O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

13 DE OUTUBRO DE 2016

13

Sei que vos custa ouvir, mas são os factos, e contra factos «chapéu»!

A responsabilidade do Governo anterior na situação que está criada, sobretudo se tivermos em conta que,

entre 2011 e 2015, o Governo do PSD e do CDS destruiu cerca de 78 000 postos de trabalho na Administração

Pública…

O Sr. Jorge Paulo Oliveira (PSD): — Quanto?!

O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Foram destruídos 78 000 postos na Administração Pública! São

muitos postos de trabalho!

Protestos do CDS-PP.

O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Está bem, Sr. Deputados, foram só 77 999!

Em vez de se falar da «fatura da agenda das esquerdas», o mais correto seria falar da fatura que os

portugueses continuam a pagar na sequência das opções do Governo do PSD e do CDS.

Aplausos de Os Verdes e do PCP.

O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs. Deputados, Srs. Membros do Governo, a Mesa não regista mais inscrições

para intervir neste debate.

Pausa.

Não havendo inscrições, passaremos ao ponto seguinte da ordem de trabalhos.

O Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares (Pedro Nuno Santos): — Sr. Presidente, peço a

palavra.

O Sr. Presidente: — Para que efeito, Sr. Secretário de Estado?

O Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares: — Sr. Presidente, presumo que a praxe seja a

de que o Governo fale imediatamente antes da última intervenção do partido proponente do debate. Não sei se

os grupos parlamentares vão ou não inscrever-se, mas, não o fazendo, não queremos deixar de intervir e,

portanto, pedimos à Mesa que nos inscreva para fazer uma intervenção.

O Sr. Presidente: — Como não há regras sobre esta matéria, o que vai acontecer é que, não havendo

inscrições — o que hoje esteve quase a acontecer —, da próxima vez adotaremos a regra em definitivo de não

dar a palavra.

Nestes debates, que, no fundo, são uma interpelação ao Governo, o que do meu ponto de vista faz sentido

é que a primeira intervenção a seguir à do partido proponente seja a do Governo, mesmo que o Governo possa

deixar tempo para o encerramento do debate.

Não havendo inscrições, a Mesa iria dar por concluído o debate e passar ao ponto seguinte da ordem de

trabalhos, mas, neste caso, registando-se a inscrição por parte do Governo, este pode intervir.

O Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares: — Sr. Presidente, eu acabei de dizer que o

Governo se inscreveu para falar…

O Sr. Presidente: — Muito bem, eu só quis dizer que, como não há nenhuma regra sobre esta situação, da

próxima vez não haverá essa oportunidade.

Tem, então, a palavra, para uma intervenção, o Sr. Ministro Adjunto.

Páginas Relacionadas
Página 0015:
13 DE OUTUBRO DE 2016 15 Nos transportes, à beira de eleições, tentaram fazer ajust
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 11 16 investem e até têm dificuldades para comprar e
Pág.Página 16
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 11 22 A Sr.ª Luísa Salgueiro (PS): — … a aumentar o
Pág.Página 22