O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

28 DE NOVEMBRO DE 2017

11

Sr.as e Srs. Deputados, é preciso ir mais longe na criação e estruturação do serviço público de cultura.

Perdemos uma grande oportunidade para dar passos concretos no sentido do 1% para a cultura no Orçamento

do Estado, do planeamento da ação do Governo, da intervenção da administração central, para estruturar este

serviço público de cultura, uma oportunidade que pode ter sido perdida nesta fase do debate do Orçamento do

Estado mas, com certeza, o PCP não vai desistir deste objetivo e vai continuar a lutar nesse sentido, aqui, neste

espaço, em várias ocasiões. Teremos, com certeza, oportunidade de voltar a esta discussão e, por isso, dizemos

que queremos resolver, desde já, um problema primeiro: 25 milhões de euros de apoios públicos às artes e à

criação artística. É esta a proposta que deixamos agora e queremos que haja quem nos acompanhe.

Aplausos do PCP.

O Sr. Presidente: — Tem a palavra o Sr. Deputado José Luís Ferreira, de Os Verdes.

O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Sr. Presidente, Srs. Membros do Governo, Sr.as e Srs. Deputados,

sobre as propostas avocadas e as intervenções já aqui hoje proferidas, importa sublinhar algumas notas, desde

logo um comentário ao que foi dito pelo PSD, pela voz do Sr. Deputado Leitão Amaro.

Diz o Sr. Deputado Leitão Amaro que se está a retirar a liberdade às pessoas do setor privado de receberem

o décimo terceiro mês por duodécimos. Não, Sr. Deputado, os senhores é que removerem o direito de as

pessoas receberem o décimo terceiro mês integralmente em novembro, no mês certo, porque retirar era

convosco!

A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — Exatamente!

O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Foi, aliás um truque que os senhores inventaram para que as

pessoas não sentissem em plenitude a brutal carga fiscal que o anterior Governo impôs aos portugueses. Os

duodécimos tiveram apenas como único propósito amortecer o efeito da carga fiscal sobre os rendimentos do

trabalho que o Governo anterior, o Governo do PSD e do CDS, impôs aos portugueses. O que agora se está a

fazer nesta matéria é repor mais um direito que os senhores retiraram aos portugueses.

De facto, não estranha este desconforto do PSD e do CDS com este Orçamento do Estado. Acho-o até

compreensível e sob vários ângulos: é compreensível porque este Orçamento do Estado transporta um conjunto

de medidas de natureza social que a direita não quer.

É compreensível porque este Orçamento do Estado promove a justiça fiscal, aliviando os rendimentos do

trabalho, sobretudo os rendimentos mais baixos, em sede de IRS, que a direita não aceita.

É compreensível porque este Orçamento do Estado continua a devolver direitos e rendimentos às famílias

que a direita não quer devolver.

É compreensível porque este Orçamento do Estado agrava os impostos das grandes empresas, das

empresas que apresentam lucros absolutamente fabulosos, quando o que a direita pretendia era continuar a

poupar os rendimentos do capital, como fizeram no Governo anterior, quando passaram o IRC das grandes

empresas primeiro de 23% para 21% e depois de 21% para 19%.

Por fim, é compreensível porque as propostas que pretendiam dar mais uma borla fiscal aos rendimentos do

capital foram chumbadas. Aliás, até nos parece que o PSD foi buscar inspiração aos tempos do anterior Governo

para apresentar as suas propostas relativas à redução dos impostos para os rendimentos do capital, que,

obviamente, foram chumbadas, porque este é um Orçamento a pensar nas pessoas e nas famílias.

Portanto, não estranha tamanho desconforto do PSD e do CDS com este Orçamento do Estado, que devolve

direitos e rendimentos às famílias e a quem trabalha, um Orçamento do Estado que convoca os rendimentos do

capital também a responder aos problemas do País.

Assim, este não poderia ser, de facto, o Orçamento da direita e, por isso, torna também tão facilmente

compreensível o tamanho desconforto do PSD e do CDS.

Aplausos de Os Verdes e de Deputados do PCP.

O Sr. Presidente: — Tem a palavra o Sr. Secretário de Estado do Orçamento João Leão.

Páginas Relacionadas
Página 0003:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 3 O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs. Membros do Governo, Sr.as
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 20 4 O Sr. Jorge Duarte Costa (BE): — Sr. Presidente
Pág.Página 4
Página 0005:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 5 É por isso que este progresso não para, e não para também
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 20 6 para a economia, têm agora a oportunidade de os
Pág.Página 6
Página 0007:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 7 Só por lei da Assembleia da República se garante já que, e
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 20 8 Aplausos do PCP. O Sr. Pre
Pág.Página 8
Página 0009:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 9 Permitam-me, então, intervir sobre esta questão do IMI nos
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 20 10 Aplausos do PSD. O Sr. President
Pág.Página 10
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 20 12 O Sr. Secretário de Estado do Orçamento
Pág.Página 12
Página 0013:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 13 O Bloco de Esquerda ainda tem 1 minuto para gastar e o Sr
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 20 14 Aplausos do PS. O Sr. Presidente
Pág.Página 14
Página 0015:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 15 Pausa. Entretanto, assumiu a presidência o
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 20 16 Passamos ao artigo 162.º — Alteração ao
Pág.Página 16
Página 0017:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 17 metodologia que está a propor pode ser feita; se, pelo co
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 20 18 Segundo a metodologia indicada à Mesa, a votaç
Pág.Página 18
Página 0019:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 19 O Sr. Presidente (Jorge Lacão): — Isso altera completamen
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 20 20 Prosseguimos com a votação da proposta
Pág.Página 20
Página 0021:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 21 O Sr. Paulo Trigo Pereira (PS): — Peço a palavra,
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 20 22 Submetida à votação, foi rejeitada, com votos
Pág.Página 22
Página 0023:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 23 Submetida à votação, foi aprovada, com votos a favor do P
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 20 24 É tudo, Sr. Presidente. O Sr. Pr
Pág.Página 24
Página 0025:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 25 A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — Sr. Presidente, Sr
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 20 26 Ao nível energético, Os Verdes garantiram o al
Pág.Página 26
Página 0027:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 27 Este não é um Orçamento do PCP, é um Orçamento do Governo
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 20 28 Mas o Orçamento ficou aquém daquilo que é nece
Pág.Página 28
Página 0029:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 29 As opções do Governo mantêm as vulnerabilidades e dependê
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 20 30 Vozes do CDS-PP: — Muito bem!
Pág.Página 30
Página 0031:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 31 O Sr. Jerónimo de Sousa (PCP): — Vocês tiveram cá
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 20 32 O Sr. Filipe Anacoreta Correia (CDS-PP): — Cla
Pág.Página 32
Página 0033:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 33 Vozes do PSD: — É só para vocês! A S
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 20 34 porque servirá para financiar a segurança soci
Pág.Página 34
Página 0035:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 35 Os indicadores são claros: há mais 227 000 empregos líqui
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 20 36 Mas temos, sobretudo, de, com prioridade, vita
Pág.Página 36
Página 0037:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 37 estar acima das «mercearias» das propostas de especialida
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 20 38 O Sr. João Oliveira (PCP): — Está a fal
Pág.Página 38
Página 0039:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 39 O Sr. Pedro Passos Coelho (PSD): — … com os cortes cegos
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 20 40 Aplausos do PSD. Por outr
Pág.Página 40
Página 0041:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 41 Lembram-se da afirmação, ainda bem recente, de que com es
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 20 42 O Sr. Pedro Passos Coelho (PSD): — E uma inten
Pág.Página 42
Página 0043:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 43 Protestos do BE. Também o PCP julga que con
Pág.Página 43
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 20 44 O Sr. Secretário de Estado dos Assuntos
Pág.Página 44
Página 0045:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 45 É um Orçamento que prevê mais e melhores serviços público
Pág.Página 45
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 20 46 O Sr. Secretário de Estados dos Assuntos Parla
Pág.Página 46
Página 0047:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 47 Estamos a falar de homens e mulheres com sonhos. Não lhes
Pág.Página 47
Página 0048:
I SÉRIE — NÚMERO 20 48 Vozes do PSD: — Oh! O Sr. Secret
Pág.Página 48
Página 0049:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 49 Não porque esta solução do Governo não as permite
Pág.Página 49
Página 0050:
I SÉRIE — NÚMERO 20 50 Enquanto o PSD e o CDS se propunham ati
Pág.Página 50
Página 0051:
28 DE NOVEMBRO DE 2017 51 O Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Parlamenta
Pág.Página 51