O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

30 DE JANEIRO DE 2016

33

Há quem pense que, sistematicamente, pode jogar com os números para criar a ilusão das políticas. O

número dois do CDS-PP disse: «Há aqui 0% de aumento do complemento solidário para idosos». Mas que

quadro é que o CDS-PP invocava? Invocava um quadro sobre o impacto das medidas no PIB, ou seja, a

percentagem do valor dessas medidas no PIB. Ora, se o Produto aumenta, o impacto dessa medida pode não

implicar um aumento do seu peso no PIB, se o PIB aumentar mais do que o peso dessa medida.

Aplausos do PS.

Aquilo que o CDS-PP deve reter não são exercícios estatísticos, nem comparações relativas.

Protestos do Deputado do CDS-PP João Pinho de Almeida.

Aquilo que o CDS-PP tem de reter e que há de reter, por muito que o nervosismo do Sr. Deputado João

Pinho de Almeida o obrigue a gesticular e verbalizar sucessivos apartes, é o seguinte: entre aumento de

pensões e aumento do complemento solidário para idosos, os nossos idosos vão receber, com este Governo,

mais 70 milhões de euros do que receberiam com o vosso Governo e com a continuidade da vossa política.

Aplausos do PS.

Para terminar, Sr. Deputado, é, de facto, com a verdade, com a construção da confiança, com a

determinação na prossecução de políticas que se gera confiança. E para quem gosta tanto de ouvir falar de

exportações e de reindustrialização, sugiro, aliás, um bom item para analisar a confiança que tem sido gerada

no País: hoje, o Instituto Nacional de Estatística publicou um inquérito às expectativas dos empresários e o

que revela é a expectativa de as indústrias transformadoras, no setor exportador, aumentarem em 18% o seu

investimento, o que é um sinal claro de confiança no futuro da economia portuguesa e da sua capacidade de

crescerem e de se afirmarem no mercado externo.

Aplausos do PS.

Este é o melhor sinal de confiança, Sr. Deputado!

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, Srs. Membros do Governo, chegámos, assim, ao final deste debate.

Agradeço a presença do Sr. Primeiro-Ministro e dos Srs. Membros do Governo e vamos passar às

votações previstas para hoje.

Solicito aos serviços que acionem o sistema eletrónico…

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Sr. Presidente, peço a palavra para interpelar a Mesa.

O Sr. Presidente: — Sobre que assunto, Sr. Deputado?

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Sr. Presidente, quero requerer a distribuição de um documento

citado pelo Sr. Primeiro-Ministro.

O Sr. Presidente: — Tem a palavra, Sr. Deputado.

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Sr. Presidente, se me permite, queria solicitar a distribuição da

tabela correspondente ao ponto 6 do esboço de Orçamento, relativo ao impacto orçamental no PIB, em que,

como o Sr. Primeiro-Ministro disse, o complemento solidário para idosos é o único que não tem qualquer

impacto, ao contrário de todos os outros.

Solicito, pois, a sua distribuição, a bem da verdade.

Páginas Relacionadas
Página 0035:
30 DE JANEIRO DE 2016 35 «A Assembleia da República associa-se, pela sexta vez, à e
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 32 36 O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, vamos vota
Pág.Página 36