O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

1 DE NOVEMBRO DE 2014

23

Aplausos do PS.

E a previsão com maior convicção que podemos fazer neste debate é que o Orçamento do Estado para

2016 não será feito por este Governo.

Aplausos do PS.

A Sr.ª Presidente: — Para fazer perguntas, inscreveu-se o Sr. Deputado Carlos Abreu Amorim.

Tem a palavra, Sr. Deputado.

O Sr. Carlos Abreu Amorim (PSD): — Sr.ª Presidente, Sr.ª Deputada Ana Catarina Mendes, com toda a

sinceridade, devo dizer-lhe que esperava mais. Depois de ontem — e temos de o reconhecer aqui

abertamente —, o primeiro dia do debate do Orçamento, não ter corrido nada bem à oposição,…

Risos do PS.

… eu esperava que, hoje, a Sr.ª Deputada, pela sua simpatia e, sobretudo, pela sua inteligência, subisse à

tribuna e nos pudesse elucidar um pouco sobre o mais triste mistério que paira sobre a política portuguesa: o

que é que quer este PS? O que é que a nova liderança do PS preconiza para o País? Que soluções tem para

a segurança social? Que soluções tem para o sistema fiscal?

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

Que alternativas tem em relação à política que este Governo e que esta maioria estão, neste momento, a

aplicar ao País? O que é que o Dr. António Costa pensa sobre a educação, sobre a saúde, sobre o emprego?

Já agora, sobre o emprego, gostaria de recordar à Sr.ª Deputada que, hoje mesmo, conhecemos dados

que comprovam a bondade das políticas deste Governo, nomeadamente no emprego, com a descida da taxa

de desemprego para 13,6%, muito longe daquilo que o próprio Governo estimava há um ano.

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

Sr.ª Deputada, o Partido Socialista, a dita «nova liderança» do Partido Socialista, tem de perceber que num

País democrático, numa democracia, quem quer governar um País que ainda está numa situação difícil tem de

dizer o que quer e ao que vem, tem de largar, de vez, este tabu silente de dizer generalidades, imprecisões, de

não ter propostas sérias e objetivas e tem de ter um programa concreto que os portugueses percebam e em

que, eventualmente, os portugueses possam confiar.

Aquilo que se percebeu deste debate e da intervenção de V. Ex.ª foi o regresso à política do facilitismo, e a

isso o PSD, o CDS e este Governo dizem: «Não!»

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

A única coisa que conseguimos perceber é que aquilo que a nova liderança do PS, aquilo que o Dr. António

Costa preconiza para o País é um programa que já está feito há quase 10 anos e que há 10 anos ostentava o

nome de José Sócrates.

Esse facilitismo, esse programa e esse nome os portugueses não estão dispostos a deixar regressar, Sr.ª

Deputada!

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

A Sr.ª Presidente: — Sr.ª Deputada Ana Catarina Mendonça, tem a palavra para responder.

Páginas Relacionadas