O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 44

40

Reunida em sessão plenária, a Assembleia da República condena a utilização de seres humanos e de símios

como cobaias na indústria automóvel em testes de exposição a gases poluentes».

O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, vamos passar à votação do voto n.º 473/XIII (3.ª), que acaba de ser

lido.

Submetido à votação, foi aprovado por unanimidade.

Segue-se o voto n.º 474/XIII (3.ª) — De congratulação ao alpinista e esquiador português Ângelo Felgueiras,

apresentado pelo CDS-PP e subscrito por Deputados do PS e do PSD.

Peço ao Sr. Secretário, Deputado António Carlos Monteiro, para proceder à sua leitura.

O Sr. Secretário (António Carlos Monteiro): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: o voto é do seguinte

teor:

«Ângelo Felgueiras, nascido em 1964, tornou-se o primeiro português a alcançar a pé o Pólo Sul, um dos

lugares mais inacessíveis e longínquos do planeta, no passado dia 14 de janeiro de 2018, após uma expedição

de mais de 1000 km, percorridos sobre esquis, em 57 dias de esforço intenso.

O País assistiu empolgado, através dos relatos e imagens que iam chegando, à sua gloriosa jornada. À

medida que avançava, metro após metro, a confiança depositada no português e o prestígio do nosso País

saíam reforçados.

Piloto experimentado e respeitado, casado e pai de três filhos, aventura-se pelo mundo há mais de 20 anos.

São, de facto, facetas que nem sempre se distinguem, pois esta filosofia de vida não se esgota no seu

aventureirismo e está sempre presente. Homem invulgarmente capaz e determinado, Ângelo Felgueiras vive

como escala e esquia: com intensidade, dedicação e disciplina. Não sendo alpinista, nem esquiador profissional,

cumpriu, em duas décadas, com grande êxito, o projeto designado de ‘Sete Cumes’, superando a montanha

mais alta de cada continente e no espaço de seis dias realizou uma expedição ao Pólo Norte, em abril de 2013.

Aquilo que mais impressiona em Ângelo Felgueiras é que estes desafios foram sempre vencidos em benefício

de causas sociais, apoiando solidariamente diferentes projetos e associações, como a Associação Moinho da

Juventude, o ATL da Galiza ou a Acreditar. Recentemente, e seguindo o exemplo de campanhas anteriores, por

cada metro percorrido foi angariado 1 € para a associação Acreditar.

Movido pelo espírito dos descobrimentos portugueses, Ângelo Felgueiras desperta a mais nobre das

aspirações da nossa sociedade, a solidariedade, unindo-nos e inspirando-nos com a simples dádiva de si.

A Assembleia da República saúda o português Ângelo Felgueiras, reconhecendo a dimensão maior dos seus

feitos e a sua grandeza de carácter».

O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, antes de procedermos à votação, queria informar que o esquiador

Ângelo Felgueiras se encontra presente nas galerias.

Vamos votar o voto n.º 474/XIII (3.ª), que acaba de ser lido.

Submetido à votação, foi aprovado por unanimidade.

Aplausos do PSD, do PS e do CDS-PP.

Passamos ao voto n.º 475/XIII (3.ª) — De saudação ao Centro de Genética Médica Doutor Jacinto

Magalhães, apresentado por Os Verdes e subscrito por Deputados do PS.

Peço à Sr.ª Secretária Idália Serrão, para proceder à sua leitura.

A Sr.ª Secretária (Idália Serrão): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, o voto é do seguinte teor:

«Em 1971 foi criada a consulta de genética médica no Hospital de Crianças Maria Pia, no Porto. A 31 de

janeiro de 1980 essa consulta dá lugar ao Instituto de Investigação em Genética Médica. À sua vertente formativa

de recursos humanos especializados, à investigação e à organização das Conferências de Genética juntou-se

a criação do Prémio Fonseca e Castro em 1984.

Páginas Relacionadas
Página 0037:
3 DE FEVEREIRO DE 2018 37 O quadro eletrónico regista 214 presenças, às quai
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 44 38 Importa não esquecer que a história acontece,
Pág.Página 38