O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

10 DE MARÇO DE 2017

7

Há ainda que atender à coordenação e troca de informações entre autoridades de supervisão, sendo hoje

consensual a necessidade de introduzir um mecanismo institucional de coordenação efetiva e vinculativa entre

as autoridades de supervisão que seja mais eficaz do que o atual Conselho Nacional de Supervisores

Financeiros (CNSF).

O Sr. Presidente: — Sr. Ministro, já ultrapassou o seu tempo. Pode continuar, mas o tempo que agora utilizar

será descontado no tempo do debate.

O Sr. Ministro das Finanças: — Muito obrigado, Sr. Presidente.

Assim, impõe-se uma coordenação reforçada que permita conjugar a autonomia das funções e a

especialização de cada setor com uma entidade vocacionada para uma visão global do sistema financeiro que

assegure uma atuação coerente e concertada sobre cada instituição supervisionada.

Para isso será proposta a criação de uma entidade com a missão de assegurar a troca vinculativa de

informações e a coordenação da atuação das autoridades de supervisão, substituindo o Conselho Nacional de

Supervisores Financeiros e o Conselho Nacional de Estabilidade Financeira.

Esta nova entidade, tendo a responsabilidade última pela estabilidade financeira, deverá ter as funções de

autoridade macro prudencial e autoridade nacional de resolução. Esta entidade deverá ser dotada de

personalidade jurídica e de um estatuto de independência. Na sua administração participarão as autoridades de

supervisão setorial, mas será dirigida por personalidades independentes, garantindo assim, em simultâneo, a

participação e a responsabilização plenas de todas as autoridades de supervisão nas matérias de prevenção do

risco sistémico, mas sendo também atribuída a esta entidade a capacidade analítica e técnica de supervisionar

o conjunto do sistema.

Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, o Governo tem estado a trabalhar, com empenho e de forma

aprofundada, numa proposta para a reforma do modelo de supervisão financeira. A proposta, que será

conhecida brevemente, deverá dotar o sistema de supervisão de maior racionalidade, maior eficácia, com menos

sobreposições e redundâncias e maior capacidade de atuação das autoridades de supervisão.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, vamos entrar na fase de debate, que se inicia com a formulação de

questões à Sr.ª Deputada Cecília Meireles e ao Sr. Ministro Mário Centeno.

Para efetuar pedidos de esclarecimento à Sr.ª Deputada Cecília Meireles, tem a palavra o Sr. Deputado

Eurico Brilhante Dias, do Grupo Parlamentar do PS.

O Sr. Eurico Brilhante Dias (PS): — Sr. Presidente, Srs. Deputados, em primeiro lugar, gostaria de

agradecer ao Grupo Parlamentar do CDS-PP por ter trazido este tema a debate.

É, inegavelmente, um tema com pertinência, que nos preocupa a todos, em particular quando, nos últimos

anos, Portugal viveu momentos de grande aflição, com um grande custo para os contribuintes mas também para

muitos investidores, um momento de grande dificuldade para o sistema bancário e financeiro português. Por

isso, este é um tema muito importante e que deve ser debatido com grande transparência mas, ao mesmo

tempo, dizendo-se claramente o que aconteceu e o que temos de fazer para futuro.

Sr.ª Deputada Cecília Meireles, não resisto à interjeição parlamentar. Permita que lhe diga que quem ouvisse

hoje o CDS teria de lhe fazer uma pergunta: Sr.ª Deputada, em que planeta é que viveu nos últimos quatro

anos?

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Não, não!…

O Sr. Eurico Brilhante Dias (PS): — Há dois aspetos que são claros. Primeiro: algumas das propostas que

o CDS traz merecerão, seguramente, o apoio da generalidade dos grupos parlamentares, mas deixe-me dizer

que algumas das propostas que há pouco fez, daquela tribuna, são propostas enquadradas em diretivas

transpostas pelo Governo que V. Ex.ª apoiava até novembro de 2015. E em relação a alguns dos conflitos de

interesse que apresenta, quer no caso dos auditores, quer, também, no caso que diz respeito aos consultores,

Páginas Relacionadas
Página 0002:
I SÉRIE — NÚMERO 61 2 O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs. Deputados, Srs
Pág.Página 2
Página 0003:
10 DE MARÇO DE 2017 3 A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Vamos, então, às proposta
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 61 4 Se queremos uma supervisão melhor, o supervisor
Pág.Página 4
Página 0005:
10 DE MARÇO DE 2017 5 Um segundo exemplo tem a ver com o estabelecimento de regras
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 61 6 Todo o empenho no reforço da eficácia da regula
Pág.Página 6
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 61 8 foram medidas introduzidas na legislação nacion
Pág.Página 8
Página 0009:
10 DE MARÇO DE 2017 9 O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Ah! A Sr.ª Ce
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 61 10 A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — E fala de Víto
Pág.Página 10
Página 0011:
10 DE MARÇO DE 2017 11 A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Partidarização?! A Sr.ª
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 61 12 profundamente alterado e que não é o que vigor
Pág.Página 12
Página 0013:
10 DE MARÇO DE 2017 13 … poderes que são de aprovação de nomes propostos, a
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 61 14 A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Não
Pág.Página 14
Página 0015:
10 DE MARÇO DE 2017 15 Contudo, há uma coisa que é importante: se todos nós entende
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 61 16 O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Muito
Pág.Página 16
Página 0017:
10 DE MARÇO DE 2017 17 Há muito que o papel do Estado deixou de ser o de dirigir a
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 61 18 O Sr. Carlos Abreu Amorim (PSD): — … porque, c
Pág.Página 18
Página 0019:
10 DE MARÇO DE 2017 19 O Sr. Carlos Abreu Amorim (PSD): — O quê?!
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 61 20 … o tema offshore do debate político. A
Pág.Página 20
Página 0021:
10 DE MARÇO DE 2017 21 O Sr. Presidente: — Isso já não é uma interpelação, S
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 61 22 O Sr. Ministro das Finanças: — É eviden
Pág.Página 22
Página 0023:
10 DE MARÇO DE 2017 23 da dificuldade que o Conselho Nacional de Supervisores Finan
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 61 24 Basta, aliás, assistir ao à-vontade com que a
Pág.Página 24
Página 0025:
10 DE MARÇO DE 2017 25 contribuintes, mas o Sr. Primeiro-Ministro, no último debate
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 61 26 O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Para interpel
Pág.Página 26
Página 0027:
10 DE MARÇO DE 2017 27 Então, tem a palavra o Sr. Ministro das Finanças para distri
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 61 28 O Sr. Carlos Abreu Amorim (PSD): — Não havia v
Pág.Página 28
Página 0029:
10 DE MARÇO DE 2017 29 O Sr. Presidente: — Faça favor. O Sr. António
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 61 30 que supervisiona os seguros; o Conselho Nacion
Pág.Página 30
Página 0031:
10 DE MARÇO DE 2017 31 auditoria à Assembleia da República ou a quem é suposto ter
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 61 32 O Sr. Carlos Abreu Amorim (PSD): — Ah!…
Pág.Página 32
Página 0033:
10 DE MARÇO DE 2017 33 Banco de Portugal foi constituído como autoridade de resoluç
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 61 34 O Sr. Presidente: — A Mesa não regista
Pág.Página 34
Página 0035:
10 DE MARÇO DE 2017 35 Não tardou até que se percebesse que a supervisão e a regula
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 61 36 A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Não
Pág.Página 36
Página 0037:
10 DE MARÇO DE 2017 37 O Sr. João Oliveira (PCP): — Sim, Sr. Presidente. Nem é meu
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 61 38 Quanto à ética empresarial, o primeiro culpado
Pág.Página 38
Página 0039:
10 DE MARÇO DE 2017 39 Aplausos do CDS-PP. … que alguém venha d
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 61 40 gestores de conta que no dia a dia lidam com o
Pág.Página 40
Página 0041:
10 DE MARÇO DE 2017 41 A esta proposta de lei seguir-se-ão outros dois projetos, qu
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 61 42 — Recomenda ao Governo um estudo sobre insuces
Pág.Página 42