O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

28 DE NOVEMBRO DE 2017

45

É um Orçamento que prevê mais e melhores serviços públicos. Em 2018, teremos mais 25 unidades de

saúde familiar, mais 600 camas em unidades de cuidados continuados, mais 150 salas para o pré-escolar, mais

1500 assistentes operacionais nas nossas escolas e mais 3500 professores vinculados.

É um Orçamento com o mais completo pacote de capitalização das nossas empresas, para que dependam

menos do financiamento bancário e fiquem mais bem preparadas para enfrentar aquele que é um dos seus

maiores flagelos: o elevado endividamento.

Mas é também o Orçamento da ciência e da transferência do conhecimento produzido na academia para as

nossas empresas e da aposta no emprego científico digno.

Aplausos do PS.

É o Orçamento do aumento do investimento público, que crescerá, em 2018, cerca de 40%, depois de estar

a crescer a uma taxa de quase 30% este ano.

É o Orçamento que dá a resposta mais determinada e completa ao drama dos incêndios que todos os anos

assola o nosso País…

A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Todos os anos?!

O Sr. Secretário de Estados dos Assuntos Parlamentares: — … e que este ano nos atingiram de forma

brutal e implacável, levando a vida de mais de 100 pessoas, cuja memória continua com todos nós.

Protestos da Deputada do CDS-PP Cecília Meireles.

É o Orçamento onde, a par disto tudo, o Governo se compromete a atingir novamente o défice mais baixo da

nossa democracia e a reduzir novamente a dívida pública portuguesa.

Honrar compromissos, corrigir as injustiças do passado, respeitar os portugueses e investir no futuro, estas

são as marcas deste Orçamento do Estado.

Aplausos do PS.

Mas sabemos que nem todos nesta Assembleia o encaram desta forma. Passámos estas semanas do debate

orçamental a ouvir a minoria parlamentar a apelidar este Orçamento de eleitoralista e de só alimentar as

clientelas da maioria, as que vivem à sombra do Estado, aquelas que fazem greve. Dizem que este é um

Orçamento que não faz reformas, que ignora o futuro, que não tem nada para as empresas.

Estas críticas são importantes, diria mesmo que são fundamentais. Elas ajudam a clarificar o que separa esta

maioria e este Governo desta direita na oposição.

Aplausos do PS.

Entre 2011 e 2015, os portugueses viveram anos de perda de rendimentos, de emprego e de direitos sociais

e laborais. Foram anos de projetos familiares e profissionais adiados, de absoluta incerteza, de instabilidade e

de destruição da confiança na política e nas instituições da nossa democracia. Foram anos em que os

portugueses se sentiram desrespeitados na sua dignidade pessoal, social e nacional.

Só quem não percebeu o que aconteceu entre 2011 e 2015 é que não entende que era prioritário mostrar

aos portugueses que não eram culpados, que não tinham vivido vidas excêntricas e que, ao contrário.…

Aplausos do PS.

Protestos do PSD.

O Sr. António Leitão Amaro (PSD): — Os culpados estão aí todos!

Páginas Relacionadas
Página 0052:
I SÉRIE — NÚMERO 20 52 Aplausos do PS, de pé. Vamos, ag
Pág.Página 52