O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

23 DE JUNHO DE 2018

11

Por isso, respondemos positivamente ao apelo do Sr. Presidente da República quando, na sua já referida

intervenção na abertura da Convenção Nacional da Saúde, fez um apelo a um amplo debate no qual se procurem

as pontes possíveis, os diálogos necessários e as convergências imprescindíveis.

O PSD defenderá sempre, no Serviço Nacional de Saúde, como em todos os serviços de interesse público,

o melhor serviço possível pelo menor custo possível.

Esse é o nosso compromisso com os Portugueses.

Os Portugueses podem sempre confiar no PSD porque, para o PSD, primeiro está sempre Portugal!

Aplausos do PSD.

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado Matos Rosa, inscreveram-se dois Deputados para lhe pedirem

esclarecimentos.

Em primeiro lugar, tem a palavra a Sr.ª Deputada Isabel Pires, do Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda.

A Sr.ª Isabel Pires (BE): — Sr. Presidente, Sr. Deputado José de Matos Rosa, coloco-lhe duas questões

essenciais sobre a intervenção que o PSD aqui fez através da sua pessoa.

Relativamente a uma questão essencial, o PSD vem fazer este debate tentando não o fazer, confundindo o

que está verdadeiramente em causa e, já agora, com argumentos falsos.

O Sr. Deputado e o PSD têm citado, aqui, o projeto de 2001 do Bloco de Esquerda, mas escolheu — e repito

a palavra «escolheu» — não citar tudo o que está nesse projeto.

Protestos dos Deputados do PSD Adão Silva e Luís Vales.

Mas eu vou ajudá-lo, Sr. Deputado. Está escrito — e vou citar — «mas só quando o SNS não as pode

executar». É o chamado «caráter supletivo» do recurso a privados.

Protestos do PSD.

Portanto, fica aqui provado que não há nenhuma alteração de posição do Bloco de Esquerda relativamente

à matéria do SNS. O que há é uma tentativa do PSD de fugir ao debate sobre se quer os privados ou se quer

um serviço público de saúde e, portanto, ficamos esclarecidos relativamente a isto.

Sr. Deputado, o PSD chega a este debate com uma escolha clara que toda a gente conhece. O PSD votou

contra a criação do Serviço Nacional de Saúde e os argumentos que usou na altura são exatamente os mesmos

que está a utilizar agora para não fazer este debate, e isso não é aceitável para o País.

O Sr. Moisés Ferreira (BE): — Exatamente!

A Sr.ª Isabel Pires (BE): — Veio dizer que defende as pessoas, que defende as populações, que defende

Portugal, mas não defende a saúde de ninguém neste País, a não ser a saúde dos grandes grupos económicos,

que continuam a ganhar milhões à custa da Lei de Bases do PSD, de 1990.

Aplausos do BE.

Protestos do PSD.

O que o Sr. Deputado veio aqui fazer foi defender o privado, foi tomar posição pelos 500 milhões de euros

anuais que vão para as PPP (parcerias público-privado), pelos mais de 1200 milhões de euros que vão para

convencionados e outros subcontratados, não foi defender os cuidados de saúde universais e de qualidade e,

portanto, o que fica claro é que o PSD não consegue perceber o que está hoje em discussão.

O que está em discussão, hoje, é uma escolha muito simples, Sr. Deputado: ou estancamos a sangria de

milhares de milhões de euros por ano que vão para os privados ou separamos de uma vez por todas as águas

Páginas Relacionadas
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 98 16 Sr.as e Srs. Deputados, no PS, queremos contin
Pág.Página 16