O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

48 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011

O Sr. Ministro de Estado e das Finanças: — Mas não, não tem! É porque o Governo tem consciência das dificuldades e foi, por isso, claramente, que pediu aos portugueses que fizéssemos sacrifícios importantes para ultrapassarmos as dificuldades. Vergonha tem a direita, que, nestas circunstâncias, é incapaz de defender medidas que imponham sacrifícios!

Aplausos do PS.

Mais: a direita tem vergonha de dar a cara por medidas que possam ser impopulares e que exijam sacrifícios; entende que ç mais fácil governar com o Fundo Monetário Internacional,»

Aplausos do PS.

» porque o Fundo Monetário Internacional é um bom bode expiatório para suportar as políticas relativamente às quais não tem a coragem de dar a cara.
Sr. Deputado Josç Gusmão, a regra não proíbe políticas anticrise»

A Sr.ª Cecília Honório (BE): — Ai não!»

O Sr. Ministro de Estado e das Finanças: — A regra refere bem que é utilizado um critério assente no conceito do défice ajustado do ciclo. Por outro lado, a regra prevê que possa não ser respeitada, tem é de ser corrigida nos anos a seguir. Portanto, na eventualidade de uma conjuntura económica mais desfavorável, podem adoptar-se medidas de estímulo anticrise que ultrapassem a regra, que vão para além da regra, desde que, depois, se corrija o desvio, entretanto, operado.
Sr. Deputado, rigor e disciplina orçamental para mim não são uma questão ideológica; trata-se de uma questão fundamental para assegurar um quadro macroeconómico que garanta confiança e que garanta condições de crescimento da economia.
O Sr. Deputado João Pinho de Almeida deturpou a questão da receita, porque não é aqui dito que a receita terá, necessariamente, de aumentar.

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Diz que não pode diminuir!

O Sr. Ministro de Estado e das Finanças: — Não! A evolução da economia, a evolução orçamental permitirá que as propostas de Orçamento possam, de facto, conter reduções da carga fiscal! O que aqui é dito é o seguinte: temos de ter regras de rigor e disciplina orçamental, as quais se traduzem num critério que tem a ver com o saldo orçamental, e não podemos permitir que as alterações ao Orçamento ponham em causa o cumprimento dessas regras que têm a ver com o saldo orçamental, porque corremos o risco de descredibilizar a política orçamental e de minar a confiança dos agentes económicos.

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Mas isto não é rigor nenhum!

O Sr. Ministro de Estado e das Finanças: — Recordo ao Sr. Deputado que a reserva é absoluta, por parte da Assembleia da República, quanto à receita fiscal, e essa reserva não é retirada.
Sr. Deputado João Pinho de Almeida, o Sr. Deputado acusa o Governo de ter a despesa sem controlo e de aumentar a despesa»

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Não foi disso que o acusei, foi de não conseguir reduzi-la!

O Sr. Ministro de Estado e das Finanças: — Permita-me que lhe diga «olha quem fala»!» É porque se há coisa em que não têm qualquer autoridade e credibilidade para falar é no controlo da despesa. O Governo do Partido Socialista foi o único que, na década passada, desceu a despesa e o peso da despesa no PIB.

Aplausos do PS.

Páginas Relacionadas
Página 0039:
39 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, par
Pág.Página 39
Página 0040:
40 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 Passa a fixar-se uma regra sobre o saldo
Pág.Página 40
Página 0041:
41 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 Tem a palavra o Sr. Deputado Duarte Pach
Pág.Página 41
Página 0042:
42 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 Foi, certamente, um bom resultado, que v
Pág.Página 42
Página 0043:
43 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 colocar, há um ponto específico sobre o
Pág.Página 43
Página 0044:
44 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 Sr. Deputado, aquilo que é possível faze
Pág.Página 44
Página 0045:
45 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 deixa de ser extraordinária a desilusão
Pág.Página 45
Página 0046:
46 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): —
Pág.Página 46
Página 0047:
47 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 Terceiro comentário: interrogo-me sobre
Pág.Página 47
Página 0049:
49 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 Os governos que mais aumentaram a despes
Pág.Página 49
Página 0050:
50 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 O Sr. Duarte Pacheco (PSD): — Em primei
Pág.Página 50
Página 0051:
51 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 de enquadramento deve enquadrar os princ
Pág.Página 51
Página 0052:
52 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 (já 36!) anos de democracia foi que o se
Pág.Página 52
Página 0053:
53 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 Salienta-se, aliás, que o Governo foi da
Pág.Página 53
Página 0054:
54 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 um limite mínimo para o seu valor, compa
Pág.Página 54
Página 0055:
55 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 Governo irá a exame na próxima Primavera
Pág.Página 55
Página 0056:
56 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 estruturação do País e do conjunto das d
Pág.Página 56
Página 0057:
57 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 Aplausos do PCP. O Sr. Presidente:
Pág.Página 57
Página 0058:
58 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 A forma burocrática como introduz o cont
Pág.Página 58
Página 0059:
59 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 Constato que o PSD, há uns meses, reclam
Pág.Página 59
Página 0060:
60 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 outras variáveis de natureza macroeconóm
Pág.Página 60
Página 0061:
61 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 especialidade, teremos hipótese de chega
Pág.Página 61
Página 0062:
62 | I Série - Número: 037 | 13 de Janeiro de 2011 As propostas aqui apresentadas querem, d
Pág.Página 62