O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 49

16

explica o aumento da pobreza? Como é que explica — e os dados do INE são indesmentíveis — um

agravamento significativo da pobreza no nosso País?

Sr. Ministro, a sua propaganda não cabe na realidade do País! A sua propaganda não cabe na realidade

concreta das pessoas! A pobreza entre os desempregados aumentou. Sabe muito bem que se somar os

inativos, os desmotivados, os estágios e a formação profissional, se somar isso tudo, temos hoje 22% de

desemprego. Não diminuiu o desemprego, ele aumentou, e significativamente.

Risos do Deputado do CDS-PP Nuno Magalhães.

A bancada do CDS pode rir-se à vontade, mas, lá fora, quem assiste a este debate sabe que o

desemprego é um flagelo social que não está a ser resolvido por este Governo!

O Sr. João Oliveira (PCP): — Exatamente!

O Sr. Jorge Machado (PCP): — Mais: se o Governo estivesse preocupado em resolver o problema do

desemprego, poderia perfeitamente parar com o processo de requalificação. Mas não! O Governo pretende, e

vai despedir, mais 620 trabalhadores da segurança social, muitos deles com incapacidades superiores a 60%,

como ontem mesmo o PCP denunciou. Isso demonstra que o Governo está muito pouco preocupado com o

desemprego no nosso País; antes pelo contrário, promove-o.

Terceiro argumento: em 2014 e em 2015, a situação é melhor. O Sr. Ministro sabe muito bem que o que

mudou, mudou para pior. Se o Sr. Ministro ouvisse as declarações, feitas hoje, da Cáritas de Portimão, que

afirmam que não têm visto diminuir os pedidos de ajuda — antes pelo contrário, os pedidos de ajuda e de

carência alimentar têm vindo a aumentar significativamente —, não diria que 2014 foi melhor e que 2015 está

a ser melhor.

Para concluir, o combate à pobreza não é, nem nunca foi, intenção do Governo. É porque para combater a

pobreza é preciso distribuir melhor a riqueza nacional e o que o Governo faz é um processo deliberado de

concentração da riqueza, um processo que tem como objetivo que meia dúzia de pessoas tenham um

conjunto significativo dessa riqueza.

O Sr. Hugo Lopes Soares (PSD): — Valha-me Deus!

O Sr. Jorge Machado (PCP): — O verdadeiro programa político do Governo é concentrar a riqueza em

meia dúzia de pessoas, à custa do empobrecimento da grande maioria.

Aplausos do PCP.

A Sr.ª Presidente: — Inscreveu-se também, para uma intervenção, a Sr.ª Deputada Mariana Aiveca, do

Bloco de Esquerda.

Faça favor, Sr.ª Deputada.

A Sr.ª Mariana Aiveca (BE): — Sr.ª Presidente, Sr. Ministro: Como é hábito, veio aqui fazer um certo frete

e arrolou mais um plano um pouco impercetível. Mas, Sr. Ministro, são os dados que revelam a crueza da

situação e os níveis de pobreza são os de 2014 e são o resultado da vossa política.

O Sr. Ministro, que até é Ministro do Trabalho, veio reconhecer, e bem, que o desemprego é o problema

principal no que se refere à pobreza. Pergunto: que medidas já tomou relativamente ao desemprego?

Mas podemos conversar sobre salários, Sr. Ministro. Também é o relatório do INE, o mesmo que estamos

a discutir, que nos diz que a média salarial dos jovens mais especializados — ouçam bem! — é de 651 €,

repito, dos jovens mais especializados, e que a média salarial dos jovens é de 515 €. E estamos a falar da

geração mais qualificada de sempre.

Com estes níveis salariais, Sr. Ministro Pedro Mota Soares, não quer que continue o empobrecimento? Ou

quando o senhor também fala do desemprego e sabe perfeitamente que mais de 40% dos desempregados

não têm direito ao subsídio de desemprego não quer que continue o empobrecimento? Ou quando o senhor

Páginas Relacionadas
Página 0021:
13 DE FEVEREIRO DE 2015 21 A Sr.ª Sónia Fertuzinhos (PS): — É que em 2011 er
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 49 22 procedendo à trigésima quinta alteração ao Cód
Pág.Página 22
Página 0023:
13 DE FEVEREIRO DE 2015 23 A Sr.ª Presidente: — Tem a palavra a Sr.ª Deputad
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 49 24 São estas as perguntas às quais ensaiamos dar
Pág.Página 24
Página 0025:
13 DE FEVEREIRO DE 2015 25 A Sr.ª Elza Pais (PS): — Portanto, vamos acompanh
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 49 26 este projeto está feito exatamente para estes
Pág.Página 26
Página 0027:
13 DE FEVEREIRO DE 2015 27 Creio ter esclarecido as dúvidas que se colocaram e agra
Pág.Página 27