O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 16

40

A Sr.ª Carla Cruz (PCP): — Guerras de agressão ao Iraque e à Líbia que, como a que é agora movida contra

a Síria, constituem autênticos crimes, que, como tem sido denunciado e reconhecido, são suportadas por

campanhas de manipulação e pela mentira, campanhas essas que apontam as vítimas como algozes e os

verdadeiros algozes como vítimas.

A pretexto dos legítimos sentimentos decorrentes do drama humanitário que se vive na Síria, o voto

apresentado pelo PSD silencia e, desta forma, incentiva as ações levadas a cabo pelos grupos de mercenários

e pelos países que apoiam a agressão contra a Síria e o povo sírio.

Aplausos do PCP e de Os Verdes.

O Sr. Presidente: — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado Nuno Magalhães.

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: O CDS condena os sucessivos

bombardeamentos da cidade de Aleppo, lamenta as perdas civis que têm causado e a destruição de

infraestruturas fundamentais para a população que daí tem resultado.

Apela, por isso, para que seja retomada a trégua entre as partes no confronto sírio e que seja possível uma

solução pacífica para o conflito que respeite os direitos humanos e o direito internacional.

Por isso, enviamos as nossas condolências e solidariedade ao povo sírio, muito particularmente aos

habitantes de Aleppo, e desejamos que possam também ser identificados os responsáveis.

É isto, só isto — e não é pouco — o que irá ser votado e, para tanto, importa criar condições reais para que

os mediadores, Estados Unidos e Rússia, possam encontrar as melhores soluções sem aproveitamentos

políticos mais ou menos delirantes como acabámos de ouvir.

De resto, devem ser as pessoas, estas pessoas, de Aleppo e da Síria, que devem ser o centro da nossa

atenção, e não declarações ou opções políticas e muito menos velhas alianças.

Aplausos do CDS-PP.

O Sr. Presidente: — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado Pedro Filipe Soares.

O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: O Bloco de Esquerda acompanha

o que vem escrito no voto, apresentado pelo PSD, mais do que aquilo que foi dito pelo Grupo Parlamentar do

PSD sobre esta matéria.

Somos solidários com o povo sírio, que é vítima dos bombardeamentos, vítima das disputas geopolíticas, e

essa solidariedade não ficará nunca em causa, mesmo no espaço do debate político que está a existir nesta

Câmara.

Somos solidários com as vítimas dos bombardeamentos mas também com os refugiados que fogem desses

bombardeamentos, por isso, não esquecemos aqueles que são utilizados na Turquia, fruto da política que a

União Europeia está a levar por diante, muitas das vezes para favorecer o regime turco, sendo que a União

Europeia utiliza a Turquia como um tampão para impedir que esses refugiados tenham a solidariedade que lhes

é devida.

O Sr. Jorge Duarte Costa (BE): — Muito bem!

O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Não há dois tipos de solidariedade, como não há dois tipos de vítimas

desta guerra: aqueles que ainda permanecem na Síria e aqueles que já tiveram de fugir da Síria.

Para nós, são todos vítimas da mesma guerra, vítimas do mesmo flagelo e, por isso, não compreendemos

como é que para uns há a solidariedade aqui expressa e para outros há a rejeição e a insensibilidade europeia,

também levada a cabo pelo apoio de algumas bancadas deste Parlamento.

Aplausos do BE.

Páginas Relacionadas
Página 0048:
I SÉRIE — NÚMERO 16 48 Srs. Deputados, vamos agora votar o projeto de
Pág.Página 48