O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 16

96

A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Muito bem!

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — De resto, é extraordinário que o mesmo Governo e a mesma maioria

de esquerda, ao mesmo tempo, ataquem a iniciativa privada com impostos e ataquem o Estado com cativações

nas suas funções mais básicas, reduzindo-o a um Estado mínimo.

Vozes do CDS-PP: — Muito bem!

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Esse, Srs. Deputados, é o pecado original deste Orçamento e sabemos

que assim continuará em sede de especialidade. Qualquer alteração a este Orçamento será negociada ou

simulada, dois a dois, à porta fechada, nos gabinetes do Partido Socialista, do Bloco, do PCP e de Os Verdes,

o que não é bom para a democracia e também não ajuda a melhorar a vida dos portugueses.

Protestos do Deputado do PS João Paulo Correia.

Sr. Presidente, Sr. Primeiro-Ministro, Sr.as e Srs. Deputados: A presente Legislatura já vai a meio e o Governo

já está em funções há dois anos. Quem tem a responsabilidade por esta política é esta maioria e, por isso, já

era tempo de os senhores assumirem as vossas responsabilidades. Continuamos a ver aqueles que nos levaram

à bancarrota — e alguns deles, então, como agora, membros do Governo — e que fizeram o maior ataque ao

Estado social, que é a falência do Estado, a encher a boca dizendo que a responsabilidade é de quem esteve

mal no passado.

Vozes do CDS-PP: — Muito bem!

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Ouvimos agora Ministros que levaram o País à bancarrota falar de

uma política de austeridade, quando foram os primeiros e os últimos responsáveis por essa mesma austeridade.

Aplausos do CDS-PP.

Por isso, Sr. Presidente e Sr.as e Srs. Deputados da maioria, o Governo é vosso, a maioria é vossa, o

Orçamento é vosso e a irresponsabilidade também é vossa.

Este é o vosso caminho, não é o nosso, e, por isso mesmo, votaremos contra, na certeza de que estaremos

com isso a servir Portugal.

Aplausos do CDS-PP.

O Sr. Presidente: — Tem a palavra o Sr. Deputado Pedro Filipe Soares para uma intervenção.

O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Membros do Governo, Sr.as e Srs. Deputados:

Este debate ficou marcado, em particular para as bancadas do PSD e do CDS, pela forma como demonstraram,

ainda hoje, aqui, que o passado os assola, a má consciência de um passado que ainda atormenta.

Como já perguntava o cantor, numa pergunta muito atual: «Como é que posso começar algo de novo com

todo o ontem que está dentro de mim?». Assim a direita pergunta como pode discutir um Orçamento do Estado,

quando não se consegue libertar do passado onde se encontrou no Governo anterior.

O Sr. Telmo Correia (CDS-PP): — Isto agora tem corrido lindamente!

O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — A incoerência ainda anda colada e traz, conjuntamente, a falsidade.

Ouvíamos, há minutos, o PSD manifestar a sua extraordinária posição sobre as pensões e a forma como as

medidas deste Orçamento do Estado seriam aplicadas.

Páginas Relacionadas
Página 0097:
4 DE NOVEMBRO DE 2017 97 Dizia-nos o Sr. Deputado Adão Silva: «Estamos contentes co
Pág.Página 97
Página 0098:
I SÉRIE — NÚMERO 16 98 Aqueles que não vivem bem consigo próprios not
Pág.Página 98
Página 0099:
4 DE NOVEMBRO DE 2017 99 No que toca ao Bloco de Esquerda, as propostas são claras,
Pág.Página 99