O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

7 DE DEZEMBRO DE 2016

23

O Sr. Maurício Marques (PSD): — Termino, Sr. Presidente.

Falar de floresta é também falar de incêndios e falar de bombeiros. O Sr. Ministro faz parte de um Governo

que ainda não repôs os equipamentos que se perderam nos últimos incêndios e faz também parte de um

Governo que não paga aos bombeiros as despesas feitas no âmbito do Ministério da Saúde.

Aplausos do PSD.

O Sr. Presidente: — Tem a palavra, para pedir esclarecimentos, o Sr. Deputado Francisco Rocha, do Grupo

Parlamentar do PS.

O Sr. Francisco Rocha (PS): — Sr. Presidente, Sr. Ministro, Srs. Deputados: Segundo um provérbio oriental,

«se não tem remédio, porque te lamentas? Se tem remédio, porque te lamentas?»

Assim, será mais fácil perceber que, pela sua importância, pelos objetivos substantivos que pretende

alcançar, pela marca participativa que se quer colocar neste processo, a reforma da floresta portuguesa deve

ser entendida como um desígnio nacional.

Em pleno século XXI, Portugal tem dificuldades notórias em saber quem é quem numa mancha florestal que

é detida em mais de 90% por privados e por comunidades rurais. Por isso, o Governo propõe-nos que se avance

com o conhecimento real das parcelas, que se promova o levantamento dos indivisos, que se conheça a

realidade da gestão ancestral mas nunca registada. No dia em que terminar esse trabalho, vamos passar a

pertencer à esmagadora maioria dos países europeus que se conhecem a si próprios.

Mas também temos noção de que, em Portugal, é fundamental reforçar a componente económica da fileira

florestal, pelo que consideramos acertadas as propostas que visam a promoção de uma gestão florestal

sustentável, ativa e profissional, que abranjam o sector público e privado e que promovam a valorização da

produção, o aumento da sua competitividade, o desenvolvimento das zonas rurais, a recreação e o ecoturismo,

dando corpo ao conceito de uso múltiplo da floresta.

Mas não podemos ficar por aqui. Apesar de Portugal deter e aplicar, ano após ano, um sistema de defesa da

floresta contra incêndios, é tempo de ponderar de forma diferente vários conceitos e reforçar o pilar da prevenção

estrutural e operacional.

Sr. Presidente, Srs. Deputados, felicitamos o Governo por esta iniciativa coerente e corajosa, que apela e

interpela à participação de toda a sociedade: partidos políticos, autarquias, administração central, comunidade

académica e científica, organizações do sector e cidadãos.

Por isso, reclamamos de todos os membros desta Câmara espírito aberto numa reforma que fique para a

História. Como disse Platão: «Não há nada de grandioso que não tenha dificuldades».

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente: — Para pedir esclarecimentos, tem a palavra o Sr. Deputado Pedro Soares, do Grupo

Parlamentar do Bloco de Esquerda.

O Sr. Pedro Soares (BE): — Sr. Presidente, Sr. Ministro, Srs. Membros do Governo, Sr.as e Srs. Deputados:

A nossa preocupação neste debate prende-se com a necessidade de ultrapassar uma dificuldade que parece

estrutural e que se exprime bem no facto de, apesar de termos aprovado, por unanimidade, nesta Casa, uma

Lei de Bases do Desenvolvimento Florestal, há 20 anos, pouco se ter feito em relação à floresta e o que temos

é uma floresta que continua abandonada, uma floresta que apresenta vários problemas que é preciso enfrentar.

Identificamo-nos com muitos dos objetivos que o Governo apresenta nas suas propostas: ordenamento

florestal e controlo da eucaliptização, gestão agrupada da floresta nas áreas de minifúndio e mudança do

combate direto aos incêndios como prioridade para um novo paradigma de prevenção dos fogos florestais.

Numa floresta marcada pelo minifúndio, a gestão agrupada é, de facto, a estratégia correta.

O Bloco de Esquerda defende uma intervenção pública, firme, forte, assertiva, no sentido de resolver o

problema da gestão das zonas do minifúndio. A criação de unidades de gestão florestal é, de facto, o caminho

necessário, mas, Sr. Ministro, temos algumas dificuldades de compreensão relativamente às propostas que

apresentou nesta área. As unidades de gestão agrupada da floresta devem poder constituir-se sob formas

Páginas Relacionadas
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 26 28 O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, damos por
Pág.Página 28
Página 0029:
7 DE DEZEMBRO DE 2016 29 O Sr. Hugo Lopes Soares (PSD): — Muito bem!
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 26 30 empresas do Estado, por respeito para com o di
Pág.Página 30
Página 0031:
7 DE DEZEMBRO DE 2016 31 Mais: nunca fomos coniventes com o jogo de, pura e simples
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 26 32 exclusivamente ao PSD, porque o CDS não votou
Pág.Página 32
Página 0033:
7 DE DEZEMBRO DE 2016 33 problema ao Governo e a esta maioria; os senhores estão a
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 26 34 Portanto, Sr. Deputado, esses são artifícios q
Pág.Página 34
Página 0035:
7 DE DEZEMBRO DE 2016 35 Monteiro foi para o Banco de Portugal receber 30 000 € por
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 26 36 sólido e merece que este debate seja feito com
Pág.Página 36
Página 0037:
7 DE DEZEMBRO DE 2016 37 O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — Não foi! O S
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 26 38 Aplausos do CDS-PP. O Sr. Preside
Pág.Página 38
Página 0039:
7 DE DEZEMBRO DE 2016 39 O Sr. MiguelTiago (PCP): — E não nos lembramos de o CDS fa
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 26 40 A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — Portanto, esta
Pág.Página 40
Página 0041:
7 DE DEZEMBRO DE 2016 41 Albuquerque que, hoje, se manifestou contra os projetos de
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 26 42 O Sr. Paulo Trigo Pereira (PS): — Diga uma! Di
Pág.Página 42