O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

23 DE JANEIRO DE 2016

47

E também se esquece de dizer de quem é independente. Isto de «independente» tem muito que se lhe

diga! É independente de quê?! É independente dos seus acionistas? É independente do sistema financeiro

português? É independente dos seus principais clientes, que são os bancos?!

Protestos do Deputado do PSD António Leitão Amaro.

É que isso de independente, Sr. Deputado! Convém dizer sempre, Sr. Deputado, de que é independente e

se é independente, de facto, do interesse público.

O Sr. António Leitão Amaro (PSD): — Têm medo! Medo!

O Sr. Miguel Tiago (PCP): — Os acionistas das auditoras externas não têm nada a ver com o interesse

público.

Portanto, o Banco de Portugal deve cumprir o seu papel, se entender contratar auditoras, como, aliás, está

obrigado a fazer — apesar de os Srs. Deputados não permitirem que o Banco de Portugal realize as suas

próprias auditorias —, que o faça. Achamos que esse é um papel do Banco de Portugal e que, aliás, já deve

estar a fazer.

Quanto à vossa proposta, ela não é mais, e nota-se bem, do que uma tentativa, desde já, de condicionar e

desvalorizar os trabalhos da comissão de inquérito.

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, faça favor de concluir.

O Sr. Miguel Tiago (PCP): — Condicionar, balizando quais os temas sobre os quais querem que os

Deputados se debrucem e desvalorizar no sentido de remeter para a esfera técnica aquilo que deve ser

político, porque esta comissão de inquérito é sobre responsabilidades políticas.

O Sr. Presidente: — Tem mesmo de concluir, Sr. Deputado.

O Sr. Miguel Tiago (PCP): — É verdade que não será uma comissão de passa-culpas, faremos tudo para

que não seja, mas não daremos ao CDS-PP a possibilidade de não assumir as suas.

Aplausos do PCP, do PS, do BE e de Os Verdes.

O Sr. Presidente: — Para uma declaração de voto, tem a palavra a Sr.ª Deputada Mariana Mortágua.

A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — Sr. Presidente e Sr.as

e Srs. Deputados, quem assistiu ao debate que

tivemos aqui, há minutos, viu duas posturas, do Deputado Leitão Amaro: uma, a contar uma história que

começa em novembro de 2015 e, depois, que não fez qualquer pergunta ao anterior Governo, não tinha

qualquer dúvida sobre o que aconteceu antes de novembro de 2015.

O Sr. António Leitão Amaro (PSD): — É falso!

A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — O Bloco de Esquerda, e posso falar porque fui eu que fiz essa

intervenção, questionou o Deputado Leitão Amaro sobre tudo o que aconteceu antes de 2015 e questionou

também o Partido Socialista e o Governo sobre a decisão que foi tomada.

Quem quer saber a verdade toda não pode querer esconder-se atrás de falsos consensos. Falsos

consensos não podem servir para branquear a verdade e a atuação do PSD e do CDS, do seu Governo, nesta

matéria.

Protestos do PSD.

Páginas Relacionadas
Página 0037:
23 DE JANEIRO DE 2016 37 Peço à Sr.ª Secretária Idália Serrão o favor de ler o voto
Pág.Página 37