O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

28 DE NOVEMBRO DE 2017

43

Protestos do BE.

Também o PCP julga que consegue escapar a esta categoria da comédia e do ridículo quando reivindica os

resultados mais simpáticos das medidas de melhoria de rendimento,…

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, já ultrapassou o seu tempo.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Há muito que acabou o seu tempo!

O Sr. Pedro Passos Coelho (PSD): — Vou concluir, Sr. Presidente.

O PCP julga que consegue escapar a esta categoria quando reivindica os resultados mais simpáticos das

medidas de melhoria de rendimento, mas lava as mãos do que designa de política de direita, que entende que

é a que prossegue com este Governo.

Política de direita, nesta aceção, é, para o PCP, aquela que permite criar a ilusão de que a melhoria de

rendimentos não tem contrapartidas nem traz consequências menos simpáticas. E se o Primeiro-Ministro disser

que tal ilusão está a chegar ao fim, os comunistas não estarão dispostos para renovar a geringonça, que só

pode viver e frutificar na ilusão, evidentemente.

Aplausos do PSD.

Protestos do Deputado do PCP Bruno Dias e da Deputada do BE Mariana Mortágua.

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, peço-lhe que conclua.

O Sr. Pedro Passos Coelho (PSD): — Sr. Presidente, Srs. Membros do Governo, Sr.as e Srs. Deputados:

Há, infelizmente, outras dimensões preocupantes no caminho que vem sendo seguido e que estão para além

da mera discussão orçamental.

Refiro-me à forma como o Governo encara a própria ação política. Tudo parece reduzido ao mais puro

taticismo, gere-se a agenda pública em função das oportunidades e do que a maré trouxer, nunca em função

de um rumo estratégico traçado, que não existe, e, sobretudo, reduz-se a gestão dos recursos públicos em

função da necessidade de remeter, tanto quanto possível, para o que Bobbio designou como o «mercado

político»,…

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, peço-lhe para concluir.

O Sr. Pedro Passos Coelho (PSD): — … em que todos são convidados a reverem-se numa oferta particular

de que o Governo dispõe e a sociedade, no seu conjunto, é tratada e segmentada em potenciais clientes,

suscetíveis de constituírem peças autónomas numa negociação neocorporativa…

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, tem de terminar.

O Sr. Pedro Passos Coelho (PSD): — … que transcende qualquer entendimento sobre o interesse comum.

Concluo, Sr. Presidente, dizendo que votaremos, evidentemente, contra este Orçamento. Trata-se de um

voto que o Governo fez, justamente, por merecer. É um Orçamento que não serve o País.

Aplausos do PSD, de pé, e do CDS-PP.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Os senhores batem muitas palmas quando a música é ruim!

O Sr. Presidente: — Como terão notado, o Grupo Parlamentar do CDS-PP cedeu parte do seu tempo de

intervenção ao PSD.

Para encerrar este debate, tem a palavra o Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares.

Páginas Relacionadas
Página 0052:
I SÉRIE — NÚMERO 20 52 Aplausos do PS, de pé. Vamos, ag
Pág.Página 52