O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 8

6

público-privadas), com a entrega da gestão dos hospitais públicos aos grupos privados, com a generalização da

contratualização da gestão privada e social na saúde? É isso?

O aumento da qualidade do PSD é aquilo que fez na educação em 2011, por exemplo? É aquilo que se

concretizou no maior despedimento de professores de sempre no nosso País?

O Sr. João Dias (PCP): — Bem lembrado!

A Sr.ª Ana Mesquita (PCP): — São os milhares e milhares de trabalhadores da escola pública, não só

professores e educadores, mas também auxiliares, técnicos, administrativos que foram verdadeiramente

despachados para o desemprego?

O Sr. João Dias (PCP): — Exatamente!

A Sr.ª Ana Mesquita (PCP): — É a implosão da escola pública, como defendia o Ministro da altura?

Sr. Deputado, onde o PSD propõe subfinanciamento e privatização a política alternativa que o PCP defende

propõe investimento e valorização.

Vozes do PCP: — Muito bem!

A Sr.ª Ana Mesquita (PCP): — Onde o PSD propõe aumento de custos para os utentes, o PCP defende a

universalização do acesso aos serviços públicos e a diminuição de taxas e tarifas.

Onde o PSD propõe externalização de serviços, PPP e privatizações, o PCP defende a rutura com esta

política de direita, que não serve os trabalhadores, o povo e o País.

E, Sr. Deputado, vem falar da motivação dos trabalhadores dos serviços públicos? Andaram a fomentar a

precariedade, atacaram as carreiras, atacaram os direitos, atacaram os horários de trabalho, atacaram tudo e

mais alguma coisa e têm o desplante de vir aqui falar no descontentamento dos trabalhadores?

O Sr. João Dias (PCP): — É verdade!

A Sr.ª Ana Mesquita (PCP): — E agora o que é que vai fazer o PSD? Vai alterar o seu posicionamento? A

sua prática política? A sua orientação ideológica? Vai abdicar da política de direita? Claro que não vai! Vai, como

sempre, «chorar lágrimas de crocodilo» e assentar as suas propostas e ação na destruição de serviços públicos

que sempre, sempre, protagonizou.

Os serviços públicos não precisam e dispensam bem, Sr. Deputado, o caminho para onde o PSD os quer

empurrar. Precisam, isso sim, de uma política patriótica e de esquerda, conforme o PCP propõe, que valorize

os serviços públicos, que respeite os direitos dos trabalhadores, que traga mais investimento.

É esse o combate que o PCP continuará hoje e sempre a travar. Sabemos que não contamos com o PSD

para fazer esse caminho.

Aplausos do PCP e de Os Verdes.

O Sr. Presidente: — Para pedir esclarecimentos, tem a palavra a Sr.ª Deputada Cecília Meireles, do CDS-

PP.

A Sr.ª CecíliaMeireles (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, Sr. Deputado Pedro do Ó

Ramos, quando este Governo, apoiado pelo Bloco, pelo PCP e por Os Verdes, iniciou funções, aquilo que nos

anunciou foi que se tratava do fim da austeridade, que a austeridade tinha acabado.

O Sr. NunoMagalhães (CDS-PP): — É verdade!

A Sr.ª CecíliaMeireles (CDS-PP): — Esqueceu-se foi de dizer que, ao mesmo tempo que anunciava o fim

da austeridade, também anunciava o fim da verdade como técnica da política.

Páginas Relacionadas
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 8 34 Submetido à votação, foi rejeitado, com
Pág.Página 34
Página 0035:
6 DE OUTUBRO DE 2018 35 Submetido à votação, foi aprovado, com votos a favor do PSD
Pág.Página 35