O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 12

18

afirmarmos que criar condições para que cada família possa fazer a opção de ter os filhos que quiser é dar-

lhes, justamente, rendimento e possibilidade de criar esses mesmos filhos, e hoje essas condições não

existem. É que, fruto de um conjunto de medidas políticas que o Governo tem tomado, essas condições têm

sido retiradas às famílias. E hoje podemos afirmar, com toda a convicção, que a generalidade das famílias

portuguesas não pode fazer a livre opção de ter os filhos que quiser, porque não tem condições económicas

para os sustentar.

Julgo que todos estaremos de acordo com esta afirmação.

Outra afirmação que Os Verdes gostariam de fazer é que as crianças têm direito à igualdade. O que é que

quero dizer com isto? Precisamos de encarar a realidade tal qual ela é!

Uma determinada família que tenha quatro ou cinco filhos pode ter melhores condições de sustentar esses

filhos do que uma família que tenha um só filho.

A Sr.ª Teresa Anjinho (CDS-PP): — Depende!

A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — Pois, depende, Sr.a Deputada. É bem verdade! Eu estou a dizer é

que isto pode acontecer.

Então, como é que se alcança justiça relativamente a esta dimensão? É através dos impostos sobre o

rendimento, tributando as pessoas em função do rendimento real que têm, e tendo em conta, naturalmente

também, o número de dependentes que têm.

Vozes do PCP: — Muito bem!

A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — Todos estes fatores têm de ser tidos em conta para a avaliação

daquilo com que as pessoas podem contribuir para o Estado e para uma maior e mais justa redistribuição da

riqueza.

Mas onde é que estes projetos do PSD falham em toda a linha?

Aquilo que o PSD e o CDS têm afirmado permanentemente nas propostas que têm apresentado e que

afetam diretamente as famílias — por exemplo, lembremo-nos do passe social, da atribuição de apoios

sociais, nos quais só querem que toquem os mais pobres dos pobres… Ou seja, há famílias carenciadas neste

País que não têm direito a apoios sociais porque o PSD e o CDS lhes retiraram esse direito.

Entretanto, olhamos para estas propostas e o que é que percebemos na prática? Que um determinado

multimilionário do País vai ter direito a 75% de redução do IMI se, por exemplo, tiver seis filhos. Um

multimilionário, Sr.as

e Srs. Deputados! Isto pode acontecer! Um multimilionário, em Portugal, pode beneficiar

de uma redução do imposto sobre veículos se decidir comprar um carro de luxo e tiver mais de três filhos.

O Sr. António Prôa (PSD): — Acredita no que está a dizer?

A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — Ó Sr.as

e Srs. Deputados!…

Depois, ainda vou fazer aqui um outro exercício.

Tenho a nítida sensação de que isto não vai tocar as pessoas mais carenciadas deste País, porque

começo a pensar e concluo o seguinte: se calhar, os mais pobres deste País nem têm carro nem são

proprietários de nenhuma casa!

Aplausos de Os Verdes e do PCP.

Portanto, Sr.as

e Srs. Deputados, até nisto a vossa opção de classe está encontrada!

Apresentar estas iniciativas legislativas na altura em que foi entregue um Orçamento do Estado

absolutamente delapidador para a generalidade das famílias portuguesas e para o País é uma coisa

absolutamente confrangedora e vergonhosa!

Aplausos de Os Verdes e do PCP.

Páginas Relacionadas
Página 0003:
19 DE OUTUBRO DE 2013 3 A Sr.ª Presidente: — Srs. Deputados, Srs. Jornalistas, está
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 12 4 O Grupo Parlamentar do PSD sempre reconheceu a
Pág.Página 4
Página 0005:
19 DE OUTUBRO DE 2013 5 A família é um esteio social primordial, a estrutura potenc
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 12 6 A Sr.ª Rita Rato (PCP): — Exatamente!
Pág.Página 6
Página 0007:
19 DE OUTUBRO DE 2013 7 O Sr. Presidente (António Filipe): — Ainda para pedir escla
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 12 8 A Sr.ª Nilza de Sena (PSD): — Deixem-me dizer q
Pág.Página 8
Página 0009:
19 DE OUTUBRO DE 2013 9 Esperava do Partido Socialista, enquanto partido do arco da
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 12 10 Mas as sociedades envelhecidas e com pouca gen
Pág.Página 10
Página 0011:
19 DE OUTUBRO DE 2013 11 Protestos do PCP. É este tipo de cultura tri
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 12 12 … na coesão social, na estruturação das identi
Pág.Página 12
Página 0013:
19 DE OUTUBRO DE 2013 13 Agora dizem que as famílias numerosas necessitam de apoio.
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 12 14 Vozes do PSD: — Muito bem! <
Pág.Página 14
Página 0015:
19 DE OUTUBRO DE 2013 15 Vejamos, Sr. Deputado Nuno Serra. Não se irrite!
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 12 16 Teve a preocupação de saber quantos filhos tin
Pág.Página 16
Página 0017:
19 DE OUTUBRO DE 2013 17 A Maria é doente, com incapacidade superior a 65%, e os do
Pág.Página 17
Página 0019:
19 DE OUTUBRO DE 2013 19 O Sr. Presidente (António Filipe): — Para uma intervenção,
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 12 20 Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados,
Pág.Página 20
Página 0021:
19 DE OUTUBRO DE 2013 21 Não nos esqueçamos que a última avaliação geral do patrimó
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 12 22 E não nos digam que lavam as vossas consciênci
Pág.Página 22
Página 0023:
19 DE OUTUBRO DE 2013 23 uma oportunidade de todos começarmos a construir — numa op
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 12 24 Mas, da análise que o PCP faz, importa também
Pág.Página 24
Página 0025:
19 DE OUTUBRO DE 2013 25 O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Sr. Presidente, muito rap
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 12 26 A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — Sr. Pre
Pág.Página 26
Página 0027:
19 DE OUTUBRO DE 2013 27 O PSD gostava que, da parte do Partido Socialista,
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 12 28 A Sr.ª Sónia Fertuzinhos (PS): — É que,
Pág.Página 28
Página 0029:
19 DE OUTUBRO DE 2013 29 O Sr. António Prôa (PSD): — Má consciência!
Pág.Página 29