O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 16

42

com a outra. E também nessa altura, como agora, os partidos que o apoiaram usaram as mesmas justificações.

Por cada novo imposto que inventaram, lá veio uma consignação de receitas para uma finalidade

simultaneamente simpática e popular. Este ano, lá temos novamente a tentativa com o «imposto da batata frita»,

tentando com este truque básico iludir a realidade: por cada euro de riqueza que os portugueses criam com o

seu trabalho, o Estado fica com uma fatia maior.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Da batata, uma fatia maior da batata.

A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Também nas cativações, que a estratégia orçamental deste Governo

transformou em verdadeiros cortes pela calada, com a conivência, a cumplicidade e o voto do BE e do PCP, os

valores são recordes. São verdadeiras execuções retificativas. Para encontrar um valor semelhante é preciso

recuar a 2010.

São velhos hábitos! São hábitos que, infelizmente, o PS conhece muito bem e são péssimos hábitos.

Aliás, no que toca à capacidade de encobrir cortes, este Governo deu asas à sua criatividade. São os vetos

de gaveta, de que o adiamento da ampliação do bloco operatório central do IPO (Instituto Português de

Oncologia) de Lisboa é um exemplo tão triste quanto paradigmático, como são os pagamentos em atraso dos

hospitais EPE (entidades públicas empresariais). Só este ano os pagamentos em atraso, ou seja os calotes, dos

hospitais EPE passaram para quase 1000 milhões de euros, 961 milhões de euros. Praticamente duplicaram

desde o princípio do ano, pois são mais 46 milhões, em média, todos os meses. E o Sr. Ministro das Finanças

tem ainda o desplante de vir dizer aqui que vai fazer poupanças com os pagamentos?! Ó Sr. Ministro, não pagar

o que se deve não se chama poupar, chama-se fazer calotes, chama-se fazer dívidas.

Aplausos do CDS-PP.

O Sr. João Galamba (PS): — Dívida é calote, é tudo igual!

A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Só se esta política corresponde à tal reestruturação de dívida que o

Bloco de Esquerda veio aqui defender, se calhar é esta a reestruturação de dívida que pretendem.

A fatura destes atrasos, é claro, é paga pelos doentes e também pelos trabalhadores das empresas

fornecedoras, que, do vosso ponto de vista, não têm direito à reposição de rendimentos. Por coincidência, ou

talvez não, nem uns nem outros têm sindicatos ou corporações que os possam defender.

Já o investimento público, que dantes achavam tão importante, vital e crucial, foi a principal vítima dos cortes.

Em 2016, baixou quase 10%, estabelecendo um triste recorde e ficando abaixo do que tinha acontecido mesmo

nos momentos mais difíceis do período de ajustamento.

O Sr. Ministro, quando fala das diferenças entre o agora e esse tempo, esqueceu-se da mais importante:

felizmente, agora, Portugal deixou de ter um estatuto semelhante a um protetorado e passou a poder decidir

com liberdade o seu futuro. É uma conquista de Portugal, dos portugueses e é, sobretudo, a libertação do legado

deixado por muitos dos que hoje partilham o Governo consigo e, já agora, também por alguns dos que se sentam

na bancada do PS a apoiá-lo.

Aplausos do CDS-PP e Deputados do PSD.

Em 2017, o Orçamento do Estado previa um crescimento de 27% do investimento público, mas o Governo

já corrigiu esta previsão para metade e os últimos dados apontam para um crescimento de cerca de um terço.

Creio que até os mais ousados e os mais otimistas duvidarão da credibilidade da previsão do crescimento do

investimento público de 21%, agora apontada para 2018.

A tática é sempre a mesma: o Governo finge que não corta, o Bloco de Esquerda e o PCP fingem que não

veem; ou, melhor, ocasionalmente, esta última parte sofre uma leve alteração, o Bloco de Esquerda e o PCP

também fingem que estão surpreendidos ou muito surpreendidos. Mas todos sabem o óbvio, que esta é a

encenação de que dependem para continuarem a poder fingir dar quase tudo a quase todos.

Aplausos do CDS-PP.

Páginas Relacionadas
Página 0048:
I SÉRIE — NÚMERO 16 48 A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Se
Pág.Página 48
Página 0049:
4 DE NOVEMBRO DE 2017 49 o Deputado João Galamba e os partidos da maioria parlament
Pág.Página 49
Página 0050:
I SÉRIE — NÚMERO 16 50 naturalmente, vão só, mais uma vez, criar cond
Pág.Página 50