O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

22 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011

Volvidos alguns dias após o PSD ter espoletado esta crise política, sentimos já os terríveis efeitos da mesma.
Por isso, os portugueses perguntam-se: como foi possível ao PSD ter provocado uma crise política no País, só para evitar uma crise interna?! A oposição sabia que uma crise política iria gerar mais incerteza e desconfiança nos mercados internacionais.
A oposição sabia que uma crise política iria provocar uma subida dos juros da dívida pública e consequentes dificuldades no financiamento do País.
Por tudo isto, os portugueses perguntam constantemente: por que razão a oposição arrastou o País para uma crise política sabendo que só iria agravar as condições de vida dos portugueses?! Resposta: a oposição move-se por interesses meramente eleitoralistas e olhou irresponsavelmente para a actual situação do País como uma boa oportunidade para derrubar o Governo!

Aplausos do PS.

É assim que se comporta a oposição em Portugal: com oportunismo e irresponsabilidade. Infelizmente, o exercício do populismo e a falta de credibilidade têm revelado traços de grande imoralidade política, cujo expoente máximo ocorreu na passada sexta-feira, um dia que ficará gravado nas páginas negativas da história parlamentar.
Na passada sexta-feira, o País assistiu incrédulo a um dos momentos mais oportunistas alguma vez lançados pela oposição parlamentar em Portugal. Em plena crise política, a oposição, obcecada pela «caça» ao voto, entendeu revogar a avaliação de desempenho dos professores, prestou um péssimo contributo à política portuguesa e, uma vez mais, a oposição mostrou do que é capaz e até onde está disposta a ir.
Deste modo, e não satisfeita com os resultados da onda populista, a oposição vem hoje cessar a entrada em vigor do regime de autorização da despesa na celebração de contratos públicos, dizendo sobre a matéria as mais diversas e infelizes acusações. Só que desta vez a oposição foi apanhada em flagrante: esqueceu-se que ainda há bem pouco tempo aprovou, nesta Assembleia, a mesma matéria!

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Não é a mesma!

O Sr. João Paulo Correia (PS): — O que é isto senão uma «cambalhota», senão falta de credibilidade?! É caso para se dizer que a oposição, sem excepção, já faz oposição a si própria!

Aplausos do PS.

Protestos do PCP.

Faz sentido crispar ainda mais o clima político do País acerca de uma matéria que só avançou porque mereceu a concordância da oposição, exactamente a mesma oposição que hoje está contra?!

Protestos do Deputado do PCP João Oliveira.

O que está em causa é uma actualização dos preços dos valores máximos para a autorização da despesa nos contratos públicos. E isso, ao contrário do que diz a oposição, não aumenta a despesa nem altera as regras concursais e não dispensa o visto prévio do Tribunal de Contas! Acontece que a vontade de atacar o Governo é tanta que leva os partidos da oposição a perder identidade política.
É caso para perguntar ao PSD, principal partido da oposição: é assim que querem ser poder em Portugal?! É com «cambalhota» atrás de «cambalhota» que oferecem qualquer tipo de credibilidade aos portugueses?!

Vozes do PS: — Muito bem!

Páginas Relacionadas
Página 0009:
9 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 Legal na Comissão Permanente para a Revisão
Pág.Página 9
Página 0010:
10 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 Desde a década de 1970 que não víamos emig
Pág.Página 10
Página 0011:
11 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 impostos sobre as famílias, os impostos so
Pág.Página 11
Página 0012:
12 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 directo. Só que foi também assim que o Gov
Pág.Página 12
Página 0013:
13 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 contexto em que o Governo justifica a impo
Pág.Página 13
Página 0014:
14 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 Isto quando é público que os contratos sem
Pág.Página 14
Página 0015:
15 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 Ora, foi o caso. Sabendo quais são os praz
Pág.Página 15
Página 0016:
16 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 O Sr. Manuel Mota (PS): — É falso! Não é
Pág.Página 16
Página 0017:
17 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 há pouco se ouviu nas palavras do Sr. Depu
Pág.Página 17
Página 0018:
18 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 despesa dos organismos da Administração Pú
Pág.Página 18
Página 0019:
19 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 O Sr. Jorge Fão (PS): — Uma vergonha!
Pág.Página 19
Página 0020:
20 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 estariam lá, ou seja, de uma forma mais cl
Pág.Página 20
Página 0021:
21 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 Vozes do CDS-PP: — Muito bem! O Sr.
Pág.Página 21
Página 0023:
23 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 O Sr. João Paulo Correia (PS): — Este PSD
Pág.Página 23
Página 0024:
24 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 Aqueles que, como o PSD, acham que este nã
Pág.Página 24
Página 0025:
25 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 O Sr. João Paulo Correia (PS): — Sr. Pres
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — O segund
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 O Sr. Deputado Bernardino Soares pode quer
Pág.Página 27
Página 0028:
28 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 O Sr. Miguel Macedo (PSD): — Sobretudo, v
Pág.Página 28
Página 0029:
29 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 presidente da câmara passasse a autorizaçã
Pág.Página 29
Página 0030:
30 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 Vozes do PS: — Muito bem! O Sr. Ric
Pág.Página 30
Página 0031:
31 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 O Sr. José Gusmão (BE): — E isso não cons
Pág.Página 31
Página 0032:
32 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 » e, na maior parte das vezes, dos mais de
Pág.Página 32
Página 0033:
33 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 para isso. Haverá alguma questão que tem a
Pág.Página 33
Página 0034:
34 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 O Sr. Presidente: — Tem a palavra, Sr. De
Pág.Página 34
Página 0035:
35 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 O Sr. Luís Menezes (PSD): — Ahhh!»
Pág.Página 35
Página 0036:
36 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 observação negativa» para «A+», ou seja, p
Pág.Página 36
Página 0037:
37 | I Série - Número: 070 | 31 de Março de 2011 O Sr. Ministro dos Assuntos Parlamentares:
Pág.Página 37