O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 85

22

ficámos pasmados quando se referiu à construção das duas estações do metropolitano como sendo projetos

faraónicos. Faraónicos!

A única coisa aparentemente faraónica que o anterior Governo fez foi a de manter «enterrada», fechada, a

estação da Reboleira, como faziam os egípcios com os túmulos no Vale dos Reis. A única coisa minimamente

faraónica foi essa opção estratégica de manter fechado, para lá do aceitável, aquele que era um investimento

estruturante e que estava em falta.

Os Srs. Deputados, ao subirem à tribuna, elencaram um conjunto de problemas que têm um autor bem

identificado e esse autor bem identificado é aquele governo que não investiu na bilhética, é aquele governo que

não investiu no material circulante, é aquele governo que não investiu nos trabalhadores,…

Aplausos do PS.

… é aquele governo que não investiu nos maquinistas, é aquele governo que deixou degradar o

funcionamento da rede do metropolitano de Lisboa e agora, sem perceberem — penso que os Srs. Deputados

continuam sem perceber — a dinâmica do transporte na cidade, acham que os investimentos que estão a ser

feitos e que visam libertar material circulante para que possa ser disponibilizado nos acessos em horário de

ponta podem concretizar-se com as medidas que são propostas.

Portanto, é estonteante, é mesmo perplexizante a falta de descaramento com que aparecem neste debate,

como se fossem totalmente alheios a tudo o que levou ao colapso do metropolitano em Lisboa.

Aplausos do PS.

Felizmente, também podemos responder com dados positivos.

Ficou a pergunta no ar: «O que é que podem apontar de melhorias?». Se olharmos para aquela que foi uma

opção de não privatizar, de manter na esfera de gestão pública, podemos logo responder aos senhores que

falem com aquelas crianças que têm menos de 12 anos, que hoje podem circular gratuitamente na Carris, ou

com os maiores de 65 anos, que têm acesso a um desconto superior.

O Sr. HélderAmaral (CDS-PP): — Mas não é a Câmara de Lisboa que paga!

O Sr. PedroDelgadoAlves (PS): — Ora aí têm uma boa demonstração de uma política de transportes que

não só tem consciência social como valoriza o transporte público como ambientalmente sustentável.

É a diferença entre ter uma estratégia que valoriza o funcionamento da Área Metropolitana e do seu sistema

de transportes e não ter estratégia rigorosamente nenhuma, querer vender ao desbarato e desinvestir

estruturadamente durante quatro anos.

Em suma, neste momento, temos um desafio que é encarado com seriedade pelas bancadas que suportam

o Governo, porque são essas bancadas que têm apontado um caminho que passa por investimento em meios

humanos, que passa pela muito urgente obra na estação de Arroios, que permitirá dar capacidade a toda a linha

para que funcione na potência máxima e que representará — e os utentes disso se aperceberão —,

seguramente, uma mudança estrutural e fundamental no funcionamento dos transportes públicos.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente (José de Matos Correia): — Para uma segunda intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado

Carlos Santos Silva.

O Sr. CarlosSantosSilva (PSD): — Sr. Presidente, Srs. Deputados: Verdadeiramente espantoso é o que

acabámos de assistir, neste momento, por parte do Sr. Deputado Pedro Delgado Alves, do Partido Socialista.

Vozes do PS: — Ah!

Páginas Relacionadas
Página 0015:
10 DE MAIO DE 2017 15 O Sr. Presidente (José de Matos Correia): — Queira terminar,
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 85 16 Os transportes coletivos são, incontestavelmen
Pág.Página 16
Página 0017:
10 DE MAIO DE 2017 17 plataformas a abarrotar de pessoas, facto para o qual contrib
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 85 18 O Sr. Heitor Sousa (BE): — Face a este problem
Pág.Página 18
Página 0019:
10 DE MAIO DE 2017 19 A acrescer a esta degradação do serviço público, gravosa, não
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 85 20 O Sr. Bruno Dias (PCP): — Sr. Presidente, Srs.
Pág.Página 20
Página 0021:
10 DE MAIO DE 2017 21 O Sr. Bruno Dias (PCP): — Mas quem é que as tirou?!
Pág.Página 21
Página 0023:
10 DE MAIO DE 2017 23 O Sr. CarlosSantosSilva (PSD): — O Sr. Deputado falou-nos em
Pág.Página 23