O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

28 DE NOVEMBRO DE 2012

43

Sr.as

e Srs. Deputados: O Primeiro-Ministro vai ter o Orçamento que quer, mas Portugal não vai ter o

Orçamento de que precisa.

O País precisa de um Orçamento para sair da crise. O Primeiro-Ministro aprova um Orçamento que vai

aprofundar a crise.

Com o Orçamento deste Primeiro-Ministro, os portugueses vão fazer mais sacrifícios, mas o País vai

continuar a empobrecer, a dívida pública a aumentar, o desemprego a crescer e a economia a cair. Já foi

assim este ano e, com o Orçamento deste Primeiro-Ministro, vai ser muito pior no próximo ano. Vai ser pior

porque este Orçamento é mais do mesmo: é mais austeridade do custe o que custar!

O Primeiro-Ministro não tem desculpa. O Primeiro-Ministro conhece os resultados negativos da sua política

de austeridade e, mesmo assim, insiste em impô-la aos portugueses.

Com este Orçamento, os portugueses vão ser obrigados a fazer, ainda, mais sacrifícios, mas o Primeiro-

ministro vai falhar novamente os objetivos. E mais uma vez os sacrifícios dos portugueses serão em vão. Será

mais um ano perdido.

Demonstro a minha afirmação.

Ainda o Orçamento não foi aprovado e não há uma instituição credível ou um economista reputado que

confirme as previsões do Primeiro-Ministro quanto ao cenário macroeconómico. Estamos perante um

Orçamento impossível de cumprir.

Com este Orçamento, o Primeiro-Ministro promete uma queda de 1% na economia. O Banco de Portugal

aponta para uma queda de 1,6% e a OCDE, hoje mesmo, aponta para uma queda de 1,8% da nossa

economia.

Qual é a credibilidade do Orçamento deste Primeiro-Ministro com disparidades desta natureza? E qual é a

confiança que este Orçamento oferece aos portugueses?

Em 2003, na melhor das hipóteses, para além do brutal aumento de impostos já referido, o Primeiro-

Ministro ainda vai cortar mais 1000 milhões de euros, maioritariamente nos cuidados de saúde, na educação e

na segurança social dos portugueses.

Um corte deste montante, que o Primeiro-Ministro se prepara para fazer, agravará ainda mais a recessão

económica, afastará milhares de pessoas de acesso a serviços públicos essenciais e provocará mais

desemprego entre os portugueses, que, segundo a OCDE, hoje mesmo, deverá rondar no próximo ano os

17%, muito acima das previsões do Governo.

Sr.as

e Srs. Deputados: O País não se pode dar ao luxo de desperdiçar mais um ano, os portugueses

precisam de acreditar que os sacrifícios valem a pena e que têm um sentido.

Não conheço nenhum português que não queira dar o seu contributo para salvar Portugal da grave crise

em que se encontra. Mas os portugueses precisam de acreditar na estratégia para sairmos da crise. A

estratégia do custe o que custar falhou, os portugueses não acreditam na estratégia do Governo.

Já não é só o PS que o diz. Há um forte consenso na sociedade portuguesa que exige uma estratégia que

concilie o crescimento económico com o rigor orçamental.

Só o Primeiro-Ministro permanece isolado e não compreende a necessidade desta mudança. Portugal

precisa de um rumo, mas, infelizmente, só tem um Memorando; Portugal precisa de uma voz firme na Europa,

mas, infelizmente, apenas tem um Primeiro-Ministro resignado; Portugal precisa de uma estratégia sustentável

de crescimento, mas, para tal, precisamos de criar um ambiente amigo do crescimento da nossa economia,

obtendo mais tempo para a consolidação das nossas contas públicas e de reduzir o serviço da dívida.

Ao mesmo tempo, precisamos de apostar em três prioridades fundamentais: atração de investimento

estrangeiro, aumento das exportações e substituição de importações por aumento da produção nacional de

bens e serviços transacionáveis.

Portugal precisa de uma nova ambição que inspire e mobilize os portugueses. É esta a natureza da nossa

alternativa responsável.

Sr.as

e Srs. Deputados, a votação de um Orçamento do Estado é, em qualquer circunstância, um dos

momentos mais relevantes da vida de um país. A circunstância extremamente difícil em que o nosso País se

encontra torna a votação deste Orçamento no momento mais importante desta Legislatura.

O País vive uma situação de enorme gravidade. Uma situação de pré-ruptura social, a situação mais grave

em termos sociais e económicos desde a consolidação do nosso regime democrático.

Páginas Relacionadas
Página 0002:
I SÉRIE — NÚMERO 24 2 A Sr.ª Presidente: — Srs. Deputados, Srs. Membr
Pág.Página 2
Página 0003:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 3 Deixarei uma nota final: ainda estamos no início, ainda «a
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 24 4 Aplausos do BE. A Sr.ª Presidente
Pág.Página 4
Página 0005:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 5 Aquilo que está apresentado na proposta do Bloco de Esquer
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 24 6 O Sr. Pedro Jesus Marques (PS): — Sr.ª P
Pág.Página 6
Página 0007:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 7 O Sr. Pedro Jesus Marques (PS): — Não ouviu nada! <
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 24 8 Há, inclusive, uma outra alteração, que se cham
Pág.Página 8
Página 0009:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 9 Este Orçamento vai ser aqui aprovado por esta maioria, sem
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 24 10 Sr.as e Srs. Deputados, apresentamos um
Pág.Página 10
Página 0011:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 11 alguma responsabilidade nesta matéria e vote a favor da p
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 24 12 Mas, Srs. Deputados, o Grupo Parlamentar do PS
Pág.Página 12
Página 0013:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 13 A Sr.ª Hortense Martins (PS): — As perguntas são f
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 24 14 Portanto, Srs. Deputados, a nossa postura…
Pág.Página 14
Página 0015:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 15 estudo que prevê o encerramento de 40 000 empresas, a per
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 24 16 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Muito
Pág.Página 16
Página 0017:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 17 O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Então, fechem-se
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 24 18 O Sr. Secretário de Estado do Orçamento (Luís
Pág.Página 18
Página 0019:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 19 O Sr. Honório Novo (PCP): — Onde está a declaração de vot
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 24 20 Artigo 141.º Redução de encargos nas pa
Pág.Página 20
Página 0021:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 21 frequentam os respetivos estabelecimentos de ensino.
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 24 22 A Sr.ª Presidente: — Faça favor, Sr. Deputado.
Pág.Página 22
Página 0023:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 23 A Sr.ª Presidente: — Passamos à votação da propost
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 24 24 Submetida à votação, foi rejeitada, com votos
Pág.Página 24
Página 0025:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 25 Era a seguinte: 13 — As deliberações da Ass
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 24 26 11 — (Anterior n.º 10).» A Sr.ª
Pág.Página 26
Página 0027:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 27 a) É reduzida a 15% a taxa de IRC, prevista no n.º 1 do a
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 24 28 Submetida à votação, foi rejeitada, com votos
Pág.Página 28
Página 0029:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 29 dever e, desde já, o compromisso de que dará um contribut
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 24 30 banca consegue a 0,75% e que, depois, nos vend
Pág.Página 30
Página 0031:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 31 Não é também o Orçamento do Estado para 2013, porque é o
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 24 32 propósito de modernização das funções do Estad
Pág.Página 32
Página 0033:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 33 Tem a palavra o Sr. Deputado António Filipe. <
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 24 34 não há malabarismos nem truques de ilusionismo
Pág.Página 34
Página 0035:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 35 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Um escândalo!
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 24 36 a liquidar o Estado social de direito que a no
Pág.Página 36
Página 0037:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 37 Vozes do PSD e do CDS-PP: — Muito bem! O Sr
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 24 38 Aplausos do CDS-PP e do PSD. É m
Pág.Página 38
Página 0039:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 39 O Sr. Telmo Correia (CDS-PP): — Temos consciência da pena
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 24 40 O Sr. Telmo Correia (CDS-PP): — Fá-lo-e
Pág.Página 40
Página 0041:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 41 impostos! Por melhor que seja a propaganda oficial, este
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 24 42 Os apelos ao consenso por parte do Governo não
Pág.Página 42
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 24 44 Este é um momento de escolhas profundas e de e
Pág.Página 44
Página 0045:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 45 Protestos do Deputado do PCP João Oliveira.
Pág.Página 45
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 24 46 Mas a marca reformista que pomos no cresciment
Pág.Página 46
Página 0047:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 47 estava diante dos nossos olhos, ou pensámos que tudo se r
Pág.Página 47
Página 0048:
I SÉRIE — NÚMERO 24 48 Chegados a um imenso peso fiscal, conquistada
Pág.Página 48
Página 0049:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 49 Há um País velho que acredita que pode viver na ilusão e
Pág.Página 49
Página 0050:
I SÉRIE — NÚMERO 24 50 O saldo conjunto da balança corrente e de capi
Pág.Página 50
Página 0051:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 51 O crescimento das exportações deverá também aumentar em r
Pág.Página 51
Página 0052:
I SÉRIE — NÚMERO 24 52 A mobilidade social, cujos índices se deterior
Pág.Página 52
Página 0053:
28 DE NOVEMBRO DE 2012 53 Ninguém perde o rumo quando tem os instrumentos de navega
Pág.Página 53