O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 87

22

Num inquérito de 2012, três quartos dos inquiridos fumadores responderam que gostariam de deixar de

fumar, se o pudessem fazer com facilidade. Não há facilidades em deixar de fumar, todos sabemos disso, mas

podem existir ajudas médicas para deixar de fumar.

Por isso mesmo, Sr. Secretário de Estado, não se compreende a redução do número de consultas, não se

compreende a redução dos locais onde se realizam as consultas — descemos de 223, em 2009, para 116, em

2013.

Sr. Secretário de Estado, é o relatório da Direção-Geral da Saúde que evidencia os recuos na

disponibilidade de meios que levem os fumadores a deixar de fumar, assim como há uma redução muito

significativa do número de utentes atendidos. Se o objetivo é reduzir o consumo do tabaco, é urgente alterar

esta situação, assim como são urgentes novas medidas, como a da comparticipação nos medicamentos para

deixar de fumar.

Temos uma lei desde 2007…

O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Faça favor de terminar, Sr.ª Deputada.

A Sr.ª Helena Pinto (BE): — Vou terminar, Sr. Presidente.

Como estava a dizer, temos uma lei desde 2007 e quais são os resultados concretos? Em quanto é que

reduzimos o número de fumadores? Em 5%, dizem os estudos, Sr. Secretário de Estado. É muito curto!

O proibicionismo não funciona sozinho. Se não existirem medidas que vão para além de proibir, medidas

de prevenção e dissuasão à séria, não chegaremos lá.

Pelos vistos, ainda há um grande caminho a percorrer nesta área e o Governo tem algumas

responsabilidades a que deveria hoje, aqui, neste debate, dar resposta.

Aplausos do BE.

O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Secretário de Estado

Adjunto do Ministro da Saúde.

O Sr. Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde: — Sr. Presidente, Srs. Deputados: Começo

por agradecer à Câmara a apreciação que faz e o interesse que demonstra pelas políticas antitabaco.

Agradeço, em particular, o facto de todos se terem demonstrado disponíveis para introduzir melhoramentos na

lei.

Contudo, não posso deixar de referir quatro aspetos que são fundamentais.

Em primeiro lugar, sublinho a vossa atenção para o facto de que as imagens, que foram consideradas

desproporcionadamente violentas, resultam da própria diretiva. E, se vos chocam, ainda bem que são

chocantes, porque a realidade é mesmo essa. É muito chocante!

Quanto à questão das consultas de desabituação tabágica, se é verdade que o número total de consultas

diminuiu, não é menos verdade que o número de consultas produzidas nessas consultas tem vindo a

aumentar desde 2009 até 2013.

A Sr.ª Helena Pinto (BE): — Isso tem de ser bem explicado!

O Sr. Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde: — Também para esclarecimento dos Srs.

Deputados, devo dizer que, relativamente ao cigarro eletrónico, existe um relatório e uma recomendação, uma

decisão produzida em Moscovo, em outubro de 2014, no âmbito da convenção do tabaco, cuja consulta os

Srs. Deputados poderão fazer, se assim o entenderem.

Agradecemos as recomendações, relativamente às isenções de taxa moderadora, no que se prende com

as consultas de desabituação tabágica, e agradeço também os comentários feitos sobre a comparticipação de

medicamentos para apoiar quem quer deixar de fumar, sobre os quais eu próprio, em outubro deste ano, fiz

uma recomendação, em linha com o que se Sr. Deputado fez, no sentido de se estudar o mecanismo de

comparticipação, em função do resultado, que nos parece muito pertinente.

Páginas Relacionadas
Página 0023:
16 DE MAIO DE 2015 23 Concluo, dizendo que não posso estar mais de acordo em que as
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 87 24 Aplausos do PSD e do CDS-PP.
Pág.Página 24
Página 0025:
16 DE MAIO DE 2015 25 É, assim, por isto, que hoje damos um passo em frente na harm
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 87 26 os fornecedores poderem escolher uma plataform
Pág.Página 26
Página 0027:
16 DE MAIO DE 2015 27 autarquias, mais caro para o Estado central? Esta pode ser um
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 87 28 Se estivesse a dizer W-F-R-Z era igual para os
Pág.Página 28
Página 0029:
16 DE MAIO DE 2015 29 Quando o Estado tem a sua própria contratação pública nas mão
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 87 30 1464/XII (4.ª) — Cessação de vigência do Decre
Pág.Página 30