O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

19 DE OUTUBRO DE 2013

9

Esperava do Partido Socialista, enquanto partido do arco da governação, que se comprometesse, que

estivesse engajado, que fosse afirmativo, que devolvesse a credibilidade que tem vindo a perder e que fosse

uma alternativa com um projeto fora da lógica do poder pelo poder, que aqui invocou esta manhã.

O Sr. Paulo Sá (PCP): — Responda às perguntas!

A Sr.ª Nilza de Sena (PSD): — Estamos a falar de um problema estrutural e complexo, precisamos de uma

estratégia de largo alcance, precisamos exatamente do compromisso de todos. É este o sinal que queremos

dar. Pudesse o PS, nesta altura, comprometer-se também, sendo, assim, responsável, em vez de vir aqui

fazer circo mediático.

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

Protestos do PS, do PCP e do BE.

O Sr. Presidente (António Filipe): — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado José Ribeiro e

Castro.

O Sr. José Ribeiro e Castro (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr.as

e Srs. Deputados: Trinta e nove mil

novecentos e treze! Fixem este número — 39 913.

O CDS tem uma longa tradição, desde há muitos anos, de trabalho com o associativismo familiar, na linha

do personalismo que anima o nosso partido e do compromisso político contínuo para contrariar e combater o

declínio do apoio às famílias nas políticas públicas. E este é um tema de fundo, não é apenas um debate

conjuntural, é uma questão estrutural da nossa cultura administrativa e tributária.

Voltemos ao número: 39 913. Há 15 dias, foi divulgado que, no 1.º semestre deste ano, nasceram, em

Portugal, apenas 39 913 crianças. Isto significa que, a manter-se este ritmo, no final do ano, teremos, pela

primeira vez, baixado a fasquia dos 80 000 nascimentos. Baixámos, pela primeira vez, a fasquia dos 100 000

nascimentos em 2009; recuperámos ligeiramente em 2010; baixámos, novamente, a dos 100 000 nascimentos

em 2011; baixámos a dos 90 000 nascimentos em 2012; e estamos em risco de baixar a dos 80 000

nascimentos em 2013.

A Sr.ª Sónia Fertuzinhos (PS): — E vamos baixar ainda mais!

O Sr. José Ribeiro e Castro (CDS-PP): — Isto significa a gravidade do problema em Portugal, que é um

problema geral da Europa, como já foi aqui referido, mas é particularmente agudo no nosso País e nestes

tempos. Já não é só o inverno demográfico, é o precipício demográfico, é o abismo demográfico.

As Nações Unidas, que trabalham sobre perspetivas demográficas, preveem que, até ao final do século,

Portugal perca 4 milhões de habitantes. Se isto for verdade e nada fizermos, isto significa que, de cinco em

cinco anos, Portugal perderá uma cidade como a do Porto, que, de cinco em cinco anos, teremos menos 250

000 pessoas.

O Sr. Pedro Jesus Marques (PS): — E vai daí?!

O Sr. José Ribeiro e Castro (CDS-PP): — E esta é a previsão média, porque quem for ver este estudo

verificará que as Nações Unidas, fazendo uma projeção com base no índice de fecundidade atual, preveem

que a população portuguesa, no final do século, será de três milhões e picos de habitantes, ou seja,

perderemos 7 milhões de habitantes. Se isto fosse verdade, se nada fizéssemos, se continuássemos cegos e

surdos em relação à realidade, isto significaria que, de cinco em cinco anos, perderíamos um concelho como o

de Sintra. Este é o problema! E este é o problema com que estamos confrontados para combater a crise

generalizada dos sistemas sociais.

Quando, hoje, temos escolas a fechar, asilos a abrir, aldeias desertas, temos o retrato do Portugal do

futuro, se nada fizermos.

Páginas Relacionadas
Página 0003:
19 DE OUTUBRO DE 2013 3 A Sr.ª Presidente: — Srs. Deputados, Srs. Jornalistas, está
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 12 4 O Grupo Parlamentar do PSD sempre reconheceu a
Pág.Página 4
Página 0005:
19 DE OUTUBRO DE 2013 5 A família é um esteio social primordial, a estrutura potenc
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 12 6 A Sr.ª Rita Rato (PCP): — Exatamente!
Pág.Página 6
Página 0007:
19 DE OUTUBRO DE 2013 7 O Sr. Presidente (António Filipe): — Ainda para pedir escla
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 12 8 A Sr.ª Nilza de Sena (PSD): — Deixem-me dizer q
Pág.Página 8
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 12 10 Mas as sociedades envelhecidas e com pouca gen
Pág.Página 10
Página 0011:
19 DE OUTUBRO DE 2013 11 Protestos do PCP. É este tipo de cultura tri
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 12 12 … na coesão social, na estruturação das identi
Pág.Página 12
Página 0013:
19 DE OUTUBRO DE 2013 13 Agora dizem que as famílias numerosas necessitam de apoio.
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 12 14 Vozes do PSD: — Muito bem! <
Pág.Página 14
Página 0015:
19 DE OUTUBRO DE 2013 15 Vejamos, Sr. Deputado Nuno Serra. Não se irrite!
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 12 16 Teve a preocupação de saber quantos filhos tin
Pág.Página 16
Página 0017:
19 DE OUTUBRO DE 2013 17 A Maria é doente, com incapacidade superior a 65%, e os do
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 12 18 afirmarmos que criar condições para que cada f
Pág.Página 18
Página 0019:
19 DE OUTUBRO DE 2013 19 O Sr. Presidente (António Filipe): — Para uma intervenção,
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 12 20 Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados,
Pág.Página 20
Página 0021:
19 DE OUTUBRO DE 2013 21 Não nos esqueçamos que a última avaliação geral do patrimó
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 12 22 E não nos digam que lavam as vossas consciênci
Pág.Página 22
Página 0023:
19 DE OUTUBRO DE 2013 23 uma oportunidade de todos começarmos a construir — numa op
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 12 24 Mas, da análise que o PCP faz, importa também
Pág.Página 24
Página 0025:
19 DE OUTUBRO DE 2013 25 O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Sr. Presidente, muito rap
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 12 26 A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — Sr. Pre
Pág.Página 26
Página 0027:
19 DE OUTUBRO DE 2013 27 O PSD gostava que, da parte do Partido Socialista,
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 12 28 A Sr.ª Sónia Fertuzinhos (PS): — É que,
Pág.Página 28
Página 0029:
19 DE OUTUBRO DE 2013 29 O Sr. António Prôa (PSD): — Má consciência!
Pág.Página 29