O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

1 DE JUNHO DE 2018

31

Assim, a Assembleia da República exprime o seu público pesar pelo falecimento de Durval Ferreira Marques

e apresenta à sua família as suas mais sinceras condolências».

O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, vamos votar este voto.

Submetido à votação, foi aprovado, com votos a favor do PSD, do PS, do BE, do CDS-PP, de Os Verdes e

do PAN e a abstenção do PCP.

Passamos, agora, ao voto n.º 555/XIII (3.ª) — De pesar pelo falecimento de António Loja Neves (BE), que

vai ser lido pelo Sr. Secretário Moisés Ferreira.

O Sr. Secretário (Moisés Ferreira): — Sr. Presidente e Srs. Deputados, o voto é do seguinte teor:

«António Loja Neves faleceu no passado dia 27 de maio, aos 65 anos. Foi jornalista, escritor, realizador,

ativista cultural, opositor à ditadura, ao colonialismo e à discriminação.

António Loja Neves passou parte da juventude em Cabo Verde e sempre seguiu de perto a literatura e a

música daquele país. Regressado a Portugal, estudou medicina e envolveu-se na luta contra a ditadura e a

guerra colonial, bem como nas atividades de agitação cultural.

Trocou a medicina pelo cinema e, em 1978, foi fundador da Federação de Cineclubes. Foi co-organizador do

Panorama - Mostra do Documentário Português e dos Encontros de Cinema Documental da Malaposta. Foi

diretor de programação do Kanema, Festival dos Cinemas Africanos e comissário em encontros de cinema

lusófono, do Brasil a Moçambique e a Cabo Verde, da Irlanda à Finlândia.

Licenciado em Realização pela Escola Superior de Teatro e Cinema, foi dirigente da Associação Portuguesa

de Realizadores e diretor da revista Cinearma. Realizou os documentários Ínsula e O Silêncio, escreveu poesia

e, em 2001, ganhou o Prémio Revelação da Associação Portuguesa de Escritores pelo livro Barcos, Íntimas

Marcas. Recentemente, lançou o livro Arménia: Povo e Identidade, com a sua companheira, Margarida Neves

Pereira.

Jornalista do Expresso há mais de 30 anos, Loja Neves foi fundador da associação SOS Racismo.

Recentemente, colaborou na preparação de um programa de debates escolares sobre o racismo e a xenofobia.

Foi militante do PCTP/MRPP, fundador do Bloco de Esquerda e fundador do LIVRE.

Com o seu falecimento, Portugal perde uma referência do jornalismo e das artes, mas também da

solidariedade como prática cívica e política.

A Assembleia da República, reunida em sessão plenária, assinala o falecimento de António Loja Neves,

transmitindo à sua família e amigos a sua profunda tristeza e o mais sentido pesar.»

O Sr. Presidente: — Vamos votar este voto.

Submetido à votação, foi aprovado por unanimidade.

Srs. Deputados, vamos guardar 1 minuto de silêncio.

A Câmara guardou, de pé, 1 minuto de silêncio.

Vamos prosseguir com o voto n.º 552/XIII (3.ª) — De congratulação pela nomeação de D. António Marto para

Cardeal, apresentado pelo PSD e subscrito por Deputados do PS, que vai ser lido pelo Sr. Secretário Duarte

Pacheco.

O Sr. Secretário (Duarte Pacheco): — Sr. Presidente e Srs. Deputados, o voto é do seguinte teor:

«D. António Augusto dos Santos Marto, Bispo de Leiria-Fátima, no domingo passado, dia 20 de maio, foi

nomeado Cardeal por Sua Santidade, o Papa Francisco, uma escolha que reconhece uma vida de serviço à

comunidade e à igreja católica, que culminará no próximo dia 29 de junho no consistório e que contará com a

presença dos 14 cardeais agora nomeados.

Páginas Relacionadas
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 91 36 Submetido à votação, foi aprovado, com votos a
Pág.Página 36