O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

2 DE FEVEREIRO DE 2017

11

esta política de precariedade e de desestabilização do corpo docente em todas as vertentes da sua vida

profissional e familiar.

Havendo vontade, há também soluções. Ao longo dos anos, o PCP tem apresentado uma proposta viável e

justa para a situação dos professores contratados, que consiste na abertura de vagas a concurso nacional por

lista graduada em função de todas as necessidades manifestadas pelas escolas para horários completos que

se verifiquem durante três anos consecutivos.

É uma forma eficaz, transparente e objetiva de proceder ao recrutamento e à colocação de professores,

promovendo a estabilidade e criando comunidades docentes diversificadas. Os professores contratados

representam uma importante parte do corpo docente que, na sua maioria, não se encontram a preencher tarefas

pontuais e, portanto, a um posto de trabalho permanente deve corresponder um vínculo de trabalho efetivo.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Muito bem!

A Sr.ª Ana Mesquita (PCP): — Quanto ao ensino superior, são múltiplas as situações de precariedade

docente, que vão aprofundar-se, indubitavelmente, com as universidades em regime fundacional.

Não se tratando de uma fundação, vejamos agora o exemplo da Faculdade de Belas Artes da Universidade

de Lisboa. Dos 117 trabalhadores que compõem o corpo docente da Faculdade, 46 têm um vínculo precário «de

convidado». Ou seja, falamos já de cerca de 40% do total do corpo docente da Faculdade de Belas Artes.

Acresce o agravamento das condições de trabalho dos professores especialmente contratados, que viram a sua

carga horária letiva ser aumentada, sem que a isso correspondesse qualquer acréscimo de salário, situação que

tem de ser esclarecida e corrigida.

Não podemos esquecer, também, as insuficiências do processo de transição dos docentes do ensino superior

politécnico, constante do Decreto-Lei n.º 45/2016. Este diploma não dá resposta, designadamente, a um

conjunto de docentes que não são abrangidos por qualquer medida conducente à sua estabilidade profissional

e continuam acometidos a sucessivos contratos precários, quando é evidente que respondem a necessidades

permanentes. É o caso de muitos docentes que têm vários anos de serviço na respetiva instituição e cujo prazo

contratual máximo de seis anos se esgota, mas com quem as instituições não podem renovar o contrato.

Uma nota final para as matérias do emprego científico. A precariedade na ciência é um autêntico flagelo

estrutural que carece de medidas urgentes e assertivas quanto à sua resolução.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Exatamente!

A Sr.ª Ana Mesquita (PCP): — Com o processo de especialidade da apreciação parlamentar agendada pelo

PCP podem ser dados importantes passos, sobretudo se forem incluídos os mecanismos que evitem a sucessão

de contratos precários, conforme propomos. Mas é também urgente fazer uma reflexão e uma discussão mais

alargadas sobre a condição de bolseiro e a perspetiva de integração na carreira, combatendo decisivamente a

severa precariedade que assola os trabalhadores científicos que dependem de bolsa.

A política de direita, Sr.as e Srs. Deputados, que satisfaz o voraz apetite dos grandes grupos económicos,

alimenta-se da precariedade e da desvalorização do trabalho, escondendo a exploração e o empobrecimento

por detrás do aroma a pão quente com que pretende ludibriar os trabalhadores. Que se desenganem os que

pensam que se trata de uma «inevitabilidade» ou de um mero acidente. É uma opção ideológica, com custos

elevadíssimos para o desenvolvimento do País, com o objetivo último de retirar à educação, ao ensino superior,

à ciência e à própria cultura científica qualquer resquício do seu carácter emancipador, remetendo-as a um papel

de duplicadoras do interesse de classe.

É preciso romper com este rumo e é com essa rutura que o PCP está comprometido.

Aplausos do PCP e de Os Verdes.

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — A Mesa regista quatro inscrições para pedidos de esclarecimento

à Sr.ª Deputada Ana Mesquita, que irá responder em grupos de dois.

Para pedir esclarecimentos, tem a palavra a Sr.ª Deputada Ana Rita Bessa, do CDS-PP.

Páginas Relacionadas
Página 0003:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 3 O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs. Deputados, Sr.as e Srs. F
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 45 4 Central de Almaraz (PS), que baixa à 11.ª Comis
Pág.Página 4
Página 0005:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 5 de tentar resolver a questão do sofrimento humano, qualque
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 45 6 Estamos completamente disponíveis para fazer es
Pág.Página 6
Página 0007:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 7 Sr.ª Deputada, o que pretendemos que nos esclareça é se en
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 45 8 O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Tem a
Pág.Página 8
Página 0009:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 9 que o CDS teve enquanto governou. É verdade que a Sr.ª Dep
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 45 10 Portanto, orgulhamo-nos de estar aqui a fazer
Pág.Página 10
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 45 12 A Sr.ª Ana Rita Bessa (CDS-PP): — Sr. Presiden
Pág.Página 12
Página 0013:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 13 Tenho comigo cópia de uma abertura de concurso para assis
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 45 14 Queria ainda dizer que, relativamente à matéri
Pág.Página 14
Página 0015:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 15 Sr.ª Deputada, os senhores estão todos na fotografia. Est
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 45 16 que estejam preenchidos, pelo menos, há três a
Pág.Página 16
Página 0017:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 17 É curioso que partilhe das preocupações do CDS, como part
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 45 18 De todos estes contactos, Os Verdes puderam co
Pág.Página 18
Página 0019:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 19 desenvolver, nesta matéria. Para além disso, também consi
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 45 20 A Sr.ª EmíliaCerqueira (PSD): — Sr. Presidente
Pág.Página 20
Página 0021:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 21 Saúdo, mais uma vez, a iniciativa de Os Verdes e o Sr. De
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 45 22 E, aqui, aproveito para responder à Sr.ª Deput
Pág.Página 22
Página 0023:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 23 A intenção do atual Governo de reverter as concessões dos
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 45 24 O resultado da sua atuação é que não há um pla
Pág.Página 24
Página 0025:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 25 … e serve melhor o interesse dos seus utentes. No
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 45 26 Mas faço daqui um apelo, talvez mesmo um desaf
Pág.Página 26
Página 0027:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 27 O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Tem a palavra, p
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 45 28 O Sr. João Oliveira (PCP): — É muito bom, como
Pág.Página 28
Página 0029:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 29 O Sr. João Oliveira (PCP): — Faça lá a pergunta ao PSD. A
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 45 30 O Sr. Carlos Santos Silva (PSD): — Fez tudo is
Pág.Página 30
Página 0031:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 31 O terceiro objetivo estratégico passa por criar nos porto
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 45 32 da gestão portuária nacional por meio da simpl
Pág.Página 32
Página 0033:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 33 O Sr. Cristóvão Norte (PSD): — … que estamos a tratar des
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 45 34 Perde Lisboa, perde a economia de Lisboa, perd
Pág.Página 34
Página 0035:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 35 O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Tem a palavra, p
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 45 36 2013, respeitante ao período do seu Governo, f
Pág.Página 36
Página 0037:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 37 O Sr. Presidente: — Para a última declaração política, do
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 45 38 Esta é uma política que contraria a realidade
Pág.Página 38
Página 0039:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 39 Esta realidade da floresta prova que haver consensos não
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 45 40 O Sr. Maurício Marques (PSD): — Quero dizer-lh
Pág.Página 40
Página 0041:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 41 na prevenção dos incêndios florestais. Confiamos numa sol
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 45 42 O Sr. Carlos Matias (BE) — Estou de acordo com
Pág.Página 42
Página 0043:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 43 O Sr. José Manuel Pureza (BE): — Sr. Presidente, Sr.as e
Pág.Página 43
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 45 44 património ao domínio público ferroviário e mu
Pág.Página 44
Página 0045:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 45 O Sr. Presidente: — Para uma intervenção, tem a palavra o
Pág.Página 45
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 45 46 avançaria. Avançou com as obras, gastou mais d
Pág.Página 46
Página 0047:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 47 A escolha de suportar o sofrimento é legítima e responsáv
Pág.Página 47
Página 0048:
I SÉRIE — NÚMERO 45 48 O Grupo Parlamentar do Partido Socialista não
Pág.Página 48
Página 0049:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 49 Façamos, assim, este debate para o qual estamos todos con
Pág.Página 49
Página 0050:
I SÉRIE — NÚMERO 45 50 falar, mas também para lembrar que, se há cond
Pág.Página 50
Página 0051:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 51 O Sr. Presidente: — Tem mesmo de concluir, Sr.ª Deputada.
Pág.Página 51
Página 0052:
I SÉRIE — NÚMERO 45 52 O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, tem de concl
Pág.Página 52
Página 0053:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 53 Segue-se, no terceiro ponto, a discussão, na generalidade
Pág.Página 53