O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

11 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009

Uma delas é relativa ao sigilo bancário.
Sr. Deputado, segundo previsões, em Portugal há entre 10 a 15 milhões de contas bancárias. Ora, o projecto de lei que V. Ex.ª hoje apresenta faz tão-só isto: duas vezes por ano, as instituições bancárias têm de comunicar ao fisco os valores e os fluxos de todas as contas, ou seja, de entre 10 a 15 milhões de contas de todos os portugueses. E se este imperativo não é para investigar, então para quê essa necessidade de comunicação?

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Muito bem!

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — É para devassar a privacidade de quem nunca exerceu, quer ou pretende exercer qualquer cargo de poder, para utilizar uma expressão que lhe é cara?

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Muito bem!

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — É para fazer de cada depositante, de cada um de nós, até das crianças, um presumível suspeito?! É que este «big brother fiscal» que o Bloco de Esquerda parece querer criar nem sequer toma em conta que temos uma administração tributária que nem devolver o IVA a tempo consegue fazer!

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Muito bem!

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Com que funcionários é que VV. Ex.as pretendem, duas vezes por ano, verificar, minuciosamente, 15 milhões de contas de todos os depositantes? Repito, são as contas de todos e não só dos ricos.

O Sr. Pedro Mota Soares (CDS-PP): — Muito bem!

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Mais estranho ainda neste projecto, Sr. Deputado, é o facto de os senhores pretenderem obrigar ao cruzamento de dados — aí, sim, provavelmente, já para matérias de investigação — de contas de pessoas que recebem um salário (por transferência bancária, como é hábito) de cerca de 1400 €/mês, ou mais de 20 000 €/ano.
Sr. Deputado, o que é que interessa ao Estado conhecer as contas, os fluxos, os movimentos de famílias que ganham 300 contos/mês?

Vozes do CDS-PP: — Muito bem!

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Não acha que isto afecta a necessária confiança na economia, Sr. Deputado?

Aplausos do CDS-PP.

Uma última pergunta, agora sobre as mais-valias — e com ela termino, Sr. Presidente.
De acordo com este projecto sobre mais-valias, Sr. Deputado, não vislumbramos a razão pela qual uma pessoa que compra, por exemplo, um apartamento em Loures, na Pontinha ou na Trafaria por 50 000 € — e se, de repente (e sem que tenha sido consultado), o Estado decide estender aí, por exemplo, o metro de superfície — e que, posteriormente, numa decisão pessoal, consegue vender por 75 000 € a casa que comprou por 50 000 € há três anos atrás, tem de pagar ao Estado imediatamente — e por força deste imposto que o Bloco de Esquerda quer criar — cerca de 10 000 €. Isto sem esquecer o que terá de pagar em sede de IRS para obter essa mais-valia.
Sr. Deputado, onde é que está a justiça disto? Onde é que está a defesa dos mais desfavorecidos? Não percebemos!

Páginas Relacionadas
Página 0006:
6 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 A Sr.ª Secretária (Celeste Correia): — S
Pág.Página 6
Página 0007:
7 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 Os especialistas, e, aliás, os maiores re
Pág.Página 7
Página 0008:
8 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 E, Sr.as e Srs. Deputados, é porque essa
Pág.Página 8
Página 0009:
9 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 parlamentar. Então, como se compreenderia
Pág.Página 9
Página 0010:
10 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 O Sr. Luís Montenegro (PSD): — Qual é a
Pág.Página 10
Página 0012:
12 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 Aplausos do CDS-PP. O Sr. Presiden
Pág.Página 12
Página 0013:
13 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 Aplausos do BE. O Sr. Presidente:
Pág.Página 13
Página 0014:
14 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 Aplausos do PS. O Sr. Presidente:
Pág.Página 14
Página 0015:
15 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 A verdade é que não podemos, à partida,
Pág.Página 15
Página 0016:
16 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 legislativo necessário para combater com
Pág.Página 16
Página 0017:
17 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 Um outro argumento era que esta criminal
Pág.Página 17
Página 0018:
18 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): —
Pág.Página 18
Página 0019:
19 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 O Sr. Fernando Negrão (PSD): — Portanto
Pág.Página 19
Página 0020:
20 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 Depois, é uma questão de o juiz resolver
Pág.Página 20
Página 0021:
21 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 O Sr. José Manuel Pureza (BE): — É por
Pág.Página 21
Página 0022:
22 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 Aplausos do PSD. O Sr. Presidente:
Pág.Página 22
Página 0023:
23 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 Também nos merece um fundado reparo o pr
Pág.Página 23
Página 0024:
24 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 O Sr. Filipe Lobo d’Ávila (CDS-PP): — E
Pág.Página 24
Página 0025:
25 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 Este é o compromisso do CDS, mas é també
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 O Sr. Ricardo Rodrigues (PS): — Criámos
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 Srs. Deputados, quando dizem que são pun
Pág.Página 27
Página 0028:
28 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 Consideramos, no entanto, que a Lei dos
Pág.Página 28
Página 0029:
29 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 A Sr.ª Helena Pinto (BE): — Sr. Preside
Pág.Página 29
Página 0030:
30 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 O Sr. Ricardo Rodrigues (PS): — Percebo
Pág.Página 30
Página 0031:
31 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 É ao Ministério Público que, no âmbito d
Pág.Página 31
Página 0032:
32 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 Na altura, o PSD teve ocasião de manifes
Pág.Página 32
Página 0033:
33 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 Não há outra forma de combater o crime e
Pág.Página 33
Página 0034:
34 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 Aplausos do PS. Por isso, Srs. Deputado
Pág.Página 34
Página 0035:
35 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 Agora, se os senhores dizem que não perm
Pág.Página 35
Página 0036:
36 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 O Sr. José Manuel Pureza (BE): — Sr. Pr
Pág.Página 36
Página 0037:
37 | I Série - Número: 011 | 4 de Dezembro de 2009 O Sr. José Manuel Pureza (BE): — Sr. Pr
Pág.Página 37