O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 45

50

falar, mas também para lembrar que, se há condições indignas de vida, não há vidas indignas, porque todas as

pessoas são iguais em dignidade e em direitos.

Aplausos do PCP e de Os Verdes.

O Sr. Presidente: — Para uma intervenção, tem a palavra a Sr.ª Deputada Isabel Galriça Neto, do CDS-PP.

A Sr.ª Isabel Galriça Neto (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Cumprimento os subscritores

da petição que pretende a legalização da eutanásia, reconhecendo o seu contributo para este importante debate.

Fazemos esta discussão de forma construtiva, afirmando os nossos princípios com claro respeito pelos que

pensam de forma diferente.

Nesta discussão de hoje sobre o teor da petição, lamentavelmente breve e necessariamente incompleta, mas

que desejamos ver aprofundada e alargada a toda a sociedade portuguesa, existem alguns pontos que nos

merecem preocupação e mesmo discordância e que gostaríamos de comentar.

Já aqui se disse e queremos sublinhar que este não é, de todo, um debate confessional, como talvez se

queira fazer crer para acentuar o preconceito subtil de que, sendo um debate religioso, seria uma coisa menor,

retrógrada, um preconceito que confunde a sociedade desejavelmente laica em que vivemos com uma

sociedade antirreligiosa.

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Muito bem!

A Sr.ª Isabel Galriça Neto (CDS-PP): — O debate, ainda que politizado, é um debate sobre os valores que

queremos na sociedade moderna para dar resposta ao sofrimento dos mais vulneráveis.

Entendemos que não é preciso escolher ser morto por outro para ter dignidade na morte — aliás, ser morto

por outra pessoa é, provavelmente, a forma menos digna de se morrer. Defendemos a dignidade enquanto valor

intrínseco e patrimonial inegociável do ser humano, pelo que para nós, independentemente das circunstâncias,

não há vidas que valem a pena ser vividas e vidas que não valem a pena ser vividas. É a vida que deve ter

dignidade até ao fim, existindo hoje indicações rigorosas e meios de intervenção claros que não permitem que

se prolongue a vida das pessoas com doenças avançadas e em sofrimento à custa de mais sofrimento com

tratamentos inúteis.

Numa matéria literalmente de vida ou de morte como esta, com a relevância que a rodeia, não são

admissíveis imprecisões e eufemismos que enviesam o debate, acrescem demagogia e pouco esclarecem. Por

exemplo, não se trata de discutir um direito a morrer nem de uma morte assistida,…

Vozes do CDS-PP: — Muito bem!

A Sr.ª Isabel Galriça Neto (CDS-PP): — … trata-se, sim, de criar um pretenso direito a ser morto por outra

pessoa. Não se trata aqui de morte digna, mal estaríamos se apenas os homicídios a pedido definissem a

dignidade na morte. Não se trata apenas de abranger situações de fim de vida, pois no articulado da petição

não são claramente excluídas situações de sofrimento que não em fim de vida, como situações de doença

mental ou situações de sofrimento existencial. Faz-se crer que serão situações de excecionalidade que, depois,

o próprio articulado não permite de todo confirmar.

A eventual legitimação e aplicação das propostas defendidas levaria a uma aparente normalização do matar

a pedido e a uma banalização daquilo que consideramos um retrocesso na nossa sociedade. O que se iria impor

seria uma visão apoucada do ser humano, que teria consequências perigosas no bem comum, pois é isso que

acontece quando se fazem leis deste tipo nos poucos países europeus que as têm e se permite que sejam

mortas milhares de pessoas por ano, pessoas com doença mental, pessoas que não pediram para morrer,

pessoas sem situações de terminalidade, pessoas cansadas de viver.

Sr. Presidente, vou terminar dizendo que defendemos uma sociedade moderna que tem na proteção da vida

o alicerce dos direitos humanos, uma sociedade que não descarta os mais vulneráveis e que lhes amplia

horizontes. Para nós…

Páginas Relacionadas
Página 0003:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 3 O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs. Deputados, Sr.as e Srs. F
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 45 4 Central de Almaraz (PS), que baixa à 11.ª Comis
Pág.Página 4
Página 0005:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 5 de tentar resolver a questão do sofrimento humano, qualque
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 45 6 Estamos completamente disponíveis para fazer es
Pág.Página 6
Página 0007:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 7 Sr.ª Deputada, o que pretendemos que nos esclareça é se en
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 45 8 O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Tem a
Pág.Página 8
Página 0009:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 9 que o CDS teve enquanto governou. É verdade que a Sr.ª Dep
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 45 10 Portanto, orgulhamo-nos de estar aqui a fazer
Pág.Página 10
Página 0011:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 11 esta política de precariedade e de desestabilização do co
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 45 12 A Sr.ª Ana Rita Bessa (CDS-PP): — Sr. Presiden
Pág.Página 12
Página 0013:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 13 Tenho comigo cópia de uma abertura de concurso para assis
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 45 14 Queria ainda dizer que, relativamente à matéri
Pág.Página 14
Página 0015:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 15 Sr.ª Deputada, os senhores estão todos na fotografia. Est
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 45 16 que estejam preenchidos, pelo menos, há três a
Pág.Página 16
Página 0017:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 17 É curioso que partilhe das preocupações do CDS, como part
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 45 18 De todos estes contactos, Os Verdes puderam co
Pág.Página 18
Página 0019:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 19 desenvolver, nesta matéria. Para além disso, também consi
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 45 20 A Sr.ª EmíliaCerqueira (PSD): — Sr. Presidente
Pág.Página 20
Página 0021:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 21 Saúdo, mais uma vez, a iniciativa de Os Verdes e o Sr. De
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 45 22 E, aqui, aproveito para responder à Sr.ª Deput
Pág.Página 22
Página 0023:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 23 A intenção do atual Governo de reverter as concessões dos
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 45 24 O resultado da sua atuação é que não há um pla
Pág.Página 24
Página 0025:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 25 … e serve melhor o interesse dos seus utentes. No
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 45 26 Mas faço daqui um apelo, talvez mesmo um desaf
Pág.Página 26
Página 0027:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 27 O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Tem a palavra, p
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 45 28 O Sr. João Oliveira (PCP): — É muito bom, como
Pág.Página 28
Página 0029:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 29 O Sr. João Oliveira (PCP): — Faça lá a pergunta ao PSD. A
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 45 30 O Sr. Carlos Santos Silva (PSD): — Fez tudo is
Pág.Página 30
Página 0031:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 31 O terceiro objetivo estratégico passa por criar nos porto
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 45 32 da gestão portuária nacional por meio da simpl
Pág.Página 32
Página 0033:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 33 O Sr. Cristóvão Norte (PSD): — … que estamos a tratar des
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 45 34 Perde Lisboa, perde a economia de Lisboa, perd
Pág.Página 34
Página 0035:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 35 O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Tem a palavra, p
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 45 36 2013, respeitante ao período do seu Governo, f
Pág.Página 36
Página 0037:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 37 O Sr. Presidente: — Para a última declaração política, do
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 45 38 Esta é uma política que contraria a realidade
Pág.Página 38
Página 0039:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 39 Esta realidade da floresta prova que haver consensos não
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 45 40 O Sr. Maurício Marques (PSD): — Quero dizer-lh
Pág.Página 40
Página 0041:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 41 na prevenção dos incêndios florestais. Confiamos numa sol
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 45 42 O Sr. Carlos Matias (BE) — Estou de acordo com
Pág.Página 42
Página 0043:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 43 O Sr. José Manuel Pureza (BE): — Sr. Presidente, Sr.as e
Pág.Página 43
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 45 44 património ao domínio público ferroviário e mu
Pág.Página 44
Página 0045:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 45 O Sr. Presidente: — Para uma intervenção, tem a palavra o
Pág.Página 45
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 45 46 avançaria. Avançou com as obras, gastou mais d
Pág.Página 46
Página 0047:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 47 A escolha de suportar o sofrimento é legítima e responsáv
Pág.Página 47
Página 0048:
I SÉRIE — NÚMERO 45 48 O Grupo Parlamentar do Partido Socialista não
Pág.Página 48
Página 0049:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 49 Façamos, assim, este debate para o qual estamos todos con
Pág.Página 49
Página 0051:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 51 O Sr. Presidente: — Tem mesmo de concluir, Sr.ª Deputada.
Pág.Página 51
Página 0052:
I SÉRIE — NÚMERO 45 52 O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, tem de concl
Pág.Página 52
Página 0053:
2 DE FEVEREIRO DE 2017 53 Segue-se, no terceiro ponto, a discussão, na generalidade
Pág.Página 53