD: — Muito bem!

O Sr. José Pedro Aguiar Branco (PSD): — O que vimos e ouvimos dizer sobre a educação, nos últimos dois anos, devia envergonhar qualquer cidadão, sobretudo o que tem responsabilidades a nível político.
Como foi possível deixar chegar as coisas a este ponto? Como foi possível desmotivar milhares e milhares de professores? Como foi possível prejudicar milhares e milhares de alunos?

O Sr. Pedro Duarte (PSD): — Muito bem!

O Sr. José Pedro Aguiar Branco (PSD): — Como foi possível desassossegar milhares e milhares de famílias? Como foi possível tanta insensibilidade ao vento gélido que soprava da sociedade?

Aplausos do PSD.

Sr.as e Srs. Deputados, para lidar com esta crise havia dois caminhos possíveis.
Agitar? Ficar pela mera agitação como fizeram, e continuam a fazer, alguns partidos à nossa direita ou à nossa esquerda, com mais ou menos frenética intensidade, mas sempre, sempre com inconsequentes resultados?

Vozes do PSD: — Muito bem!

O Sr. José Pedro Aguiar Branco (PSD): — Ou resolver? Resolvê-la, passando, em definitivo, uma página triste da nossa história recente, foi o que sempre quisemos fazer, foi o que sempre fizemos e estivemos disponíveis para fazer, é o que, finalmente, temos agora a oportunidade de fazer.
Com a maioria absoluta nas mãos deste Parlamento nenhum professor, nenhum aluno, nenhum pai, nenhum português compreenderia que este debate acabasse sem que esta crise fosse definitivamente resolvida. O País exige que assim seja!

Aplausos do PSD.

Qualquer outro resultado seria inadmissível. Não vamos deixar que isso aconteça. Esta crise acaba aqui e acaba agora!

Páginas Relacionadas
Página 0060:
60 | I Série - Número: 006 | 20 de Novembro de 2009 Vozes do PSD: — Muito bem! O Sr.
Pág.Página 60
Página 0061:
61 | I Série - Número: 006 | 20 de Novembro de 2009 Sr. Ministro dos Assuntos Parlamentares
Pág.Página 61
Página 0062:
62 | I Série - Número: 006 | 20 de Novembro de 2009 Vozes do PSD: — Não é verdade! O
Pág.Página 62
Página 0063:
63 | I Série - Número: 006 | 20 de Novembro de 2009 O Sr. José Pedro Aguiar Branco (PSD): —
Pág.Página 63
Página 0066:
66 | I Série - Número: 006 | 20 de Novembro de 2009 Aplausos do PS. Sr.as e Srs. Depu
Pág.Página 66