O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Página 1

Sábado, 6 de outubro de 2018 I Série — Número 8

XIII LEGISLATURA 4.ª SESSÃO LEGISLATIVA (2018-2019)

REUNIÃOPLENÁRIADE4DEOUTUBRODE 2018

Presidente: Ex.mo Sr. Eduardo Luís Barreto Ferro Rodrigues

Secretários: Ex.mos Srs. Emília de Fátima Moreira Santos Sandra Maria Pereira Pontedeira António Carlos Bivar Branco de Penha Monteiro Diogo Feijóo Leão Campos Rodrigues

S U M Á R I O

O Presidente declarou aberta a sessão às 10 horas e 5

minutos. Ao abrigo da alínea b) do n.º 3 do artigo 64.º do

Regimento, procedeu-se a um debate sobre a qualidade da resposta dos serviços públicos, agendado pelo PSD.

Na abertura do debate, interveio o Deputado Pedro do Ó Ramos (PSD), tendo-se seguido no uso da palavra, a diverso título, além daquele orador, os Deputados Ana Mesquita (PCP), Cecília Meireles (CDS-PP), Moisés Ferreira (BE), João Paulo Correia (PS), José Luís Ferreira (Os Verdes), Luís Moreira Testa (PS), Ana Rita Bessa (CDS-PP), Pedro Pimpão (PSD), Susana Amador (PS), João Dias (PCP), António Sales (PS), Isabel Galriça Neto (CDS-PP), Heitor de Sousa (BE), Santinho Pacheco (PS) e Cristóvão Simão Ribeiro (PSD).

Foram lidos e aprovados os seguintes votos: N.º 629/XIII/4.ª (apresentado pelo PAR e subscrito por

Deputados do PS) — De pesar pelo falecimento de Helena Almeida;

N.º 630/XIII/4.ª (apresentado pelo PS e pelo PCP) — De pesar pelo falecimento de Fernando Fernandes;

N.º 631/XIII/4.ª (apresentado pelo PCP e subscrito por Deputados do PS) — De pesar pelo falecimento de Alves Barbosa;

N.º 632/XIII/4.ª (apresentado pelo PCP e subscrito por um Deputado do PSD) — De pesar pelo falecimento de Manuel Beja;

N.º 633/XIII/4.ª (apresentado pelo PAR e subscrito por Deputados do PS e do PSD) — De pesar pelas vítimas do sismo e do tsunami que atingiram a Indonésia.

A seguir à aprovação daqueles votos, foi observado 1 minuto de silêncio.

Foram rejeitados, na generalidade, o Projeto de Lei n.º 980/XIII/3.ª (PAN) — Prevê a melhoria do sistema de identificação do fim funcional de equídeos com vista à sua proteção e o Projeto de Resolução n.º 1785/XIII/3.ª (PAN) — Recomenda ao Governo a elaboração de levantamento sobre a utilização de equídeos em veículos de tração animal e consequente regulamentação.

Foram rejeitados, na generalidade, os Projetos de Lei n.os 538/XIII/2.ª (Os Verdes) — Proíbe a caça à raposa e ao saca-

Página 2

I SÉRIE — NÚMERO 8

2

rabos e exclui estas espécies da lista de espécies cinegéticas, procedendo à oitava alteração ao Decreto-Lei n.º 202/2004, de 18 de agosto, 982/XIII/3.ª (PAN) — Impede a caça à raposa com recurso à paulada e a matilhas, 983/XIII/3.ª (PAN) — Retira a raposa e os saca-rabos da lista de espécies sujeitas a exploração cinegética e 996/XIII/4.ª (BE) — Interdita a caça à raposa e ao saca-rabos e retira essas espécies da lista de espécies cinegéticas.

Foi rejeitado o Projeto de Resolução n.º 1751/XIII/3.ª (PAN) — Recomenda ao Governo que promova a melhoria das condições de saúde mental, em ambiente laboral, nas forças e serviços de segurança, criando um programa de promoção da resiliência psicológica dos operacionais.

Foram aprovados, na generalidade, os Projetos de Resolução n.os 1759/XIII/3.ª (PCP) — Propõe medidas de reforço dos cuidados paliativos e 1803/XIII/3.ª (CDS-PP) — Recomenda ao Governo o reforço da formação em cuidados paliativos em Portugal.

Foi aprovado o Projeto de Resolução n.º 1760/XIII/3.ª (PCP) — Recomenda ao Governo o reforço na resposta do

Serviço Nacional de Saúde ao nível dos cuidados continuados.

Foi aprovado, em votação final global, o texto final, apresentado pela Comissão de Trabalho e Segurança Social, relativo aos Projetos de Resolução n.os 1791/XIII/3.ª (BE) — Recomenda ao Governo que garanta que as habilitações literárias não são fator de exclusão da regularização de vínculos e salvaguarde a situação dos trabalhadores no âmbito do PREVPAP e 1799/XIII/3.ª (PCP) — Assegura aos trabalhadores sem o 12.º ano de escolaridade a não exclusão de concurso no âmbito do PREVPAP, considerando os requisitos de admissão à data de início de funções, e quando necessário conceda um prazo para a aquisição das exigidas habilitações.

Foi aprovado um parecer da Subcomissão de Ética, da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, autorizando um Deputado do PSD a intervir no âmbito de um processo em tribunal.

O Presidente encerrou a sessão eram 12 horas e 11 minutos.

Página 3

6 DE OUTUBRO DE 2018

3

O Sr. Presidente: — Bom dia, Sr.as e Srs. Deputados, Sr.as e Srs. Funcionários, Sr.as e Srs. Jornalistas.

Está aberta a sessão.

Eram 10 horas e 5 minutos.

Peço aos Srs. Agentes da autoridade para abrirem as portas das galerias ao público.

Da nossa ordem do dia consta um debate, ao abrigo da alínea b) do n.º 3 do artigo 64.º do Regimento, sobre

a qualidade da resposta dos serviços públicos, agendado pelo PSD.

Para abrir o debate, tem a palavra o Sr. Deputado Pedro do Ó Ramos.

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — Ex.mo Sr. Presidente, Srs. Deputados: A semana que decorre ilustra

bem o que vimos aqui hoje denunciar — a diminuição clara da qualidade dos serviços públicos.

No dia 1 de outubro, segunda-feira, iniciou-se uma greve dos trabalhadores das bilheteiras e revisores da CP

(Comboios de Portugal). Consequência: encerramento de 85% dos locais de venda de bilhetes e afetação da

circulação ferroviária, com alterações no percurso dos utentes.

Greve na CP deixou circular pouco mais do que serviços mínimos. Apenas 28% dos comboios circularam —

leu-se por toda a imprensa.

Igualmente no dia 1 de outubro, teve início uma nova greve dos professores. Consequência: milhares de

alunos sem aulas.

Estas greves e protestos vêm na sequência de muitas outras ocorridas este ano: dos enfermeiros, em junho,

em agosto e em setembro e com agendamentos para outubro; dos médicos, em maio; dos técnicos de

diagnóstico e terapêutica, em maio, em junho e em julho. Consequência: consultas, operações e exames não

realizados nas datas previstas.

Estas paralisações dos serviços públicos somam-se às ocorridas em 2017, que afetaram vários serviços,

designadamente o atendimento nos balcões da segurança social, nas repartições de finanças, nas lojas do

cidadão, para além da saúde, educação e transportes.

Este é o estado dos serviços públicos em Portugal, é o retrato da sua degradação, sendo enorme a

indignação e a desmotivação dos funcionários, que veem de dia para dia o colapso dos serviços.

Essa degradação é visível e sentida pelos cidadãos nas mais diversas áreas.

Senão, vejamos: na área da saúde, entre meados de 2015 e final de 2017, o número de utentes em lista de

espera para cirurgia aumentou mais de 30 000 e o tempo médio de espera para a realização de uma primeira

consulta de especialidade hospitalar passou de 115 dias para 121 dias. A par desta degradação para o utente,

o SNS (Serviço Nacional de Saúde) viu a sua dívida aumentar 40% entre dezembro de 2015 e março de 2018.

Também os pagamentos em atraso dos hospitais EPE (Entidade Pública Empresarial) registaram uma

enorme subida nos últimos dois anos e meio, tendo passado de 458 milhões de euros, em dezembro de 2015,

para 705 milhões de euros, em março de 2018 — um aumento de 56%, repito, um aumento de 56%!

A recente missão de mais de 50 diretores e chefes de serviço do hospital de Gaia em protesto contra a falta

de condições, que se arrasta há meses, é mais um exemplo do caos que o setor da saúde vive nestes dias.

Na área dos transportes, Reclamações nos transportes públicos aumentaram 38,9% em 2017 — este foi o

título de diversas notícias aquando da divulgação de um relatório da Autoridade da Mobilidade e dos

Transportes, em junho de 2018.

Em média, são 167 reclamações por dia. A CP lidera a lista de queixas com cerca de 66 por dia, mas também

o Metropolitano de Lisboa, a Carris (Companhia de Carris de Ferro de Lisboa), a STCP (Sociedade de

Transportes Coletivos do Porto) são alvo de queixas acrescidas pelos utentes.

Entre as principais razões de insatisfação, estão a supressão de carreiras, o incumprimento do horário de

paragens, os preços dos bilhetes, as dificuldades de aquisição e de validação dos títulos de transporte por mau

funcionamento das máquinas de venda e o deficiente atendimento ao cliente.

Aparentemente, o cenário de queixas agravou-se: no primeiro semestre de 2018, no Portal da Queixa, as

reclamações contra a CP aumentaram 89% e é o próprio regulador que tem dúvidas sobre se as obrigações do

serviço público estão a ser cumpridas.

Página 4

I SÉRIE — NÚMERO 8

4

A indignação estende-se ainda às empresas que fazem as ligações fluviais do Tejo, Transtejo e Soflusa,

onde também têm existido supressões de carreiras sem aviso prévio, embarcações sobrelotadas, atrasos

constantes.

O programa Ferrovia 2020, apresentado há dois anos, tem apenas cerca de 15% das obras em marcha. Por

outro lado, só agora se iniciam os procedimentos para a aquisição de novos comboios, sabendo que a satisfação

de uma encomenda de novos comboios demora entre quatro e cinco anos.

Na educação, em 2018, estima-se que 80% das escolas tenham carência de funcionários. A falta de vagas,

sobretudo em jardins de infância e escolas do 1.º ciclo da rede pública, levou, em 2018, a um aumento

exponencial de reclamações, não estando garantida a universalidade do acesso para crianças de 4 e 5 anos.

Quantos de nós aqui presenciámos a ansiedade de alunos e famílias, no final do ano letivo, devido à greve dos

professores ao lançamento das notas finais?

Na segurança interna, a PSP queixa-se de falta de meios nos grandes centros urbanos. Há relatos de

esquadras sem viaturas para garantir o policiamento de proximidade, sem equipamentos adequados e com

sistemas informáticos obsoletos. Em março deste ano, foi notícia que a PSP de Lisboa dispõe somente de 28

carros-patrulha, estando 53 inoperacionais. Estas falhas comprometem naturalmente muitos programas de

proximidade, como, por exemplo, a Escola Segura.

Na justiça, a denúncia parte dos juízes que dirigem os tribunais de primeira instância: há falta de materiais

básicos como papel ou tinta, de recursos humanos e graves deficiências nas instalações, prejudicando o seu

normal funcionamento.

Nas prisões, há falta de guardas prisionais. Os últimos colocados resultam de um concurso aberto pelo

anterior Governo PSD/CDS — 400 vagas —, não estando previsto qualquer outro concurso.

As queixas vêm, inclusive, do Tribunal Constitucional que, no mês passado, dirigindo-se ao Primeiro-Ministro,

disse ser absolutamente necessário mais dinheiro para cumprir a sua missão.

Na execução dos fundos comunitários, as então decisões rápidas e céleres por parte da Autoridade de

Gestão do PDR 2020 deram lugar a uma interrupção por mais de um ano na abertura de medidas emblemáticas

e direcionadas para o crescimento do setor agrícola, como são as ações dos jovens agricultores e o investimento

nas explorações agrícolas. As alterações pós-2015 não tornaram o acesso aos fundos nem mais transparente,

nem mais compreensível, como era prometido pelo PS. O que se tem verificado é um aumento do tempo de

análise das candidaturas, impróprio para os timings dos empresários e promotores.

Na economia do mar, área promissora com um novo ministério criado com o intuito de promover esta área,

escasseiam as medidas que concretizem o enorme potencial do mar enquanto crescimento sustentável. Desde

2015 que o País aguarda pelos planos de situação no âmbito do ordenamento e gestão do espaço marítimo

nacional. Em três anos, ainda não foi publicada, nem aprovada na especialidade, a legislação sobre a náutica

de recreio.

Sr. Presidente, Srs. Deputados: Os exemplos são extensíveis a todas as áreas da governação.

A degradação dos serviços públicos é visível e sentida diariamente pelos cidadãos.

É o próprio Estado que perde dignidade e deixa, aos olhos dos cidadãos, de ser confiável, de ser justo e de

ser prestável.

E a que se deve esta notória degradação dos serviços públicos? A que se deve este caos que temos vindo,

sistematicamente, a denunciar e que se tem vindo a acentuar?

Pois bem, deve-se à obsessão do Primeiro-Ministro e Ministro das Finanças em travar e adiar soluções, mas

também à clara diminuição do investimento público.

Aplausos do PSD.

Entre 2015 e 2017, o decréscimo total do investimento público foi de 11%, assumindo valores que diria

escandalosos, na ordem dos 30%, em áreas como a saúde, a segurança interna ou os transportes.

Aquilo que o atual Primeiro-Ministro afirmava em 2014, enquanto Secretário-Geral do Partido Socialista, que

era necessário mais investimento público, mais aposta no setor público, foi, infelizmente, esquecido e tomou

proporções dramáticas.

Aliás, à primeira denúncia do Conselho das Finanças Públicas, já de 2016, o Primeiro-Ministro respondeu de

forma atabalhoada, ineficiente diria mesmo, referindo que «não é verdadeira a tese de que o corte no

Página 5

6 DE OUTUBRO DE 2018

5

investimento público foi a forma de cumprir o défice» e justificou a quebra no investimento, em 2016, com «um

problema grave de transição de quadros comunitários».

Se assim é, como se justifica, então, que, em 2017, o investimento público tenha sido mais baixo do que o

executado pelo anterior Governo nos anos da troica em que existiam fortes restrições orçamentais?

Onde está a aposta no investimento público que António Costa defendia e escrevia na sua moção às

primárias do PS, em 2014?

Srs. Deputados, em três anos de funções o Governo socialista, apoiado pelo Bloco de Esquerda e pelo PCP,

pode gabar-se de uma coisa: campeão do desinvestimento público e consequente degradação dos serviços

públicos, que desespera e revolta milhões de portugueses.

Em três anos de governação socialista, apoiada por bloquistas e comunistas, o retrato dos serviços públicos

é o retrato do caos.

O Sr. Adão Silva (PSD): — Muito bem!

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — O caos nos transportes públicos, o caos no acesso à saúde, na educação

e nas próprias funções de soberania.

Sr. Presidente, Srs. Deputados: A degradação dos serviços públicos é uma das fragilidades da coligação de

esquerda que governa o País, que não hesitou em sacrificar o bem-estar comum ao mais elementar instinto de

sobrevivência política de cada uma das partes que compõem a geringonça.

Portugal merece mais! Portugal merece muito melhor!

Aplausos do PSD.

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado Pedro do Ó Ramos, inscreveram-se seis Srs. Deputados para pedir

esclarecimentos. Como pretende responder?

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — No final dos pedidos de esclarecimento do terceiro Sr. Deputado e

depois no final dos pedidos de esclarecimento dos outros três Srs. Deputados.

O Sr. Presidente: — Assim sendo, para pedir esclarecimentos, tem a palavra a Sr.ª Deputada Ana Mesquita,

do Grupo Parlamentar do PCP.

A Sr.ª Ana Mesquita (PCP): — Sr. Presidente, Sr. Deputado Pedro do Ó Ramos, o ar compungido e cândido

com que o PSD abriu hoje o debate sobre serviços públicos é quase comovente. Mas não cola, Sr.as e Srs.

Deputados, com as suas reais intenções, nem tão-pouco, com a prática que demonstraram quando assumiram

funções governativas. Têm o desplante de vir para aqui falar de qualidade dos serviços públicos quando foram,

precisamente, um dos principais protagonistas do ataque a esses mesmos serviços públicos?

O Sr. João Dias (PCP): — Muito bem!

A Sr.ª Ana Mesquita (PCP): — O verdadeiro objetivo do PSD e, a bem da verdade, da política de direita é

passar de um País em que se fala de utentes, de trabalhadores e de direitos para um País em que só interessam

os clientes, a exploração e o lucro de alguns. E, por isso, sempre que tiveram a mão na massa, o que mais

fizeram foi privatizações, encerramentos, cortes no financiamento, ataques aos direitos dos trabalhadores. Foi

assim na educação, na saúde, na segurança social, nos transportes, foi assim com a privatização dos CTT, foi

assim com a extinção de freguesias, foi assim com o fecho de tribunais, foi assim com o fecho de escolas, e

podíamos continuar muito mais.

O aumento de qualidade de que o PSD aqui vem falar é o quê, Sr. Deputado? É aquilo que fez no anterior

Governo, com o tremendo desinvestimento nos transportes públicos, a não manutenção do material circulante,

os brutais custos para os utentes, a redução dos horários e das carreiras? Ou são as linhas, agora enunciadas

pelo PSD, para a saúde, uma verdadeira declaração de guerra à natureza pública do Serviço Nacional de Saúde,

transformando-o na chafarica dos grandes grupos privados, com o aumento do número das PPP (parcerias

Página 6

I SÉRIE — NÚMERO 8

6

público-privadas), com a entrega da gestão dos hospitais públicos aos grupos privados, com a generalização da

contratualização da gestão privada e social na saúde? É isso?

O aumento da qualidade do PSD é aquilo que fez na educação em 2011, por exemplo? É aquilo que se

concretizou no maior despedimento de professores de sempre no nosso País?

O Sr. João Dias (PCP): — Bem lembrado!

A Sr.ª Ana Mesquita (PCP): — São os milhares e milhares de trabalhadores da escola pública, não só

professores e educadores, mas também auxiliares, técnicos, administrativos que foram verdadeiramente

despachados para o desemprego?

O Sr. João Dias (PCP): — Exatamente!

A Sr.ª Ana Mesquita (PCP): — É a implosão da escola pública, como defendia o Ministro da altura?

Sr. Deputado, onde o PSD propõe subfinanciamento e privatização a política alternativa que o PCP defende

propõe investimento e valorização.

Vozes do PCP: — Muito bem!

A Sr.ª Ana Mesquita (PCP): — Onde o PSD propõe aumento de custos para os utentes, o PCP defende a

universalização do acesso aos serviços públicos e a diminuição de taxas e tarifas.

Onde o PSD propõe externalização de serviços, PPP e privatizações, o PCP defende a rutura com esta

política de direita, que não serve os trabalhadores, o povo e o País.

E, Sr. Deputado, vem falar da motivação dos trabalhadores dos serviços públicos? Andaram a fomentar a

precariedade, atacaram as carreiras, atacaram os direitos, atacaram os horários de trabalho, atacaram tudo e

mais alguma coisa e têm o desplante de vir aqui falar no descontentamento dos trabalhadores?

O Sr. João Dias (PCP): — É verdade!

A Sr.ª Ana Mesquita (PCP): — E agora o que é que vai fazer o PSD? Vai alterar o seu posicionamento? A

sua prática política? A sua orientação ideológica? Vai abdicar da política de direita? Claro que não vai! Vai, como

sempre, «chorar lágrimas de crocodilo» e assentar as suas propostas e ação na destruição de serviços públicos

que sempre, sempre, protagonizou.

Os serviços públicos não precisam e dispensam bem, Sr. Deputado, o caminho para onde o PSD os quer

empurrar. Precisam, isso sim, de uma política patriótica e de esquerda, conforme o PCP propõe, que valorize

os serviços públicos, que respeite os direitos dos trabalhadores, que traga mais investimento.

É esse o combate que o PCP continuará hoje e sempre a travar. Sabemos que não contamos com o PSD

para fazer esse caminho.

Aplausos do PCP e de Os Verdes.

O Sr. Presidente: — Para pedir esclarecimentos, tem a palavra a Sr.ª Deputada Cecília Meireles, do CDS-

PP.

A Sr.ª CecíliaMeireles (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, Sr. Deputado Pedro do Ó

Ramos, quando este Governo, apoiado pelo Bloco, pelo PCP e por Os Verdes, iniciou funções, aquilo que nos

anunciou foi que se tratava do fim da austeridade, que a austeridade tinha acabado.

O Sr. NunoMagalhães (CDS-PP): — É verdade!

A Sr.ª CecíliaMeireles (CDS-PP): — Esqueceu-se foi de dizer que, ao mesmo tempo que anunciava o fim

da austeridade, também anunciava o fim da verdade como técnica da política.

Página 7

6 DE OUTUBRO DE 2018

7

Aplausos do CDS-PP.

De facto, inaugurou uma forma nova de fazer política, a chamada «política da narrativa», aliás, com a ajuda

preciosa do Bloco de Esquerda, que já trazia grandes especialistas nesta matéria, e do PCP. A política é esta:

pouco importa o que esteja a acontecer, desde que se crie a ideia de que tudo está bem.

A Sr.ª Isabel Galriça Neto (CDS-PP): — Muito bem!

A Sr.ª CecíliaMeireles (CDS-PP): — Sabe qual foi o problema? À medida que os meses e os anos foram

passando, começou a perceber-se que estava a haver uma degradação grave, gravíssima, dos serviços

públicos. Ela via-se nas escolas, ela via-se nos hospitais, ela via-se, por exemplo, na ferrovia — aliás, tivemos

oportunidade de ver comboios cancelados, horários sempre a mudar, comboios sem condições, etc.

E isto acontece porquê? É importante que os Srs. Deputados percebam o porquê, porque todos aqueles que

apoiam o Governo são responsáveis. Não vale a pena virem para aqui dizer, sobretudo o PCP e o Bloco, que

não são responsáveis por nada. Os senhores só são responsáveis pelo que é simpático e pelo que é bom.

Protestos do Deputado do BE Moisés Ferreira.

Por exemplo, em relação à reposição das 35 horas, o mérito é todo vosso, mas se, depois, não há ninguém

para atender um doente, esse já não é um problema vosso;…

A Sr.ª Assunção Cristas (CDS-PP): — Ora bem!

A Sr.ª CecíliaMeireles (CDS-PP): — … é um problema que outra pessoa qualquer tem de resolver. Os

senhores, aí, não são responsáveis por nada.

O Sr. NunoMagalhães (CDS-PP): — Exatamente!

Protestos do BE e do PCP.

A Sr.ª CecíliaMeireles (CDS-PP): — Mais: não deixa de ser extraordinário que os Srs. Deputados, que

nestes debates acabam sempre a falar do passado e nunca do presente, estejam tão indignados com um

passado de pré-bancarrota, que provocaram, e, em relação ao presente, estejam sempre esquecidos.

A Sr.ª AnaMesquita (PCP): — Anda tão distraída!

A Sr.ª CecíliaMeireles (CDS-PP): — Não têm rigorosamente nada a dizer ao utente de hoje dos serviços

públicos, só têm a dizer ao utente de há quatro anos.

Não deixa de ser extraordinário que, pela primeira vez em que têm responsabilidades governativas,…

A Sr.ª AnaMesquita (PCP): — Onde?!

A Sr.ª CecíliaMeireles (CDS-PP): — … o PCP e o Bloco não tenham nada, mas nada, a dizer ao utente de

hoje dos serviços públicos.

A Sr.ª Deputada perguntou onde é que o PCP teve responsabilidades governativas? Na viabilização desta

degradação dos serviços públicos, que acontece cada vez que votam e mantêm cada ministro.

Aplausos do CDS-PP.

Não há um ministro, não há um secretário de Estado, não há um primeiro-ministro que o seja sem o voto do

PCP!

Página 8

I SÉRIE — NÚMERO 8

8

Protestos do PCP.

Podem berrar, podem gritar, podem fingir indignação. A verdade é esta: sem o PCP e sem o Bloco, esta

degradação não aconteceria.

O Sr. NunoMagalhães (CDS-PP): — Exatamente!

A Sr.ª CecíliaMeireles (CDS-PP): — E eu explico porque é que ela acontece com o vosso voto.

Primeiro, devido ao corte brutal no investimento público. O investimento público, com este Governo, caiu

bastante abaixo do que nos tempos da troica.

O Sr. Heitor de Sousa (BE): — Tanta piada!

A Sr.ª CecíliaMeireles (CDS-PP): — Com o voto de quem? Do PS, do PCP, do Bloco de Esquerda e de Os

Verdes.

A Sr.ª AssunçãoCristas (CDS-PP): — Muito bem!

A Sr.ª CecíliaMeireles (CDS-PP): — Segundo, devido às cativações ou aos famosos «vetos de gaveta» ou

«vetos de assinatura». Parece que agora, na Administração Pública, não se pode fazer nada sem a assinatura

do Sr. Ministro das Finanças, o que explica que muitos investimentos deixem de ser feitos. Isto acontece porquê

e com base no Orçamento de quem? Do PS, do PCP, do Bloco de Esquerda e de Os Verdes.

Por último, devido às alterações nos horários, as quais são feitas sem que ninguém tenha o cuidado de saber

se os serviços continuam a funcionar e se os doentes continuam a ser tratados.

Sr. Deputado Pedro do Ó Ramos, perante isto, gostava que me respondesse se há uma política alternativa

e se era possível ter feito bem diferente.

Aplausos do CDS-PP.

A Sr.ª PaulaSantos (PCP): — Tem uma memória muito seletiva!

O Sr. Presidente: — Para pedir esclarecimentos, tem a palavra o Sr. Deputado Moisés Ferreira, do Bloco de

Esquerda.

O Sr. MoisésFerreira (BE): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, Sr. Deputado Pedro do Ó Ramos,

cumprimento-o pelo tema que nos traz hoje.

A sua intervenção inicial, à semelhança de um programa de rádio que ainda existe por aí, foi uma espécie

de «mixórdia de temáticas». Mas, no meio desta espécie de «mixórdia de temáticas» que aqui trouxe, parece

que queria falar da degradação dos serviços públicos, expondo, na verdade, a degradação do Partido Social

Democrata, neste momento.

O Sr. AdãoSilva (PSD): — Os portugueses são a «mixórdia»?!

O Sr. MoisésFerreira (BE): — A degradação e a tática do Partido Social Democrata é «atirar o barro à

parede» para ver ser alguma coisa cola. Portanto, tanto falou um pouco da saúde, como da agricultura, como

dos transportes, enfim, na verdade, não dizendo nada sobre nada e tentando branquear completamente não só

as responsabilidades do passado do Partido Social Democrata, mas também as propostas do presente e as

propostas para futuro, que apenas podem agravar os serviços públicos.

Mas, quando o PSD, e agora com o CDS a reboque, como se percebeu neste último pedido de

esclarecimento, fala de serviços públicos, algo que no linguajar da direita em Portugal já foi referido como sendo

Página 9

6 DE OUTUBRO DE 2018

9

as «gorduras do Estado» — o Sr. Deputado lembrar-se-á de quando apelidavam os serviços públicos de

«gorduras do Estado» —, nós, no País, desconfiamos, e temos razões para isso.

Quando o PSD fala de serviços públicos, as primeiras perguntas que vêm à cabeça de todas as pessoas

neste País são: «Onde é que eles querem cortar agora?», «O que é que eles querem privatizar agora?», «Onde

é que eles vão cavar agora?». Estas são as primeiras perguntas que vêm à cabeça dos portugueses.

Na verdade, a relação do PSD com os serviços públicos só tem duas opções: ou destruí-los ou, então,

privatizá-los.

O Sr. Deputado falou brevemente de todos os assuntos, nessa espécie de «mixórdia de temáticas»,…

O Sr. FernandoNegrão (PSD): — Isso tem direitos de autor!

O Sr. MoisésFerreira (BE): — … falou de várias áreas, mas esqueceu-se de algumas questões.

Sr. Deputado, entre 2010 e 2015, o corte no orçamento do Serviço Nacional de Saúde foi de 1430 milhões

de euros e o corte nas transferências do Orçamento do Estado para o orçamento do Serviço Nacional de Saúde

foi de 969 milhões de euros. Sr. Deputado, o que é que esperava com este corte? O que é que esperava que

acontecesse aos serviços públicos e ao Serviço Nacional de Saúde com este corte que o Sr. Deputado apoiou

e que o seu partido executou? O que é que esperava que acontecesse com este corte?

Entre 2010 e 2015, no Serviço Nacional de Saúde, os senhores mandaram embora 4389 profissionais. Em

2010, eram 124 387 — pode apontar, se quiser, porque parece que a amnésia fê-lo esquecer — e, em 2015,

eram 119 998, ou seja, menos 4389. O que é que esperava o Sr. Deputado com este despedimento massivo de

trabalhadores no SNS? O que esperava que acontecesse? Diga-nos: do ponto de vista da degradação do serviço

público, o que esperava que acontecesse com as políticas do PSD?

Refiro-me, agora, à privatização. Conhecemos o plano de negócios do Grupo Mello e da Luz Saúde, a que

o PSD chamou «A reforma estrutural do SNS». Ao lermos este plano de negócios de grupos privados, no qual

o PSD pôs o seu logotipo, vemos muita crítica ao serviço público, mas nada sobre a gestão privada.

Sr. Deputado, está esquecido, por exemplo, de que atualmente a PPP de Braga é das que presta piores

serviços no Serviço Nacional de Saúde? Está esquecido de que a gestão da PPP de Braga, a gestão privada

do Grupo Mello, tem, neste momento, listas de espera de um ano para angiologia, de quase um ano para cirurgia

maxilofacial, de mais de um ano para dermatologia, de quase um ano para endocrinologia? Há uma lista extensa,

a qual posso entregar.

Mas, Sr. Deputado, há uma seleção dos dados que quero utilizar. Está esquecido de que se registou um

aumento brutal das listas de espera para cirurgias com a gestão privada da PPP de Braga? Não tem nada a

dizer sobre os privados a gerir os serviços públicos? Não tem nada a dizer sobre a degradação que os privados

impõem aos serviços públicos e executam dentro dos serviços públicos? Ou vai mesmo continuar a defender o

plano de negócios para o Grupo Mello e para a Luz Saúde?

Aplausos do BE.

O Sr. Presidente: — Para responder, tem a palavra o Sr. Deputado Pedro do Ó Ramos.

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — Sr. Presidente, agradeço as perguntas das Sr.as Deputadas Ana

Mesquita e Cecília Meireles e do Sr. Deputado Moisés Ferreira.

Os Srs. Deputados param sempre em 2015! Os Srs. Deputados só falam do passado, mas os portugueses

estão interessados em falar do presente e do futuro.

O Sr. Adão Silva (PSD): — Exatamente!

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — Srs. Deputados, digo-vos, com a maior das tranquilidades e não com o

ar indignado e agressivo com que a Sr.ª Deputada Ana Mesquita falou, que nós fazemos contas com o passado,

sim. Aliás, os portugueses fizeram contas com o passado e o nosso Governo foi julgado em 2015 por essas

políticas que os senhores falaram. Foi julgado e ganhou, veja bem! Foi o projeto político que ganhou em 2015!

Página 10

I SÉRIE — NÚMERO 8

10

Aplausos do PSD.

O Sr. Fernando Negrão (PSD): — É amnésia!

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — É notável que os senhores, pura e simplesmente, não falem do período

entre 2015 a 2018. Não falam! Com uma semana cheia de greves — e os senhores apregoam as greves por

tudo e por nada —, não têm uma palavra para os portugueses que têm dificuldades em aceder aos cuidados de

saúde, não têm uma palava para os portugueses que não conseguem apanhar uma carruagem da CP, não têm

uma palavra para os portugueses que veem os seus filhos sem aulas neste ano letivo. Sabem porquê? Porque

os senhores estão muito incomodados por estarem associados a um Governo que efetivamente corta no

investimento público. Isto dói-vos na alma!

Protestos do BE e do PCP.

Como é que é possível que partidos de esquerda ortodoxos estejam associados a um Governo que fez o

maior corte no investimento público? Veja-se bem! Como é que é possível?!

Vozes do PSD: — Muito bem!

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — Por isso é que os senhores só falam do período de 2011 a 2015,…

O Sr. Pedro Pimpão (PSD): — Não têm vergonha nenhuma!

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — … sabendo bem que tínhamos um programa de ajustamento, sabendo

bem que tínhamos de eliminar 800 km de ferrovia, sabendo bem que resgatámos Portugal desse programa de

ajustamento e mesmo assim estávamos a crescer, estávamos a diminuir o desemprego, e nunca fizemos o corte

no investimento público que os senhores fizeram.

Protestos do PCP.

Vou dar-vos um número: em 2016, houve um corte de mais de 1600 milhões de euros no investimento público

— mínimo histórico!; em 2017, cresceu um pouco mas muito abaixo do que aconteceu nos anos da troica. Como

é que é possível?!

O Sr. JoãoPauloCorreia (PS): — Cresceu 25%!

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — Srs. Deputados, os dados de 2018 apontam para que haja já um desvio

em relação ao que estava previsto pelo Governo. Aliás, o Governo reviu em baixa a execução do investimento

público, em outubro do ano passado. Segundo a UTAO (Unidade Técnica de Apoio Orçamental) e o Conselho

das Finanças Públicas, já temos um desvio de quase 30%. É isto que vos incomoda! Os Srs. Deputados não

conseguem ter explicação para isto, não conseguem ter explicação para 1600 dias de consultas em atraso no

hospital da Guarda e 1200 dias de espera no hospital de Faro. Isto não tem discussão!

Como é que é possível que, durante este verão, as unidades de saúde do Poceirão e da Marateca, no meu

distrito, o distrito de Setúbal — e não vi os Srs. Deputados incomodados com isso —, tenham fechado, não

existiam profissionais? Os senhores são responsáveis por isso! A culpa é vossa! Aprovam todos os anos

Orçamentos do Estado, e isso dói-vos na alma!

O Sr. Fernando Negrão (PSD): — Muito bem!

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — Não enganem os portugueses, porque esses sabem perfeitamente que

vocês são os responsáveis pelo maior corte no investimento público e pela degradação dos serviços públicos.

Página 11

6 DE OUTUBRO DE 2018

11

Aplausos do PSD.

O Sr. Presidente: — Para pedir esclarecimentos, tem a palavra o Sr. Deputado João Paulo Correia, do PS.

O Sr. JoãoPauloCorreia (PS): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, Sr. Deputado Pedro Ramos, do

PSD, fez um discurso de apagão das responsabilidades que o senhor e o seu partido tiveram no anterior

Governo.

Aplausos do PS.

Vozes do PSD: — Ah!…

O Sr. JoãoPauloCorreia (PS): — Tentou apagar as responsabilidades que o seu partido e o anterior

Governo tiveram na degradação dos serviços públicos.

Protestos do PSD.

Entre 2011 e 2015, foi o período em que os serviços públicos sofreram o maior ataque desde o 25 de Abril:

encerram tribunais, dezenas de tribunais; extinguiram juntas de freguesia; cortaram mais de 1000 milhões de

euros no Serviço Nacional de Saúde;…

Aplausos do PS.

… reduziram o número de médicos; reduziram o número de enfermeiros; reduziram o número de técnicos de

diagnóstico e terapêutica; e aumentaram as taxas moderadoras, desviando as pessoas do Serviço Nacional de

Saúde.

Protestos do PSD.

Mas falemos dos transportes. Os senhores, nas empresas de transporte, diminuíram o número de

trabalhadores, diminuíram a oferta — só na STCP diminuíram em 25% —, desinvestiram no material circulante,

desinvestiram nas infraestruturas e aumentaram o preço dos títulos de transporte. E tudo isto para emagrecer

as estruturas das empresas públicas, porque o vosso único objetivo era privatizá-las todas!

Aplausos do PS.

Tentaram privatizar a TAP, tentaram privatizar a EMEF (Empresa de Manutenção de Equipamento

Ferroviário), tentaram privatizar a STCP, tentaram privatizar a Metro do Porto, tentaram privatizar a Metropolitano

de Lisboa, tentaram privatizar a Carris.

Se hoje os senhores podem ir ao púlpito exigir melhores serviços públicos de transporte, é porque estas

empresas continuam nas mãos do Estado, são empresas públicas e não estão privatizadas. E algumas destas

regressaram aos lucros, como é o caso da EMEF, e muitas, ou todas, aumentaram a procura, o que significa

que estamos no caminho correto.

Mas falemos daquilo que tem sido feito pelo atual Governo: 17 novas lojas do cidadão; o Simplex tornou a

ser uma prioridade do Governo, com 13 medidas que estão no terreno e que pouparam 624 milhões de euros

às empresas e 490 000 horas aos trabalhadores da Administração Pública; o IRS automático, que veio

descomplicar a vida a 3 milhões de famílias.

Quanto à justiça, reabertura de 20 tribunais encerrados pelo seu Governo; o ingresso de 380 magistrados,

mais do dobro daquilo que os senhores fizeram no Governo anterior.

E a descentralização? A descentralização, com a qual os senhores concordaram, em matérias da

administração central para as áreas metropolitanas e para as autarquias para que o serviço público seja mais

bem prestado na área da saúde, na área da educação e na área dos transportes.

Página 12

I SÉRIE — NÚMERO 8

12

Passemos à saúde: este Governo já repôs 700 milhões de euros dos 1000 milhões de euros cortados pelo

anterior Governo; o Serviço Nacional de Saúde tem, hoje, mais 7500 profissionais do que em 2015; foram

reduzidas as taxas moderadoras para aumentar o acesso ao Serviço Nacional de Saúde; temos mais unidades

de saúde familiar e mais centros de saúde; há mais 300 000 portugueses com médico de família do que em

2015.

Vamos olhar para o que foi um investimento nas pessoas, nos trabalhadores da Administração Pública,

porque não se consegue melhorar o serviço público sem ter funcionários motivados. O que os senhores fizeram

no anterior Governo foi operar cortes e mais cortes, levando, obviamente, a uma natural desmotivação dos

funcionários. Recordo o Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários na Administração

Pública, recordo a reposição de salários, recordo os descongelamentos das carreiras, recordo o aumento do

salário mínimo nacional, que beneficiou muitos funcionários da Administração Pública, e recordo a reposição de

feriados — amanhã é feriado, porque existe uma nova maioria que veio repor quatro feriados que os senhores

cortaram.

A Sr.ª Susana Amador (PS): — Muito bem!

O Sr. João Paulo Correia (PS): — Amanhã, o dia 5 de Outubro é comemorado em dia de feriado graças a

esta maioria!

O Sr. Presidente: — Peço-lhe que conclua, Sr. Deputado.

O Sr. João Paulo Correia (PS): — Vou concluir, Sr. Presidente.

Vamos à área dos transportes: temos o desconto de 25% nos passes 4_18 e SUB23; a devolução de 50%

do IVA nos passes mensais para quem utiliza transportes públicos coletivos; o reforço do pessoal na EMEF com

mais de 100 trabalhadores e o investimento público na ferrovia, na linha do Minho, na linha do Norte, na linha

do Douro e na linha da Beira Baixa.

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, tem mesmo de concluir.

O Sr. João Paulo Correia (PS): — Vou concluir, fazendo uma pergunta ao PSD: afinal, que modelo de

serviço público defende o PSD?

O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — O privado!

O Sr. João Paulo Correia (PS): — O modelo que o senhor defendeu no seu discurso, enquanto oposição,

ou aquilo que o País conhece da vossa prática quando estiveram no poder, atacando os serviços públicos,

degradando o serviço público?

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente: — Tem a palavra, para pedir esclarecimentos, o Sr. Deputado José Luís Ferreira, de Os

Verdes.

O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, Sr. Deputado Pedro do Ó

Ramos, de facto, os serviços públicos continuam hoje muito longe de responder às necessidades dos

portugueses. Os problemas atingem praticamente todos os setores e todos os serviços públicos; a resposta está

longe do exigível, mas também está longe da forma como o Governo anterior olhava para os serviços públicos

e, desde logo, para a área da saúde.

Como certamente o Sr. Deputado se lembrará, a política do Governo anterior para a saúde resumia-se,

infelizmente, a cortes cegos em tudo o que mexesse, ao encerramento de serviços por todo o País e a um

esforço deliberado para engordar os negócios dos grupos privados com interesses na área da saúde.

Página 13

6 DE OUTUBRO DE 2018

13

Hoje, já todos nós percebemos a verdadeira motivação do PSD para a área da saúde: procurar enfraquecer

o Serviço Nacional de Saúde para que a entrega aos privados seja quase inevitável, aliás, tal como aconteceu,

noutras ocasiões, com empresas estratégicas para a economia do nosso País.

Portanto, Sr. Deputado, nós já vimos este filme várias vezes: o PSD procura enfraquecer, procura fragilizar

para depois fazer crer que a entrega aos privados é inevitável. Não é de estranhar, por isso, que a única proposta

do PSD para a área da saúde se resuma à fórmula dos três P: parcerias público-privadas.

Quanto aos transportes públicos, Sr. Deputado Pedro do Ó Ramos, também estamos de acordo. Os

transportes públicos continuam a sofrer atrasos, supressões e redução de oferta, já para não falar na falta de

meios humanos e técnicos que estão a afastar as pessoas da sua utilização, o que, aliás, contraria qualquer

política de transportes que se pretenda sustentável. Neste quadro e numa altura em que se impõe criar

condições para que as pessoas optem pelo transporte público, em detrimento da utilização do transporte

individual, como forma, também, de Portugal poder dar resposta aos compromissos que assumiu no plano

internacional no que diz respeito à emissão de gases com efeito de estufa e no combate às alterações climáticas,

a ferrovia ganha uma importância decisiva.

Por isso, Os Verdes consideram que é absolutamente fundamental olhar para os transportes públicos e olhar

para a ferrovia. É necessário proceder à reparação do material circulante e, para isso, são indispensáveis os

trabalhadores, porque, de facto, os 102 novos trabalhadores previstos para a EMEF não vão sequer compensar

o número de trabalhadores que passaram à reforma e os 88 previstos para a CP são absolutamente

insuficientes.

Portanto, Sr. Deputado, nós também consideramos que a resposta dos serviços públicos está longe da

resposta a que os cidadãos têm direito. É verdade que se avolumam os problemas na área da saúde e é verdade

que a resposta a nível dos transportes públicos está longe do desejável.

A pergunta que quero colocar-lhe é a seguinte: tendo presente tudo aquilo que o Governo anterior fez em

relação aos serviços públicos, não concorda que, em grande parte, nós continuamos hoje a sofrer as

consequências da passagem do PSD e do CDS pelo Governo?

Vou ajudá-lo na resposta, Sr. Deputado, lembrando-lhe quatro factos que considero importantes. Primeiro:

tínhamos, no Governo anterior, um Ministro da Saúde que dizia que encerrava serviços de saúde para melhorar

o acesso dos portugueses aos cuidados de saúde. Segundo: o PSD e o CDS passaram quatro anos a encerrar

serviços públicos e a emagrecer os recursos humanos da Administração Pública.

O Sr. DuarteAlves (PCP): — É verdade!

O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Terceiro: todos os Orçamentos do Governo do PSD/CDS-PP

tinham, invariavelmente, uma norma que impedia as empresas públicas e, desde logo, as empresas de

transporte de contratarem os trabalhadores necessários para dar resposta às necessidades dos cidadãos e às

necessidades das empresas para que estas pudessem prestar um bom serviço público. Quarto: até chegaram

ao ponto de obrigarem os próprios presidentes das câmaras a ter de pedir autorização ao Governo ou ao Ministro

das Finanças para poderem contratar pessoas que eram necessárias para dar resposta às populações.

Portanto, Sr. Deputado, face a tudo isto, não lhe parece que, em grande medida, nós continuamos hoje a

sofrer as consequências da passagem do PSD e do CDS pelo Governo?

O Sr. Presidente: — Peço-lhe que conclua, Sr. Deputado.

O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Vou terminar, Sr. Presidente.

Bem sei que o PSD fica muito incomodado quando nos referimos ao Governo anterior, vá lá saber-se porquê.

Mas, desta vez, Sr. Deputado, parece-me que era inevitável.

O Sr. Presidente: — Tem a palavra, para responder, o Sr. Deputado Pedro do Ó Ramos.

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — Sr. Presidente, agradeço as perguntas do Sr. Deputado João Paulo

Correia e do Sr. Deputado José Luís Ferreira.

Página 14

I SÉRIE — NÚMERO 8

14

A discussão, nesta semana, entre os partidos da esquerda foi esta: «Casamos ou somos só amigos?» —

esta foi a discussão entre VV. Ex.as. «Somos só amigos, não é suficiente para casar», «Eu até gosto dele, mas

não é suficiente para me casar».

O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Coscuvilheiros!

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — Mas os senhores enganam, os senhores querem enganar os

portugueses! Porque os senhores casaram-se num casamento original, com muitos nubentes, numa cerimónia

envergonhada, da qual até eu, que não tive intervenção, sei a data: 10 de novembro de 2015! Foi uma cerimónia

envergonhadíssima, sem assistência, mas os senhores casaram-se, no dia 10 de novembro de 2015.

Mais: renovaram os votos!

O Sr. Adão Silva (PSD): — É verdade! Três vezes!

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — Renovaram os votos a 16 de março de 2016, renovaram os votos a 29

de novembro de 2016 e renovaram os votos a 27 de novembro de 2017. Vejam bem, os senhores que andam a

dizer que não querem casar-se! Os senhores gostam deste casamento, quiseram este casamento e vão

continuar este casamento.

O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Tanta ciumeira!

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — Só que os senhores não querem assumi-lo publicamente, porque se

sentem envergonhados.

O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — São casamentos a prazo!

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — Sentiram-se envergonhados aquando da assinatura, sentem-se

envergonhados agora, porque se sentem envergonhados com o que os portugueses estão a sentir no dia a

dia…

Aplausos do PSD.

… com as manifestações terríveis das dificuldades que os portugueses sentem. E isto é o que vos preocupa,

Sr. Deputado.

Como disse, os Srs. Deputados param em 2015. O Sr. Deputado João Paulo Correia referiu algumas das

medidas que tomaram agora, mas, Sr. Deputado, se assim é, por que razão temos esta convulsão social?

Porque é que temos greves? Nós tivemos, de facto, greves, mas as greves não eram, essencialmente, por causa

dos serviços públicos; o que nós temos, hoje em dia, são greves em defesa dos serviços públicos, nos próprios

tribunais, em todas as instituições, com demissões «em barda» nos hospitais, nos centros de saúde. E porquê,

Sr. Deputado? Porque os senhores fizeram uma opção e têm de a assumir. Inicialmente, cativaram e cortaram

no investimento público e esse corte tem uma consequência evidente e está no resultado das vossas políticas,

é uma opção vossa — do Bloco de Esquerda, do PCP e do Partido Socialista. Isto incomoda-vos muito!

Ainda a propósito dos serviços públicos, hoje mesmo, saiu uma notícia do Tribunal de Contas Europeu que

alerta para a lenta execução dos fundos comunitários. Vejam bem!

O Sr. Paulo Trigo Pereira (PS): — Portugal é dos países que tem melhor execução! Está a faltar à verdade!

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — O Sr. Primeiro-Ministro, para justificar o mau investimento público em

2016, disse que era uma questão de transição: «A coisa não correu bem, porque, de facto, tivemos uma

transição difícil».

Dados de hoje dizem-nos que estão por executar 8817 milhões de euros, alertando para a lenta execução.

Página 15

6 DE OUTUBRO DE 2018

15

O Sr. Paulo Trigo Pereira (PS): — E os outros países?!

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — Srs. Deputados, a responsabilidade é de quem? É que, Sr. Deputado

José Luís Ferreira, nós não nos envergonhados do que fizemos, nós temos muito orgulho! Nós temos muito

orgulho do que fizemos!

Aplausos do PSD.

Protestos do PCP e de Os Verdes.

Nós resgatámos o País e, por isso, temos o País a crescer, temos o País com menos desemprego, e

orgulhamo-nos mesmo muito! Não temos problemas nenhuns em assumi-lo e os portugueses, pelos vistos,

também gostaram do nosso trabalho. Os senhores pensam bem — por isso vos preocupa e por isso fizeram

este casamento envergonhado: se Pedro Passos Coelho governou como governou, com austeridade e

dificuldade,…

O Sr. Moisés Ferreira (BE): — Upa, upa! Já tinha cortado as pensões todas!

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — … e se conseguiu pôr o País a crescer, imaginem com outra conjuntura!

Imaginem com outra conjuntura! Por isso é que os senhores fizeram este casamento que vos envergonha todos

os dias.

Protestos do BE e do PCP.

Por isso é que o vosso Secretário-Geral e a Deputada Catarina Martins, ao fim de semana, vêm sempre dizer

que não estão contentes, mas aqui, todos os dias, os senhores gostam do casamento.

Continuação de protestos do BE e do PCP.

Os senhores adoram este casamento e — querem apostar? — vão continuar casados até ao final desta

Legislatura, mas se Deus quiser, espero bem que não, espero os portugueses não vos deem oportunidade para

continuarem casados a partir do próximo ano.

Aplausos do PSD.

Neste momento, assumiu a presidência o Vice-Presidente José Manuel Pureza.

O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs. Deputados, bom dia.

Tem a palavra, para uma intervenção, em nome do Grupo Parlamentar do Partido Socialista, o Sr. Deputado

Luís Testa.

O Sr. Luís Moreira Testa (PS): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Um debate sobre serviços públicos

faz tanto sentido que não há semana em que não o tenhamos e importa sempre revisitá-lo para que o proponente

não se esqueça do estado em que deixou Portugal.

Estamos perante um tímido exercício de pedir desculpas aos portugueses ou um ato de contrição de quem

tanto mal fez ao País. A ideia gasta de que a situação financeira tudo justifica nunca encobrirá a vã tentativa de

privatização dos transportes públicos ou consentirá o encerramento de tribunais, a agregação de freguesias, a

alienação dos CTT, a extinção dos serviços de saúde, o ataque à escola pública, a supressão de linhas

ferroviárias e, até, pasme-se, o abandono da estratégia de investimento refletida no Portugal 2020, que agora a

direita tanto reivindica.

Página 16

I SÉRIE — NÚMERO 8

16

O serviço público pode construir-se para além do Estado, mas jamais haverá serviço público se for feito

contra o Estado e contra os interesses das populações, com a singular perspetiva do benefício dos privados,

com receita garantida e paga pelos impostos dos portugueses.

Quando o PS assumiu a responsabilidade de governar, com o apoio da esquerda parlamentar, se havia

objetivo no centro da ação política era o de voltar a fortalecer o Estado para que se pudessem recuperar os

níveis de prestação do serviço público.

Foi assim que se reabriram 20 tribunais encerrados e foram admitidos 380 magistrados e 400 oficiais de

justiça.

Foi assim que se programou um investimento de 450 milhões de euros em infraestruturas e equipamentos

para as forças de segurança.

Foi assim que se admitiram mais de 1000 operacionais, se adquiriram 250 viaturas e 7 meios aéreos para o

dispositivo de combate a incêndios.

Foi assim que se fortaleceu a rede diplomática, com 57 novos trabalhadores, se modernizaram os serviços,

se promoveu o ensino de português no estrangeiro e se abriram 31 novos gabinetes de apoio ao emigrante.

Foi assim que se voltou a apostar nas Lojas de Cidadão, com 17 novas lojas, se criou a morada única digital,

o IRS (imposto sobre o rendimento de pessoas singulares) automático, o Simplex + e o Espaço Empresa.

Foi por isso que se voltou a investir na Carris, nos STCP, no metro de Lisboa, no metro do Porto e nas

esquecidas Transtejo e Soflusa.

Foi assim que se retomou o investimento na ferrovia, com eletrificações e reabilitações, e está em marcha

um plano que assegure o fornecimento de material circulante suficiente para as necessidades do País.

Aplausos do PS.

Foi por isso que se extinguiu o regime de requalificação e mobilidade especial, se limitou o uso, pelo Estado,

de trabalho precário e se eliminaram as restrições de contratação na Administração Pública, ao mesmo tempo

que se repunha o horário de trabalho de 35 horas semanais, se repunham salários e se descongelavam

carreiras.

Foi assim que se reforçou a capacidade do SNS, com a contratação de 7500 novos profissionais, se abriu

concurso para novos médicos especialistas, se reduziram as taxas moderadoras, foram criadas 24 novas USF

(Unidade de Saúde Familiar) e está aprovada a construção de 79 centros de saúde.

Lançámos ainda o programa nacional para a coesão territorial e estamos apostados na descentralização de

competências, que coloca os serviços mais perto das pessoas.

Em três anos, fizemos isto e muito mais e ainda tanto falta fazer. A nós, no PS, não nos basta pôr em marcha

o País que a direita colocou em suspenso, interrompendo esta grande obra que se chama Portugal.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Sr. Deputado, inscreveram-se dois Deputados para formularem

pedidos de esclarecimento. Como pretende responder?

O Sr. Luís Moreira Testa (PS): — Sr. Presidente, irei responder em conjunto.

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Assim, tem a palavra, para formular pedidos de esclarecimento

em nome do Grupo Parlamentar do CDS-PP, a Sr.ª Deputada Ana Rita Bessa.

A Sr.ª Ana Rita Bessa (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr. Deputado Luís Testa, o debate de hoje tem como

tema a avaliação da qualidade do serviço público e gostaria de me concentrar no caso da educação.

Como o Sr. Deputado ainda agora nos acusou, a nós, CDS, e à direita em geral — como, aliás, diariamente

—, de termos destruído a escola pública, propunha-lhe que fôssemos percorrer alguns indicadores que aferem

a qualidade da escola pública desde 2015 até aqui. E pedia-lhe alguma paciência para os números que lhe vou

trazer.

Página 17

6 DE OUTUBRO DE 2018

17

Por exemplo, números da UTAO sobre investimento, datados de julho de 2018, dizem-nos que, praticamente,

não tem havido investimento na educação — 7% de execução orçamental, comparado com 24% no ano anterior

—, o que, de qualquer das maneiras, em valor absoluto, já era mais baixo do que em 2015.

Talvez isso explique — talvez! — o que se passa, por exemplo, na modernização tecnológica das escolas.

Não sei se se lembra que esta era uma política muito cara ao Governo de José Sócrates e, novamente,

merecedora de extensas linhas no Programa de Governo do Partido Socialista. O que é que vemos?

De acordo com dados do Ministério da Educação, o número de alunos por computador com internet passou

de 3,9, em 2015, para 4,7 em 2017. Note que há menos 42 000 alunos no sistema e, portanto, só por essa via,

devia haver uma melhoria do indicador.

Também podemos falar nos equipamentos escolares, nas escolas propriamente ditas. Por exemplo, se o Sr.

Deputado for visitar uma escola do 2.º e 3.º ciclos, tem uma de duas hipóteses: ou não tem nenhuma obra

realizada, embora haja, no papel, sempre bons princípios sobre isso, ou, então, provavelmente, até encontra

uma obra, mas foi financiada pela câmara municipal e não pelo Ministério da Educação.

Se, por acaso, for visitar uma escola secundária, também tem uma de duas hipóteses: ou a escola já foi

requalificada na Parque Escolar — mas aí, desejo-lhe boa sorte, porque se estiver calor não se pode ligar o ar

condicionado, pois não há como pagar a conta, e se, por acaso, for no inverno, é melhor ir bem agasalhado,

porque também não há dinheiro para pagar o aquecimento —, ou, então, não há nenhuma obra realizada —

veja-se! — porque não está nos planos do Ministério da Educação.

Se formos falar, por exemplo, de videovigilância, de facto, as câmaras estão lá, não estão é a fazer nada,

porque não houve dinheiro para pagar os contratos, que não foram renovados.

Mas não vamos só falar de equipamentos, vamos falar também do principal, dos profissionais na educação.

De facto, Sr. Deputado, foram vinculados mais 7000 professores, tem toda a razão, e seria de esperar que,

por isso, estivessem contentes e motivados no seu local de trabalho. Mas se, por acaso, for esta semana às

escolas, não estão lá, estão em greve. Não me parece, por isso, que esta vinculação seja um indicador de

grande motivação.

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Muito bem!

A Sr.ª Ana Rita Bessa (CDS-PP): — E noutras alturas também não vão estar lá. Sabe porquê? É que,

segundo os dados da ADSE (Instituto de Proteção e Assistência na Doença, I.P.), há 6000 professores que

estão com baixas médicas de mais de 60 dias. Se calhar, há aqui também um problema que os números só,

processualmente, não resolvem.

Então e funcionários? Bem, quanto a funcionários, o Governo anterior contratou 2800, este Governo

contratou 2500; há, de facto, mais funcionários. O que é que acontece? Novamente baixas médicas. E sem

esquecer o horário de trabalho das 35 horas. Portanto, se calhar, aqui também não chegam os números.

Finalmente, quanto à escola inclusiva, que é uma bandeira deste Governo, o que é que sabemos, de acordo

com dados do Ministério da Educação?

Sabemos que, em 2017/2018, o número de técnicos nas escolas a apoiar estes alunos decresceu 11%;

sabemos também que o número de horas mensais dos técnicos que estão nos centros de recursos para a

inclusão diminuiu 1,3% e sabemos que o número de docentes a trabalhar na intervenção precoce diminuiu 5%,

face ao ano anterior. No entanto, neste caso, ao contrário do ensino geral, há mais 7% de alunos sinalizados.

Mais alunos, menos recursos, deve ser isto que é a escola inclusiva…

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Exatamente!

A Sr.ª Ana Rita Bessa (CDS-PP): — Portanto, Sr. Deputado, perguntava-lhe se, com toda a verdade, como

disse na sua intervenção, ali na tribuna, pode afirmar que esta maioria parlamentar tem feito mais pela escola

pública do que o Governo anterior.

Aplausos do CDS-PP.

Página 18

I SÉRIE — NÚMERO 8

18

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Tem agora a palavra, para formular pedidos de esclarecimento,

o Sr. Deputado Pedro Pimpão, do PSD.

O Sr. Pedro Pimpão (PSD): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, queria, naturalmente, cumprimentar

o Sr. Deputado Luís Testa e agradecer o seu contributo para um debate que é da maior importância para os

cidadãos, que estão preocupados com a qualidade da resposta dos serviços públicos e com a eficiência dessa

mesma resposta.

Sr. Deputado, gostaria que tivesse uma palavra não só sobre o passado, quando se referiu aos ataques à

escola pública, mas sobre o presente e sobre o futuro da escola pública.

Sr. Deputado, relativamente a esta matéria, assistimos todos os dias a uma comunidade educativa que

enfrenta sérias dificuldades. Temos os diretores, os professores, os pais, os funcionários e os autarcas

preocupados em resolver problemas de falta de condições das escolas em vez de estarem focados na melhoria

do processo de aprendizagem dos nossos alunos. Essas dificuldades sentem-se ao nível dos recursos humanos.

Quando falamos na motivação das pessoas que trabalham nas escolas públicas, temos de ter em atenção

que temos, hoje, menos 80% de assistentes operacionais do que tínhamos em 2015.

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — É verdade!

O Sr. Pedro Pimpão (PSD): — Qual é a resposta que o Sr. Deputado tem para dar relativamente a estas

necessidades das escolas?

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — Exatamente!

O Sr. Pedro Pimpão (PSD): — Quando falamos em educação inclusiva, foi aprovado um diploma, ainda em

tempo de férias escolares, que obriga a recursos que as escolas, objetivamente, não têm! E nós alertámos para

essa questão.

Falamos, depois, na aposta nas novas tecnologias — e a Sr.ª Deputada Ana Rita Bessa já aqui falou nisso

—, mas cativamos os orçamentos das escolas e fazemos com que o material informático esteja completamente

obsoleto e os diretores dos agrupamentos de escola não tenham como fazer face à inovação e à manutenção

desse mesmo parque informático.

Temos, depois, o investimento público, que já aqui foi falado por todos os intervenientes. Temos escolas

degradadas e temos um conjunto de escolas cujas obras, propostas pelos diversos grupos parlamentares, já

foram aprovadas em resoluções da Assembleia da República e assistimos ao maior desinvestimento público na

escola pública. Portanto, é um bocado contraproducente ter um discurso e depois, na realidade, verificarmos

que há escolas, por todo o País, que necessitam de requalificação.

Em 2017, 50% do orçamento previsto para investimento nas nossas escolas ficou por executar. Sr. Deputado

Luís Testa, gostaria de ter uma resposta face a esta questão.

Quanto aos professores, já aqui falámos dos professores e tivemos oportunidade de dizer ao Sr. Ministro da

Educação que temos professores desmotivados, professores que se sentem discriminados, professores que

foram enganados pelas mentiras deste Governo.

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — É verdade!

O Sr. Pedro Pimpão (PSD): — Amanhã, dia 5 de Outubro, é feriado, mas, para milhares de professores, é

um dia para se manifestarem contra as políticas públicas na área da educação em Portugal.

O Sr. Moisés Ferreira (BE): — Vai estar lá o PSD?!

O Sr. Pedro Pimpão (PSD): — Está instalada a instabilidade na escola. Esta semana, várias escolas ficaram

paralisadas e milhares de alunos ficaram sem aulas.

Qual é a resposta que o Partido Socialista tem para dar a estes milhares de alunos e milhares de

encarregados de educação que estão a ser afetados pelas políticas deste Governo na área da educação?

Página 19

6 DE OUTUBRO DE 2018

19

No ensino superior, temos estudantes carenciados à espera de bolsa, e só a terão em 2019, se a tiverem!

No emprego científico há problemas atrás de problemas.

O contrato de legislatura assinado entre o Governo e as instituições de ensino superior foi um acordo que

não foi cumprido, criando instabilidade nas instituições de ensino superior.

Temos cativações e cortes no investimento desde o ensino básico ao ensino superior.

Por isso, Sr. Deputado Luís Testa, a pergunta fica: reconhece ou não estes reais problemas sentidos na área

da educação? O investimento na educação devia ou não ser prioritário para o desenvolvimento do nosso País

e para o futuro das novas gerações?

Aplausos do PSD.

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Para responder a ambos os pedidos de esclarecimento, tem a

palavra o Sr. Deputado Luís Testa.

O Sr. Luís Moreira Testa (PS): — Sr. Presidente, Sr.ª Deputada Ana Rita Bessa, Sr. Deputado Pedro

Pimpão, não me levarão, certamente, a mal que vos responda em conjunto, porque, basicamente, a temática foi

a mesma.

São perguntas sobre educação dirigidas a um Deputado que, certamente, não é especialista em educação,

mas sei aquilo que é do senso comum e que todos nós sabemos.

Sr. Deputado Pedro Pimpão, Sr.ª Deputada Ana Rita Bessa, professores desmotivados?! VV. Ex.as falam em

professores desmotivados? Desmotivados com o quê?!

A Sr.ª Ana Rita Bessa (CDS-PP): — Com a carreira e a vinculação!

O Sr. Luís Moreira Testa (PS): — Com a capacidade que têm, hoje em dia, de requererem mais benefícios

para a sua classe?!

Risos do PSD e do CDS-PP.

Estamos a falar de direitos básicos!

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Continue, Sr. Deputado, que estou a gravar!

O Sr. Luís Moreira Testa (PS): — Estamos a falar de direitos básicos que não lhes eram assegurados nos

tempos em que VV. Ex.as governavam.

Recordemos…

Protestos do PSD e do CDS-PP.

Recordemos que, no tempo de VV. Ex.as, os professores, verdadeiramente, não eram professores; eram

contratados anualmente, com uma relação de trabalho precária com o Estado, do mais básico que existia, e

eram colocados quase sempre fora de tempo.

Protestos do PSD e do CDS-PP.

Portanto, falar de professores como trabalhadores do Estado só é possível hoje em dia.

Quanto a obras nas escolas, temos 500 escolas em obra, de forma sistematizada, que, aliás, V. Ex.ª pode

consultar em todos os pactos regionais.

Protestos do PSD e do CDS-PP.

Página 20

I SÉRIE — NÚMERO 8

20

Há 200 novos psicólogos nas escolas, há técnicos especializados colocados a tempo e horas, temos mais

ação social e os manuais escolares são gratuitos para 500 000 alunos. Estes são os factos que VV. Ex.as

ignoram!

Mas, verdadeiramente, o vosso objetivo não é esse. Percebo o vosso intuito em denegrir a escola pública,…

O Sr. Pedro Pimpão (PSD): — Não, não!

O Sr. Luís Moreira Testa (PS): — … o ensino nacional, o trabalho dos professores e o mérito dos alunos.

Protestos do PSD e do CDS-PP.

É que o vosso objetivo não é bem a escola pública. O vosso objetivo é a promoção do ensino particular,

apoiado pelos impostos dos portugueses, pago por todos para benefício de alguns. Só quando assim fosse é

que VV. Ex.as estariam contentes com a escola nacional.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Em nome do Grupo Parlamentar do Partido Socialista, tem a

palavra a Sr.ª Deputada Susana Amador, para uma intervenção. Faça favor.

A Sr.ª Susana Amador (PS): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, contrariamente àquela que foi a

política de desinvestimento e de descapitalização dos serviços públicos, que hoje o PSD traz a debate para

aliviar a sua memória, num exercício de manifesta falta de pudor e até de vergonha, a verdade é que o Governo

atual tem vindo a robustecer o Estado social, as funções soberanas e os serviços públicos. Daí que prossiga,

diariamente, uma tarefa de reconstituição e consolidação da escola pública, um setor que, no passado, foi tão

martirizado por VV. Ex.as e em que, agora, o emprego público cresceu, com mais 3500 professores vinculados

em 2017, estimando-se igual número em 2018.

O Governo faz um combate sem tréguas à precariedade em todos os setores da Administração Pública, e

também aqui, onde 7000 trabalhadores das escolas estão já no PREVPAP (Programa de Regularização

Extraordinária de Vínculos Precários) e 46 000 professores já viram ou estão em vias de ver o descongelamento

das suas carreiras.

Se isto não é robustecer o estado da escola pública, não sei o que será. Estamos, de facto, no caminho certo.

VV. Ex.as estiveram no caminho errado e «no lado errado da noite», num setor onde agora se ampliam os níveis

de cobertura, com obras em mais de 500 escolas, em colaboração também com as autarquias, qualificando

respostas, num esforço para recuperar o tempo perdido de estagnação da rede da escola pública.

Sr.as e Srs. Deputados do PSD e do CDS, o reforço de equidade em todas as idades é uma preocupação

constante deste Governo e é central para o Partido Socialista, com o alargamento da rede e cobertura do pré-

escolar, criando 5 000 vagas, visando a universalização do pré-escolar, com 220 salas novas para o pré-escolar.

Srs. Deputados, quisemos vencer o défice de qualificação dos adultos. VV. Ex.as decidiram interromper o

ensino de adultos, interromper o Novas Oportunidades, e nós retomámos esse programa, agora denominado

Qualifica. A verdade, Sr.as e Srs. Deputados, é que duplicámos, face a 2015, o número de alunos inscritos e

temos já 303 Centros Qualifica.

Deixem-me que vos fale de recursos humanos, os recursos humanos que vocês fizeram sair do setor

educativo.

A Sr.ª Ana Rita Bessa (CDS-PP): — Vocês fizeram com que saíssem da escola pública!

A Sr.ª Susana Amador (PS): — São 500 trabalhadores, este ano letivo, assistentes operacionais, em

contrato extraordinário, e um acréscimo global no sistema de 2000 funcionários nesta categoria.

Temos de recordar que, com a direita, ocorreu uma quebra de docentes de 15%, entre 2012 e 2015, uma

quebra de 22 600 docentes, uma quebra de 550 docentes no ensino superior e uma redução de um quarto no

pessoal da investigação científica, isto é, menos 25%, durante a vigência do vosso Governo.

Página 21

6 DE OUTUBRO DE 2018

21

Em três orçamentos do Partido Socialista a escola obteve um reforço de 633 milhões de euros, ao invés do

que ocorreu nos vossos três últimos Orçamentos do Estado, em que a escola sofreu um corte de 440 milhões

de euros.

Acho que fica evidente aquilo que é a política que se está a fazer atualmente. Tivemos de falar de passado,

porque o passado condiciona muitas vezes as soluções do presente e do futuro, mas estive a falar do que está

a acontecer e deste investimento que está espelhado também nos Orçamentos do Estado.

Queria ainda dizer-vos, Srs. Deputados, que é hoje reconhecido que estamos muito melhor do que em 2015

também ao nível da modernização administrativa: temos mais serviços públicos, mais recursos humanos e mais

modernização.

Convosco foi menos: menos recursos humanos, menos modernização e inovação e menos emprego.

De facto, já abrimos 17 novas Lojas do Cidadão — até ao final da legislatura serão mais 17 —, que são o

primeiro rosto do Estado perante os cidadãos e que asseguram nove milhões de atendimentos por ano.

Com o Governo do PSD e do CDS, em quatro anos, abrimos apenas cinco lojas e encerrámos a dos

Restauradores. Isto revela a vossa visão de modernização da Administração Pública.

Temos no interior também Espaços Cidadão abertos: 61 em 2016; 129 em 2017; 42 em 2018.

Temos uma taxa de execução do Simplex, em 2017, de 80%, onde podemos destacar medidas inovadoras

como o Simulador de Pensões, que já realizou 600 000 simulações. Portanto, o Simplex é, de facto, a espinha

dorsal do sistema de modernização, que, incompreensivelmente, VV. Ex.as congelaram, precisamente num ano

em que este programa foi premiado pelas Nações Unidas.

Para terminar, deixem-me que vos fale da justiça, um setor que VV. Ex.as inverteram, descapitalizaram e

encerraram tribunais, e onde reabrimos 20 tribunais encerrados pelo PSD e pelo CDS e 43 juízos de

proximidade, que agora beneficiam 880 000 pessoas, sendo também de referir a preocupação que tivemos com

os oficiais de justiça, havendo 400 novos oficiais de justiça — e também mais 300 bombeiros, um aumento de

15% — e a mais baixa taxa de pendência processual dos últimos 10 anos nos tribunais.

Sr.as e Srs. Deputados, não faz parte do nosso ADN confundir a reforma do Estado com a redução de

funcionários públicos ou com o encerramento de serviços essenciais aos cidadãos. Já com o PSD, essa redução

e esses encerramentos foram sempre «custe o que custar», e custou muito, custou muito aos portugueses e

custou muito a Portugal.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Sr.ª Deputada, a sua intervenção não suscitou pedidos de

esclarecimento, pelo que passamos à intervenção seguinte.

Tem a palavra o Sr. Deputado João Dias, do Grupo Parlamentar do PCP.

O Sr. João Dias (PCP): — Sr. Presidente, Srs. Deputados, neste agendamento potestativo do PSD não nos

podemos esquecer que o anterior Governo do PSD e do CDS tinha preparado o chamado Guião para a Reforma

do Estado, a que chamaremos, antes, a cartilha para a destruição do Estado e dos serviços públicos.

Pelo que podemos aqui, hoje, comprovar, a derrota desse Governo do PSD e do CDS — de má memória,

por sinal — não afastou para sempre as ideias, as conceções e os objetivos de então. Os senhores não

descansam enquanto não entregarem tudo o que é vital e tudo o que dá lucro às mãos do privado.

Para o PCP, os serviços públicos são um instrumento de concretização de direitos sociais sem o qual não é

possível desenvolver o País, são um fator essencial de desenvolvimento, de progresso e de justiça social.

Bons serviços públicos, com trabalhadores com carreiras e salários dignos e em número correspondente às

suas necessidades, com edifícios e equipamentos modernizados, a funcionar com qualidade e acessíveis a

todos os cidadãos são um fator de desenvolvimento e de progresso. Isso é inegável!

Claro que os problemas dos serviços públicos não foram criados ontem, têm a sua origem nas opções dos

sucessivos Governos que nos trouxeram à degradação dos serviços públicos.

Por isso, o PCP defende uma política alternativa que coloque os serviços públicos ao serviço do País e das

populações e não dos grupos económicos, dos grandes grupos económicos; uma política alternativa que diga

não ao enfraquecimento de recursos humanos e materiais de serviços públicos essenciais, como a saúde, a

educação, a justiça, os transportes, criando um Estado empobrecido em meios e recursos e desprovido de

Página 22

I SÉRIE — NÚMERO 8

22

competências e saber; uma política alternativa de combate à promiscuidade entre cargos públicos e interesses

privados, pelos direitos dos trabalhadores e das populações.

É que, quando se promove deliberadamente a degradação dos serviços públicos, o que se está a fazer é

debilitar e suprimir o conjunto dos direitos sociais dos portugueses; quando se promove deliberadamente a

degradação dos serviços públicos, o que se está a fazer é perder o direito à saúde, à educação, à proteção

social, à justiça, à cultura e à mobilidade; quando se promove deliberadamente a degradação dos serviços

públicos, o que se está a fazer é entregar nas mãos do privado aquilo que compete ao Estado fazer.

É de uma política alternativa que precisamos, sim, uma política alternativa no Serviço Nacional de Saúde que

desmistifique, desde logo, a tese de que o Estado não tem os meios financeiros para garantir o SNS. A defesa

do SNS é um imperativo nacional mas igualmente civilizacional.

O que o PSD procura é descredibilizar e destruir o SNS, abrindo ainda mais as portas à privatização, com a

transferência progressiva da prestação de cuidados para os grupos privados. Os privados dedicam-se somente

a uma pequena fatia dos cuidados em saúde, dedicam-se àqueles que economicamente são mais rentáveis.

Nunca é demais lembrar que toda a despesa com saúde que as pessoas têm, à exceção das taxas moderadoras,

são receitas para entidades privadas.

Precisamos de uma política alternativa na educação que valorize a escola pública, a gratuitidade dos manuais

escolares de todo o ensino obrigatório — que é o 12.º ano e não o 9.º ano —, a gestão democrática das escolas,

a dignificação profissional e social dos trabalhadores da educação, a diminuição do número de alunos por turma,

o fim dos exames nacionais. Não precisamos do que o PSD invoca, em nome do chamado princípio de liberdade

de escolha, que é remeter a escola pública a um papel complementar do ensino privado. Não é esse o caminho!

É na valorização da escola pública que se deve centrar a ação e a intervenção do Estado.

Precisamos de uma política alternativa no sistema público de segurança social que assuma o compromisso

e a reposição de direitos perdidos, através da reposição da universalidade do abono de família para crianças e

jovens, do aumento anual das reformas e pensões e do conjunto das prestações sociais, o que implica a adoção

de medidas de curto e médio prazo que assegurem o reforço e as suas fontes de financiamento e a reposição

de direitos.

Sim, Srs. Deputados, deem as voltas que derem que, sempre que os serviços públicos são colocados na

mão do privado, assiste-se à degradação dos serviços públicos, ao crescimento da despesa pública e ao

aumento dos custos pagos diretamente pelos portugueses.

Sr. Presidente, Srs. Deputados, é preciso romper com esse caminho e fazer a opção por uma política

alternativa de investimento nos serviços públicos e de valorização dos seus trabalhadores.

Aplausos do PCP.

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Antes de passar a palavra ao próximo orador, a Mesa desejava

informar que é possível que as votações regimentais tenham lugar antes do meio-dia, pelo que seria de as

lideranças parlamentares informarem disso os respetivos Deputados e Deputadas. Veremos se esta

possibilidade se cumpre.

Dou, então, agora, a palavra ao orador seguinte, que é o Sr. Deputado António Sales, do Partido Socialista.

O Sr. António Sales (PS): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, Sr. Deputado João Dias, os Srs.

Deputados do PSD e do CDS ainda não perceberam que a consciência intranquila é o pior dos remédios contra

a insónia. Por isso, estamos perante um rebate de consciência ou um exercício de exorcismo que não

percebemos. Parece-nos, no mínimo, estranha e bizarra esta marcação do PSD. E digo estranha e bizarra

porque não tenho outra forma de qualificar uma interpelação tão extemporânea e tão desenquadrada no tempo,

face à realidade atual.

Ficámos sem perceber se o PSD pretende carpir mágoas relativas à qualidade dos serviços entre 2011 e

2015, em que congelou a inovação terapêutica, em que aumentou as taxas moderadoras, em que aumentou a

despesa das famílias, em que cortou 1000 milhões de euros na saúde e em que retirou rendimentos às famílias,

ou se, por outro lado, numa perspetiva e de uma forma equivocada, se está a referir ao período entre 2015 e

2018, em que se contrataram mais 9000 profissionais de saúde, em que se deu médico de família a mais 500

000 portugueses e em que se investiu em novos centros de saúde e em novos hospitais.

Página 23

6 DE OUTUBRO DE 2018

23

Aplausos do PS.

Por isso, Sr.as e Srs. Deputados, a qualidade na resposta é um conceito multidimensional e nos processos

assistenciais a melhoria de prestação dos cuidados é bem evidente nestes últimos três anos, uma melhoria,

desde logo, no livre acesso ao Serviço Nacional de Saúde; uma melhoria na adequação dos cuidados, com um

reforço nos cuidados primários, com o novo programa de saúde oral, o rastreio visual, mais nutricionistas, mais

psicólogos, mais médicos de família; uma melhoria no acesso e equidade, com mais USF do que em 2015 e

com cerca de 94% de população coberta com médico família; uma melhoria, agora também, Srs. Deputados, na

oferta de cuidados hospitalares ao domicílio.

O Sr. Luís Vales (PSD): — Têm de ouvir as pessoas!

O Sr. António Sales (PS): — Por isso, Sr.as e Srs. Deputados, os portugueses recuperaram a confiança no

Serviço Nacional de Saúde: melhor acesso aos serviços de urgência, com mais 300 000 episódios de urgência,

a que não são alheios a redução de taxas moderadoras; mais 107 000 primeiras consultas do que em 2015;

mais 30 000 cirurgias programadas; mais 5,7% de cirurgias de ambulatório.

Ora, naturalmente, Srs. Deputados, um tal aumento de produção assistencial com certeza que levaria a

aumento de procura por parte dos portugueses.

Risos do PSD.

Mais acesso e em melhores condições, claro, levam a um aumento das listas de espera, proporcionalmente

— repito, proporcionalmente!

Protestos do PSD.

Ainda bem que assim é, Srs. Deputados,…

O Sr. Luís Vales (PSD): — Ainda bem, não! E a promessa do Governo?

O Sr. António Sales (PS): — … pois queremos que mais portugueses tenham acesso e não nos

preocupamos com a manipulação populista que os senhores fazem da realidade com fins eleitoralistas.

Em 2016, fizeram-se 677 000 cirurgias e, em 2017, cerca de 684 000; os tempos de resposta programados

respeitaram-se em cerca de 86% dos doentes;…

A Sr.ª Rosa Maria Bastos Albernaz (PS): — Muito bem!

O Sr. António Sales (PS): — … em 87% dos 49 hospitais do Serviço Nacional de Saúde os tempos de

resposta foram cumpridos para primeiras consultas de especialidade com prioridade normal.

Esta é a prova de que os portugueses recuperaram a confiança nos serviços públicos de saúde.

Sr. Deputado João Dias, é por isso que perguntamos em que perspetiva é que os Srs. Deputados do PSD

vêm falar da qualidade dos respetivos serviços de saúde.

Em que perspetiva é que pretendem apresentar novas propostas, para além da entrega do SNS aos

privados? Será na perspetiva de quem quer depreciar e exaurir o Serviço Nacional de Saúde para o entregar de

mão beijada aos privado, ou, por outro lado, será na perspetiva de reforçar os seus pilares de sustentabilidade,

de transparência e qualidade?

Sr. Deputado João Dias, sabemos que o tempo eleitoral é muito importante para o PSD e para o CDS e por

isso a atrapalhação é tanta que o tempo eleitoral se sobrepõe ao discernimento.

Para nós, Partido Socialista, e para este Governo, há um tempo para lá do tempo e esse é o tempo de

oferecer melhores condições a todos os portugueses e de forma igual.

Página 24

I SÉRIE — NÚMERO 8

24

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Para pedir esclarecimentos, tem a palavra a Sr.ª Deputada Isabel

Galriça Neto.

A Sr.ª Isabel Galriça Neto (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, temos vindo a falar de um

tema premente, o dos serviços públicos no nosso País. Mas para quem, de facto, estiver a ouvir este debate,

parece que daquele lado das bancadas o que se traça é um retrato cor-de-rosa de uma realidade que não cola

e que os portugueses sabem que é falsa. Refiro-me, nomeadamente, à questão dos serviços de saúde.

Se não, vejamos: temos uma reforma dos cuidados de saúde primários que está parada; temos atrasos nos

cuidados continuados e paliativos que são tremendos; temos o estatuto do cuidador que está bloqueado; temos

a ausência de investimento nas infraestruturas e nos equipamentos; há demissões e greves em massa. Isto é

factual, Srs. Deputados.

É isto que vemos os Srs. Deputados, num contorcionismo penoso, virem denunciar, preocupados, nas

comissões, mas depois, em Plenário, estão calados e nada dizem sobre esta penosa realidade que revela uma

insensibilidade social deste Governo que, efetivamente, tem um Ministro das Finanças e Secretários de Estado

que estão manietados. Portanto, não compreendemos como é que os senhores dão cobro a esta insensibilidade

social do Governo.

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Muito bem!

A Sr.ª Isabel Galriça Neto (CDS-PP): — Como disse, é penoso ver hoje o Bloco de Esquerda, o PCP e Os

Verdes neste contorcionismo. Aliás, se calhar, é para serem mais solidários com este malabarismo denunciado

hoje em que os hospitais portugueses, efetivamente, estão a fazer de tudo para conseguir manter cuidados de

qualidade, os tais cuidados de qualidade que os senhores continuam a achar que existem mas que, na realidade,

os portugueses dão conta que não é possível manter.

Os senhores, todos os dias, querem dizer e proclamar que apoiam os profissionais, mas, depois, aqui,

quando é preciso, o que vêm fazer é sancionar as políticas do Governo que, efetivamente, levam ao

descontentamento e ao desespero dos profissionais de saúde.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Ó Sr.ª Deputada, sinceramente!…

A Sr.ª Isabel Galriça Neto (CDS-PP): — Portanto, de uma forma muito breve, Sr. Deputado, e atendendo

efetivamente à realidade e a todos os anúncios e proclamações que temos visto e que não se cumprem, o que

quero muito perguntar-lhe, olhos nos olhos, é se o senhor acha que é, ou não, tempo de este Governo falar a

verdade aos portugueses e de se deixar de proclamações e de anúncios que, depois, não se cumprem, na

realidade. É, ou não, tempo de este Governo deixar a política do passa-culpas e assumir responsabilidades

efetivas? Isto porque está no Governo há três anos, os senhores estão a apoiá-lo em cada Orçamento há três

anos!

É, ou não, tempo, Sr. Deputado, de deixar a insensibilidade social e de garantir melhores cuidados de saúde

aos portugueses?

Aplausos do CDS-PP.

O Sr. Moisés Ferreira (BE): — Esta intervenção veio acrescentar muito ao debate…

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Para uma segunda intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado

João Dias.

O Sr. João Dias (PCP): — Sr. Presidente, queria agradecer ao Sr. Deputado António Sales e à Sr.ª Deputada

Isabel Galriça Neto pelas questões abordadas.

Página 25

6 DE OUTUBRO DE 2018

25

De facto, nem sequer vou falar das questões de amnésia que parecem ter ficado bem evidentes e claras. A

verdade é que se a demagogia pagasse imposto, certamente Portugal estaria neste momento com a situação

financeira resolvida porque a demagogia, hoje, chegou e sobrou.

Protestos do CDS-PP.

Não temos dúvidas de que assistimos, hoje, a um golpe palaciano do PSD, que veio aqui sacudir a água do

capote e chorar lágrimas de crocodilo com uma preocupação tão grande com os serviços públicos. Mas, na

verdade, a sua preocupação é a de transformar aquilo a que os senhores chamavam as gorduras do Estado no

engordar do setor privado.

Essa é que é a verdade e essa é que é a vossa preocupação e nunca foi outra desde que defendem uma

política de direita.

Aplausos do PCP.

É por isso que nós, PCP, defendemos uma política alternativa, Sr. Deputado António Sales. A verdade é que

não basta deixar de fazer só o que o PSD estava a fazer, é preciso ir mais longe e é isto que perguntamos ao

PS: está o PS disponível para reforçar os serviços públicos, como eles merecem, como a população merece?

Está o PS disponível para dotar os serviços públicos de meios, competências e profissionais, com respeito pelos

profissionais? É que sem profissionais não temos serviços públicos, sem profissionais devidamente

reconhecidos e dignamente pagos não temos serviços públicos de qualidade, não temos serviços públicos que

garantam aquilo de que a população precisa.

Portanto, é tempo, sim, de reforçar o Serviço Nacional de Saúde; é tempo de reforçar a mobilidade; é tempo

de reforçar a educação; é tempo de reforçar a justiça; é tempo de mudar de política. É tempo da política

alternativa, que o PCP defende e da qual não abdica.

Aplausos do PCP.

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Tem a palavra, para uma intervenção, o Sr. Deputado Heitor de

Sousa.

O Sr. Heitor de Sousa (BE): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: O PSD trouxe hoje a debate a

qualidade dos serviços públicos, mas o que, na realidade, quer discutir — e acho relevante que o faça — é o

investimento público e a sua evolução, as decisões que contam para esse investimento no nosso País. Isto

porque é de investimento público que estamos a falar quando discutimos a melhoria da qualidade, ou a falta de

qualidade, que os serviços públicos revelam um pouco por todos os setores de atividade.

O Sr. Deputado Pedro do Ó Ramos não ignora que discutir o investimento público é discutir uma variável

estratégica, cujo período de realização e de maturação tem à sua frente normalmente 3, 4 anos para começar

a produzir efeitos.

Na sua intervenção, o Sr. Deputado dizia que não havia comboios, o que é verdade, que não havia

transportes públicos suficientes, o que é verdade.

Protestos do Deputado do PSD Pedro do Ó Ramos.

Mas, Sr. Deputado, porque é que não há comboios, porque é que não há autocarros e metros em número

suficiente para acudir às necessidades de transporte?

O Sr. Moisés Ferreira (BE): — Boa pergunta!

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — Digam vocês que já lá estão há três anos!

Página 26

I SÉRIE — NÚMERO 8

26

O Sr. Heitor de Sousa (BE): — Sr. Deputado, essas decisões, como digo, são decisões estratégicas.

Estamos com três anos deste Governo e já tivemos ocasião de ouvir responsáveis de empresas públicas, como,

por exemplo, da CP, que vieram informar a Câmara que o que o Governo está a decidir hoje em relação à

aquisição de 22 comboios novos para o serviço regional só estará em funcionamento em Portugal em 2023, ou

seja, daqui a quatro anos.

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — Mas o Governo começou agora e já lá estão há três anos!

O Sr. Heitor de Sousa (BE): — Portanto, Sr. Deputado Pedro Ramos, quando perguntava, na sua

intervenção, porque é que não há comboios, a resposta é porque, nomeadamente há quatro anos, quando os

senhores estavam no Governo, apoiados pelo CDS, não decidiram a compra de comboios para substituir

aqueles que estão, efetivamente, em fim de vida útil e que deviam ter sido substituídos atempadamente, por

decisão que o seu Governo não tomou.

O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Exatamente!

O Sr. Heitor de Sousa (BE): — O Sr. Deputado também dizia na sua intervenção que temos de ir aos

números do investimento público, nomeadamente aos números do investimento na ferrovia em Portugal.

Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística, Sr. Deputado, sabia que o investimento médio, entre

2012 e 2015 — os anos efetivamente úteis para a decisão de investimento na ferrovia —, foi de 113,8 milhões

de euros? Isto anualmente e em média.

E sabe qual foi o investimento que se fez entre 1999 e 2010, segundo dados do Instituto Nacional de

Estatística? Foi 528,3 milhões de euros, por ano.

Qual foi o ano em que houve a maior redução ao nível do investimento público ferroviário? Foi 2012, em que

o investimento, face a 2011, caiu 84%, Sr. Deputado.

Protestos do Deputado do PSD Pedro do Ó Ramos.

Repito: caiu 84%, passou a 86 milhões de euros, em 2012.

Portanto, em matéria de ferrovia, estas decisões estratégicas que têm a ver com serviços públicos,

nomeadamente com os meios de transporte que era necessário manter em funcionamento, que era necessário

reparar ou comprar para substituir os que estavam em fim de vida útil, não foram tomadas propositadamente

pelo vosso Governo. Porquê? Não foi apenas porque os senhores têm alergia aos serviços públicos — isso já

se sabe. A teoria da direita, em matéria de serviços públicos, é a de que esses serviços, quando são providos

pelo Estado, revelam uma enorme ineficiência e, portanto, devem ser privatizados, supostamente, para

aumentar a sua eficiência.

Já sabemos que é essa a vossa linha de pensamento. Estamos frontalmente contra, porque achamos que

quem sofre com essas decisões é o povo e os que defendem a qualidade dos serviços públicos, precisamente

o tema da vossa interpelação de hoje.

O Sr. Deputado não se lembra, certamente, das 23 carruagens que, no metropolitano de Lisboa, ficaram

subitamente encostadas porque não foram tomadas atempadamente as decisões estratégicas de investimento

para a substituição dos rodados que estavam em fim de vida útil?!

Em matéria de transportes, Sr. Deputado, como sabe, não é possível fazer andar uma carruagem quando a

sua quilometragem compromete a segurança dos passageiros.

Portanto, Sr. Deputado, sim, temos de discutir os números, mas temos de olhar para eles a longo prazo e

tomar as decisões certas na altura certa para que a qualidade dos serviços públicos não seja afetada, já que

tais serviços são pagos pelos impostos das pessoas.

Aplausos do BE.

Página 27

6 DE OUTUBRO DE 2018

27

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Sr. Deputado, a sua intervenção não suscitou qualquer pedido

de esclarecimento, pelo que passo de imediato a palavra ao Sr. Deputado Santinho Pacheco, para uma

intervenção.

O Sr. Santinho Pacheco (PS): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: O PSD vem hoje a esta Câmara

questionar sobre a qualidade dos serviços públicos existentes e o seu colapso. Está tudo mal, concluiu, e daí

tantas greves e paralisações. Está instalado um verdadeiro caos.

Quem ouviu o Sr. Deputado Pedro do Ó Ramos deve interrogar-se por onde andava nos anos 2011 a 2015

para ter a ousadia de nos vir falar assim. Um pouco de humildade e melhor memória só ficava bem ao PSD!

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — Nós temos memória!

O Sr. Santinho Pacheco (PS): — O PSD devia saber interpretar os resultados das eleições autárquicas,

sobre as quais passou agora um ano, a meio de uma Legislatura. Enquanto o PS obteve uma vitória histórica,

o PSD não só perdeu inúmeras câmaras e freguesias, algumas que governava desde 1976, como perdeu as

suas posições nos distritos do interior onde sempre foi maioritário.

O Sr. Pedro do Ó Ramos (PSD): — E quem é que ganhou, em 2015, as eleições legislativas?!

O Sr. Santinho Pacheco (PS): — Tudo isto aconteceu porquê? A resposta é simples: o PSD abandona,

maltrata e esquece os territórios de baixa densidade e os cidadãos deram-lhe a paga.

Na introdução que o Sr. Deputado Pedro do Ó Ramos fez deste debate falou de tudo, mas nem uma palavra

teve sobre o interior. As políticas neoliberais que com o CDS levou a cabo no Governo de Passos Coelho e

Paulo Portas não respondem aos problemas desses territórios envelhecidos, desses territórios despovoados do

interior raiano, não são solução para as suas carências.

A saber: a extinção dos governos civis só serviu para tirar peso político e capacidade reivindicativa aos

distritos mais periféricos — todos o reconhecem; juntas extintas a régua e esquadro e sem critério deixaram as

populações ainda mais desprotegidas, entregues a si próprias, sem ninguém a quem recorrer; acabaram com a

discriminação positiva para as empresas; extinguiram tribunais; serviços regionais centralizados no litoral;

empresas no papel, a fingir deslocalizações; os CTT foram privatizados sem cuidar por um serviço postal

universal; descapitalizaram a Caixa Geral de Depósitos com o objetivo de a vender a privados; optaram por uma

saúde sem SNS e por uma segurança social menos pública e mais das seguradoras.

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Sr. Deputado, queria pedir-lhe o favor de terminar.

O Sr. Santinho Pacheco (PS): — Termino já, Sr. Presidente.

Vêm falar-nos da qualidade dos serviços públicos. Hoje podemos dizer que temos um Governo que faz da

valorização do interior uma prioridade governativa e da coesão territorial um verdadeiro desígnio nacional, ao

devolver ao interior serviços públicos de qualidade e de proximidade para um Estado mais próximo do cidadão.

O nosso interior foi olhado à distância durante demasiado tempo; foi olhado, mas nunca visto. Na senda de

Saramago, se hoje, finalmente, o podemos ver, vamos então nele reparar de verdade.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Srs. Deputados, a Mesa não regista mais inscrições. Não sei se

algum dos grupos parlamentares o pretende fazer…

Pausa.

Não havendo inscrições, passamos, então, à intervenção de encerramento, que cabe ao Sr. Deputado

Cristóvão Ribeiro, do Partido Social Democrata.

Tem a palavra, Sr. Deputado.

Página 28

I SÉRIE — NÚMERO 8

28

O Sr. Cristóvão Simão Ribeiro (PSD): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Como alguém diria, aos

políticos cabe, substancialmente, resolver os problemas do presente, não cabe, de todo, ficar focado num

passado distante, a chorar sobre o que poderiam ou não ter resolvido. E digo mais, Sr.as e Srs. Deputados, só

fala constantemente do passado quem tem medo do presente e quem tem medo de assumir as

responsabilidades da sua ação do dia a dia.

As Sr.as e os Srs. Deputados da esquerda parlamentar tanto fazem jus a este ditame que, aqui, chegaram ao

ponto de, pela voz do Bloco de Esquerda — pasme-se! —, intitular este debate, que é um debate de imensa

gravidade, diga-se, de imensa seriedade, e que em tudo diz respeito à vida quotidiana das pessoas, como uma

espécie de «mixórdia de temáticas».

Protestos do BE.

O Sr. Moisés Ferreira (BE): — Classifica bem a intervenção do PSD!

O Sr. Cristóvão Simão Ribeiro (PSD): — Sr. Deputado, até nem é que eu não seja fã de Ricardo Araújo

Pereira, mas não devia brincar com o dia a dia dos portugueses nem chamar «mixórdia de temáticas» a um

conjunto de situações gravíssimas que Portugal enfrenta e que deveriam ser, no mínimo, motivo de decoro e de

mais respeito do Sr. Deputado para com as pessoas.

Aplausos do PSD.

Chamar «mixórdia de temáticas» à degradação dos serviços públicos é, Sr. Deputado, chamar «mixordeiros»

aos portugueses. E isto, Sr.as e Srs. Deputados, não vos posso consentir.

Aplausos do PSD.

Os portugueses não são mixordeiros! E, Sr. Deputado, se quiser conjeturar, mixórdia é a solução governativa

por vocês encontrada, que mistura leninistas, comunistas, estalinistas, socialistas e uns quantos mais

especialistas em vender contos de fadas aos portugueses.

Aplausos do PSD.

Protestos do BE e do PCP.

Senão, vejamos.

Os senhores estão à entrada da 3.ª Sessão Legislativa, três Orçamentos do Estado volvidos…

Protestos do BE e do PCP.

Ainda bem que recordam, Srs. Deputados! Os senhores estão à entrada da 4.ª Sessão Legislativa, três

Orçamentos do Estado volvidos, e é imperioso que se fale aqui do presente, da vossa responsabilidade, e não

do passado.

Em 28 de agosto de 2018, Centeno congelou mais 420 milhões de euros à margem do Parlamento, diz uma

notícia do Observador: «Depois das negociações intensas do Orçamento, o Governo cativou mais 420 milhões

de euros de despesa.» — com a vossa conivência — «Valor cativado é o terceiro maior de sempre», mas, diga-

se, os outros dois foram também do Sr. Ministro Centeno, nas Finanças.

O Sr. António Sales (PS): — Grande mixórdia de informação!

O Sr. Cristóvão Simão Ribeiro (PSD): — Sr. Deputado, sei que isto o revolta, mas assuma a

responsabilidade!

Página 29

6 DE OUTUBRO DE 2018

29

Em 14 de agosto de 2018 — não foi em 2011 nem em 2012! —, mais uma notícia: «(…) penúria (…) afeta

de ‘forma grave o funcionamento’ da Justiça. Faltam impressoras, canetas, papel. Não há elevadores, nuns

casos, há pragas, noutros. E, por vezes, até a segurança de quem lá vai não está garantida (…)». Sr.as e Srs.

Deputados, isto foi noticiado em 14 de agosto de 2018, com o vosso Governo e com o vosso apoio!

Aplausos do PSD.

Em 18 de agosto de 2018, mais notícias: reformas pagas com 9 meses de atraso;atrasos nas pensões põem

em causa direitos dos cidadãos; pagamentos de pensões de velhice, invalidez ou sobrevivência chegam a

demorar um ano. É o Relatório Anual da Provedoria de Justiça que o diz, não somos nós, Sr.as e Srs. Deputados!

E o Sr. Ministro reconhece, obviamente — vá lá! —, o atraso no pagamento das pensões.

Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, em 11 de julho de 2018, outra notícia: CP está à beira da rutura devido

aos comboios velhos e avariados. Isto não foi em 2011, Srs. Deputados, foi em 2018.

Mais: Trabalhadores ferroviários voltam a alertar: «Se nada for feito pode haver uma desgraça».

Em 16 de fevereiro de 2018, outra notícia: Centeno proíbe hospitais de pagarem a fornecedores.

Mais uma: Hospitais privados recusam-se a operar doentes da ADSE.

Sr.as e Srs. Deputados, é esta a mixórdia de temáticas que os senhores aqui propalam para esconder a

fantasia da vossa ação governativa. Mas os portugueses têm memória e sabem muito bem aquilo que os

senhores têm vindo a fazer.

Mas falemos, então, de saúde, Sr.as e Srs. Deputados. Vamos fazer um diagnóstico à saúde da saúde dos

portugueses e à saúde da ação governativa deste Governo. E quais são os sintomas, que estão, de resto, à

vista de todos? Aumento do número de queixas dos doentes; demissões consecutivas e frequentes de

responsáveis hospitalares; greves recorrentes de enfermeiros, médicos e outros profissionais do Serviço

Nacional de Saúde; estagnação dos cuidados de saúde primários…

Protestos do Deputado do PCP João Oliveira.

Ó Sr. Deputado, sei que as greves o irritam porque, normalmente, estão nas vossas mãos para contrariar

ações do Governo, mas hoje censuram-no também a si, porque tem responsabilidades. Não se incomode, Sr.

Deputado, assuma as responsabilidades do vosso apoio, do vosso voto e do que têm estado a fazer ao lado do

Partido Socialista.

Aplausos do PSD.

Mas continuemos com os sintomas, que estão, de resto, à vista de todos: crescimento da rede de cuidados

paliativos totalmente irrisório; estagnação na reforma dos cuidados de saúde primários; quota de mercado dos

medicamentos genéricos congelada; dívida total do SNS a subir de 1437 milhões de euros para 1928 milhões

de euros; aumento do tempo de espera médio para consultas de 115 para 121 dias, interrompendo, aliás, um

ciclo de diminuição desde 2011; aumento do número de utentes em espera para cirurgia em 14 000; hospitais

sem dinheiro para pagar horas extra que exigem aos trabalhadores.

Entretanto, reassumiu a presidência o Presidente, Eduardo Ferro Rodrigues.

O Sr. Presidente: — Peço-lhe que conclua, Sr. Deputado.

O Sr. Cristóvão Simão Ribeiro (PSD): — Vou terminar, Sr. Presidente.

Sr.as e Srs. Deputados, quando falamos do estado do SNS não falamos de números, de dívidas, de queixas,

falamos da saúde dos portugueses e da falta de decoro e de vergonha que os senhores têm, ao não assumirem

as vossas responsabilidades.

O Sr. Presidente: — Tem mesmo de concluir, Sr. Deputado.

Página 30

I SÉRIE — NÚMERO 8

30

O Sr. Cristóvão Simão Ribeiro (PSD): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, para terminar, aquilo que

se exige aos políticos e, sobretudo, àqueles que governam e àqueles que apoiam o Governo é que respondam

aos problemas efetivos das pessoas, ao sofrimento dos utentes, ao sofrimento dos portugueses e que não

continuem a vender fantasias.

Protestos do PS.

Assumam de vez as vossas responsabilidades, nesta que é a última sessão legislativa, a 4.ª Sessão

Legislativa — obrigado por me lembrarem, Srs. Deputados —,…

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, já ultrapassou largamente o tempo de que dispunha.

O Sr. Cristóvão Simão Ribeiro (PSD): — … com os votos do PCP, do Bloco de Esquerda e de Os Verdes.

Sr. Presidente, agradeço a sua tolerância.

Aplausos do PSD.

O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, chegámos ao fim do debate e, tal como estava previsto, vamos

proceder às votações regimentais.

Peço, pois, aos serviços que acionem o sistema, para podermos proceder ao registo e à verificação eletrónica

de quórum.

Pausa.

Srs. Deputados, o quadro eletrónico regista 193 presenças, às quais se acrescentam 2 Deputados do PSD

(Cristóvão Norte, José Silvano), 3 Deputados do PS (Isabel Alves Moreira, Pedro Coimbra e Pedro Delgado

Alves), 4 Deputados do BE (Catarina Martins, Joana Mortágua, Jorge Costa e José Moura Soeiro), 3 Deputados

do CDS-PP (Ana Rita Bessa, Cecília Meireles e Hélder Amaral) e 1 Deputado do PAN (André Silva), perfazendo

206 Deputados presentes, pelo que temos quórum para proceder às votações.

Vamos começar por votar o Voto n.º 629/XIII/4.ª (apresentado pelo PAR e subscrito por Deputados do PS)

— De pesar pelo falecimento de Helena Almeida.

Peço ao Sr. Secretário da Mesa, Deputado António Carlos Monteiro, o favor de ler este voto.

O Sr. Secretário (António Carlos Monteiro): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, o voto é do seguinte

teor:

«É com sentido pesar que a Assembleia da República assinala o falecimento de Helena Almeida.

Helena Almeida, filha do escultor Leopoldo de Almeida, nasceu em Lisboa em 1934, tendo concluído o curso

de Pintura na Escola Superior de Belas Artes no ano de 1955.

Com o nascimento dos filhos, Helena Almeida adia por alguns anos o desenvolvimento da sua obra, exposta

pela primeira vez em Lisboa em 1967, depois de uma passagem por Paris onde esteve como bolseira.

O reconhecimento nacional e internacional é ainda mais tardio, embora já inegável na viragem do século.

É na fotografia e na reflexão sobre si própria e sobre o trabalho artístico que Helena Almeida encontra um

lugar único e complexo, estando hoje presente em coleções tão relevantes como a da Gulbenkian, da Tate

Modern ou do Museu Reina Sofia.

Quebrando as fronteiras entre o desenho, a pintura, o vídeo, a fotografia e a arte performativa, Helena

Almeida rompeu as convenções com o seu trabalho, revestiu-se com uma tela e construiu-se numa obra

verdadeiramente pessoal e original.

Das grandes exposições em Portugal, destacam-se «Pés no chão, cabeça no Céu», no Centro Cultural de

Belém, em 2004, ou mais recentemente a retrospetiva feita em Serralves, que passou também pelo Jeux de

Paume, em Paris, e pelo Wiels, em Bruxelas.

O título desta retrospetiva resume muito bem a originalidade, a força e o sentido do seu trabalho: «A minha

obra é o meu corpo, o meu corpo é a minha obra».

Página 31

6 DE OUTUBRO DE 2018

31

Trata-se sem dúvida de um grande nome da arte contemporânea nacional e internacional.

Reunidos em sessão plenária, os Deputados à Assembleia da República reconhecem, assim, o percurso de

Helena Almeida no contexto da cultura portuguesa, e transmitem à sua família e amigos as mais profundas

condolências pelo seu desaparecimento.»

O Sr. Presidente: — Muito obrigado, Sr. Secretário.

Srs. Deputados, vamos votar este voto.

Submetido à votação, foi aprovado por unanimidade.

Segue-se o Voto n.º 630/XIII/4.ª (apresentado pelo PS e pelo PCP) — De pesar pelo falecimento de Fernando

Fernandes.

Peço ao Sr. Secretário, Deputado Diogo Leão, o favor de proceder à leitura deste voto.

O Sr. Secretário (Diogo Leão): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, o voto é do seguinte teor:

«Foi com profundo pesar que a Assembleia da República tomou conhecimento do falecimento do histórico

livreiro Fernando Fernandes.

Nascido em Espinho, à data de 25 de janeiro de 1934, Fernando de Lima Pinho Fernandes fundou, em 1958,

na cidade do Porto, com José Augusto Seabra, Carlos Porto e Vítor Alegria, a livraria e galeria Divulgação, que

rapidamente se tornou um espaço de exposição e divulgação para trabalhos de jovens artistas contemporâneos

da época.

Uma década mais tarde, em 1968, fundou a livraria Leitura, espaço que durante anos, mais do que lugar

para livros, foi lugar de resistência contra a ditadura, comercializando livros proibidos pela censura. Numa época

de repressão constante, à livraria de Fernando Fernandes chegavam centenas de livros importados, criando por

isso um espaço que serviu de casa para o pensamento e permitindo que se encontrasse, naquele lugar, o que

durante anos não se pôde ler.

A Leitura tornou-se numa das mais emblemáticas livrarias do Porto, adquirindo um significado cultural

inestimável no plano local, regional e nacional. Destacou-se pelo vasto catálogo de mais de 120 000 exemplares,

onde constavam obras raras, nacionais e estrangeiras, bem como publicações dos mais conhecidos aos mais

desconhecidos autores.

Por muitos considerado o «senhor livro», o «poeta dos livros» e até mesmo «o maior dos livreiros de

Portugal», como lhe viria a chamar a escritora Agustina Bessa-Luís, Fernando Fernandes fez da Leitura uma

referência cultural da cidade e do País.

Reformou-se em 1999, ano em que também foi homenageado pela Câmara Municipal do Porto com a

atribuição da Medalha de Ouro da Cidade, tendo também sido condecorado com a Ordem de Mérito pelo, então,

Presidente da República Jorge Sampaio.

Reunidos em sessão plenária, os Deputados à Assembleia da República manifestam à família e amigos de

Fernando Fernandes o mais sentido pesar pelo seu desaparecimento.»

O Sr. Presidente: — Muito obrigado, Sr. Secretário.

Srs. Deputados, vamos votar este voto.

Submetido à votação, foi aprovado por unanimidade.

Vamos passar ao Voto n.º 631/XIII/4.ª (apresentado pelo PCP e subscrito por Deputados do PS) — De pesar

pelo falecimento de Alves Barbosa.

Sr.ª Secretária, Deputada Sandra Pontedeira, agradeço-lhe o favor de ler este voto.

A Sr.ª Secretária (Sandra Pontedeira): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, o voto é do seguinte teor:

«António da Silva Barbosa, conhecido por Alves Barbosa, considerado como uma das maiores figuras da

história do ciclismo português, faleceu a 29 de setembro de 2018, na Figueira da Foz.

Página 32

I SÉRIE — NÚMERO 8

32

Nascido a 24 de dezembro de 1931, em Vila Verde, Figueira da Foz, Alves Barbosa, que representou sempre

o Sangalhos, foi o primeiro ciclista português a vencer três vezes a Volta a Portugal em Bicicleta (nas edições

de 1951, 1956 e 1958) e ficou colocado entre os dez primeiros lugares na Volta à França em Bicicleta, no ano

de 1956.

Depois desta estreia, Alves Barbosa participou em mais três edições da Volta à França (nos anos de 1957,

1958 e 1960), mas também da Volta a Espanha (em 1957, 1958 e 1960), em duas edições da Volta a Marrocos

(em 1952 e 1960) e da Volta à Andaluzia (nos anos de 1960 e 1961).

Depois de abandonar a carreira de ciclista, foi treinador do Sport Lisboa e Benfica e Diretor Técnico Nacional

da modalidade (de 1975 a 1978 e de 1989 a 1992).

Em 1990, recebeu a Medalha de Mérito Desportivo e, em 2007, foi condecorado com a Medalha de Ouro da

Juventude e dos Desportos de França.

A Assembleia da República, reunida em sessão plenária, expressa o seu pesar pelo falecimento de Alves

Barbosa e endereça à sua família e à Federação Portuguesa de Ciclismo as suas condolências.»

O Sr. Presidente: — Muito obrigado, Sr.ª Secretária Sandra Pontedeira.

Srs. Deputados, vamos votar este voto de pesar.

Submetido à votação, foi aprovado por unanimidade.

Passamos ao Voto n.º 632/XIII/4.ª (apresentado pelo PCP e subscrito por um Deputado do PSD) — De pesar

pelo falecimento de Manuel Beja.

Peço, mais uma vez, ao Sr. Secretário da Mesa, Deputado Diogo Leão, o favor de ler este voto.

O Sr. Secretário (Diogo Leão): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, o voto é do seguinte teor:

«Manuel Beja, nascido em Alcobaça em 24 de fevereiro de 1944, faleceu no passado dia 29 de setembro,

aos 73 anos.

Imigrante na Suíça desde 1971, destacou-se pela sua luta incansável em defesa dos direitos e interesses

dos trabalhadores portugueses a viver na Suíça, e de todos os portugueses que tiveram de procurar no

estrangeiro melhores condições de vida e de trabalho.

Militante do Partido Comunista Português desde 1974, Manuel Beja foi um destacado sindicalista, dirigente

associativo, membro do Conselho das Comunidades Portuguesas e Presidente da Associação de Reencontro

dos Emigrantes.

Em 2007, recebeu da Presidência da República o grau de Comendador da Ordem de Mérito, como

reconhecimento do seu trabalho em prol das comunidades portuguesas.

A Assembleia da República, reunida em sessão plenária, expressa o seu pesar pelo falecimento de Manuel

Beja e endereça sentidas condolências à sua família e ao PCP.»

O Sr. Presidente: — Muito obrigado, Sr. Secretário.

Srs. Deputados, vamos votar.

Submetido à votação, foi aprovado por unanimidade.

Temos, por fim, o Voto n.º 633/XIII/4.ª (apresentado pelo PAR e subscrito por Deputados do PSD e do PS)

— De pesar pelas vítimas do sismo e tsunami que atingiram a Indonésia.

Peço ao Sr. Secretário, Deputado Pedro Alves, o favor de proceder à leitura do voto.

O Sr. Secretário (Pedro Alves): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, o voto é do seguinte teor:

«Na passada sexta-feira, dia 28 de setembro, um sismo, com magnitude 7.5 na escala de Richter, e o tsunami

que se lhe seguiu devastaram a cidade de Palu, na ilha indonésia de Celebes e inúmeras zonas costeiras,

provocando mais de 1400 mortos, centenas de feridos e cerca de 16 000 deslocados.

Atenta a gravidade do sucedido, as autoridades locais ativaram pedidos de ajuda internacional de emergência

para responder ao desastre.

Página 33

6 DE OUTUBRO DE 2018

33

A União Europeia já indicou que vai avançar com 1,5 milhões de euros para prestar ajuda humanitária de

emergência às vítimas.

A par desta ajuda, a Comissão Europeia enviou um perito para coordenar as equipas de resgate da União

Europeia destacadas no terreno e ativou o serviço de emergência do satélite comunitário Copérnico para criar

mapas das zonas afetadas, assegurando a solidariedade com as vítimas e a disponibilização de meios técnicos

que reforcem a qualidade e celeridade da resposta.

Reunida em sessão plenária, a Assembleia da República manifesta às autoridades e ao povo da Indonésia

a sua total solidariedade perante esta tragédia e transmite às famílias e amigos das vítimas o seu mais sentido

pesar.»

O Sr. Presidente: — Muito obrigado, Sr. Secretário.

Srs. Deputados, vamos votar.

Submetido à votação, foi aprovado por unanimidade.

Srs. Deputados, relativamente a todos estes votos de pesar que acabámos de aprovar, vamos guardar 1

minuto de silêncio.

A Câmara guardou, de pé, 1 minuto de silêncio.

Vamos prosseguir as votações, com a votação, na generalidade, do Projeto de Lei n.º 980/XIII/3.ª (PAN) —

Prevê a melhoria do sistema de identificação do fim funcional de equídeos com vista à sua proteção.

Submetido à votação, foi rejeitado, com votos contra do PSD, do PS, do CDS-PP e do PCP, votos a favor do

BE e do PAN e abstenções de Os Verdes, dos Deputados do PS Luís Graça, Paulo Trigo Pereira, Pedro Delgado

Alves e do Deputado do CDS-PP João Rebelo.

Vamos passar à votação do Projeto de Resolução n.º 1785/XIII/3.ª (PAN) — Recomenda ao Governo a

elaboração de levantamento sobre a utilização de equídeos em veículos de tração animal e consequente

regulamentação.

Submetido à votação, foi rejeitado, com votos contra do PSD, do PS, do CDS-PP e do PCP e votos a favor

do BE, de Os Verdes, do PAN, dos Deputados do PS Luís Graça, Paulo Trigo Pereira e Pedro Delgado Alves e

do Deputado do CDS-PP João Rebelo.

O Sr. António Lima Costa (PSD): — Sr. Presidente, permite-me o uso da palavra?

O Sr. Presidente: — Faça favor, Sr. Deputado.

O Sr. António Lima Costa (PSD): — Sr. Presidente, quero informar que, sobre esta última votação, o Grupo

Parlamentar do PSD apresentará uma declaração de voto.

O Sr. Presidente: — Fica registado, Sr. Deputado.

Tem a palavra a Sr.ª Deputada Patrícia Fonseca.

A Sr.ª Patrícia Fonseca (CDS-PP): — Sr. Presidente, o Grupo Parlamentar do CDS também apresentará

uma declaração de voto relativamente a esta votação.

O Sr. Presidente: — Fica registado, Sr.ª Deputada.

Vamos passar à votação, na generalidade, do Projeto de Lei n.º 538/XIII/2.ª (PEV) — Proíbe a caça à raposa

e ao saca-rabos e exclui estas espécies da lista de espécies cinegéticas, procedendo à oitava alteração ao

Decreto-Lei n.º 202/2004, de 18 de agosto.

Página 34

I SÉRIE — NÚMERO 8

34

Submetido à votação, foi rejeitado, com votos contra do PSD, do PS, do PCP e do CDS-PP, votos a favor do

BE, de Os Verdes, do PAN e do Deputado do PS Paulo Trigo Pereira e abstenções dos Deputados do PS Luís

Graça e Pedro Delgado Alves.

Passamos agora à votação, na generalidade, do Projeto de Lei n.º 982/XIII/3.ª (PAN) — Impede a caça à

raposa com recurso à paulada e a matilhas.

Submetido à votação, foi rejeitado, com votos contra do PSD, do PS, do CDS-PP e do PCP, votos a favor do

BE, do PAN, do Deputado do PS Paulo Trigo Pereira e do Deputado do CDS-PP João Rebelo e abstenções de

Os Verdes e dos Deputados do PS Ana Passos, Luís Graça, Pedro Delgado Alves e Wanda Guimarães.

Srs. Deputados, segue-se a votação, na generalidade, do Projeto de Lei n.º 983/XIII/3.ª (PAN) — Retira a

raposa e os saca-rabos da lista de espécies sujeitas a exploração cinegética.

Submetido à votação, foi rejeitado, com votos contra do PSD, do PS, do CDS-PP e do PCP, votos a favor do

BE, de Os Verdes e do PAN e abstenções dos Deputados do PS Luís Graça, Paulo Trigo Pereira e Pedro

Delgado Alves.

Passamos à votação, na generalidade, do Projeto de Lei n.º 996/XIII/4.ª (BE) — Interdita a caça à raposa e

ao saca-rabos e retira essas espécies da lista de espécies cinegéticas.

Submetido à votação, foi rejeitado, com votos contra do PSD, do PS, do CDS-PP e do PCP, votos a favor do

BE, de Os Verdes, do PAN e do Deputado do PS Paulo Trigo Pereira e abstenções dos Deputados do PS Luís

Graça e Pedro Delgado Alves.

O Sr. Paulo Trigo Pereira (PS): — Peço a palavra, Sr. Presidente.

O Sr. Presidente: — Para que efeito, Sr. Deputado?

O Sr. Paulo Trigo Pereira (PS): — Sr. Presidente, é para anunciar que, sobre a votação destes quatro

projetos de lei, apresentarei uma declaração de voto.

O Sr. Presidente: — Fica registado, Sr. Deputado.

Vamos, agora, votar o Projeto de Resolução n.º 1751/XIII/3.ª (PAN) — Recomenda ao Governo que promova

a melhoria das condições de saúde mental, em ambiente laboral, nas forças e serviços de segurança, criando

um programa de promoção da resiliência psicológica dos operacionais.

Submetido à votação, foi rejeitado, com votos contra do PSD, votos a favor do BE, do PCP, de Os Verdes e

do PAN e abstenções do PS e do CDS-PP.

O Sr. João Oliveira (PCP): — O voto do PSD vai ser um sucesso na polícia!

O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, vamos proceder à votação, na generalidade, do Projeto de Resolução

n.º 1759/XIII/3.ª (PCP) — Propõe medidas de reforço dos cuidados paliativos.

Submetido à votação, foi aprovado por unanimidade.

Este diploma baixa à 9.ª Comissão.

Segue-se a votação, na generalidade, do Projeto de Resolução n.º 1803/XIII/3.ª (CDS-PP) — Recomenda

ao Governo o reforço da formação em cuidados paliativos em Portugal.

Página 35

6 DE OUTUBRO DE 2018

35

Submetido à votação, foi aprovado, com votos a favor do PSD, do PS, do BE, do CDS-PP e do PAN e

abstenções do PCP e de Os Verdes.

O Sr. João Dias (PCP): — Peço a palavra, Sr. Presidente.

O Sr. Presidente: — Pede a palavra para que efeito, Sr. Deputado?

O Sr. João Dias (PCP): — Sr. Presidente, é para anunciar que o PCP apresentará uma declaração de voto

sobre a votação deste último projeto de resolução.

O Sr. Presidente: — Fica registado, Sr. Deputado.

Passamos à votação do Projeto de Resolução n.º 1760/XIII/3.ª (PCP) — Recomenda ao Governo o reforço

na resposta do Serviço Nacional de Saúde ao nível dos cuidados continuados.

Submetido à votação, foi aprovado por unanimidade.

Srs. Deputados, vamos proceder à votação final global do texto final, apresentado pela Comissão de Trabalho

e Segurança Social, relativo aos Projetos de Resolução n.os 1791/XIII/3.ª (BE) — Recomenda ao Governo que

garanta que as habilitações literárias não são fator de exclusão da regularização de vínculos e salvaguarde a

situação dos trabalhadores no âmbito do PREVPAP, e 1799/XIII/3.ª (PCP) — Assegura aos trabalhadores sem

o 12.º ano de escolaridade a não exclusão de concurso no âmbito do PREVPAP, considerando os requisitos de

admissão à data de início de funções, e quando necessário conceda um prazo para a aquisição das exigidas

habilitações.

Submetido à votação, foi aprovado, com votos a favor do PS, do BE, do PCP, de Os Verdes e do PAN e

abstenções do PSD e do CDS-PP.

Srs. Deputados, importa, ainda, votar um parecer da Subcomissão de Ética, da Comissão de Assuntos

Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias. Peço ao Sr. Secretário, Deputado Pedro Alves, para nos dar

conta do referido parecer.

O Sr. Secretário (Pedro Alves): — Sr. Presidente e Srs. Deputados, a solicitação do Tribunal Judicial da

Comarca de Lisboa, Juízo Central Cível de Lisboa — Juiz 16, Processo n.º 22384/17.1T8LSB, a Subcomissão

de Ética, da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, decidiu emitir parecer no

sentido de autorizar o Sr. Deputado Carlos Peixoto (PSD) a intervir no âmbito dos referidos autos.

O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, está em apreciação o parecer.

Pausa.

Não havendo pedidos de palavra, vamos votá-lo.

Submetido à votação, foi aprovado por unanimidade.

Srs. Deputados, chegámos ao fim da ordem do dia de hoje.

A próxima sessão plenária realizar-se-á no dia 10 de outubro, quarta-feira, às 15 horas, e terá a seguinte

ordem de trabalhos: debate quinzenal com o Primeiro-Ministro, ao abrigo da alínea a) do n.º 2 do artigo 224.º do

Regimento; debate sobre o estado da União em 2018, nos termos do disposto na alínea c) do n.º 1 do artigo 4.º

da Lei n.º 43/2006, de 25 de agosto, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 21/2012, de 17 de maio, e pela

Lei n.º 18/2018, de 2 de maio (Lei de Acompanhamento, Apreciação e Pronúncia pela Assembleia da República

no âmbito do Processo de Construção da União Europeia), e debate preparatório do próximo Conselho Europeu,

ao abrigo da alínea a) do n.º 1 do artigo 4.º daquela Lei.

Página 36

I SÉRIE — NÚMERO 8

36

Desejo a todos um bom 5 de Outubro e um bom fim de semana.

Está encerrada a sessão.

Eram 12 horas e 11 minutos.

Declarações de voto enviadas à Mesa para publicação

Relativas ao Projeto de Resolução n.º 1785/XIII/3.ª:

O Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata votou contra o Projeto de Resolução n.º 1785/XIII/3.ª

(PAN) — Recomenda ao Governo a elaboração de levantamento sobre a utilização de equídeos em veículos de

tração animal e consequente regulamentação.

Com efeito, o PSD entende que as recomendações do Projeto de Resolução n.º 1785/XIII/3.ª são omissas

quanto às premissas da circulação de equídeos de tração na via pública, nomeadamente na regulamentação

sobre os requisitos necessários para a condução, transporte de passageiros e circulação de veículos de tração

animal na via pública.

Contudo, o PSD não se opõe à utilização de refletores assim como de lanternas laterais de sinalização, nem

a que seja condicionada a utilização de veículos de tração por crianças. A Associação Portuguesa de Atrelagem

parece também acompanhar algumas destas alterações legislativas.

No entanto, o PSD considera que as recomendações previstas no ponto 2 do Projeto de Resolução n.º

1785/XIII/3.ª entram em conflito entre si, razão pela qual votou contra.

O PSD também não discorda do «levantamento do número estimado de pessoas, singulares ou coletivas,

que façam uso deste tipo de veículo para: seu transporte pessoal; fins turísticos; trabalho agrícola e transporte

de cargas», embora não se entenda a utilidade de aprovar uma resolução para a obtenção destes valores.

O Grupo Parlamentar do PSD.

——

O Grupo Parlamentar do CDS-PP considera muito relevantes a prevenção e segurança rodoviária, bem como

o bem-estar animal, pelo que não tem nenhuma oposição, pelo contrário, a que se proceda ao levantamento do

número estimado de pessoas, singulares ou coletivas, que façam uso de veículos de tração animal, quer seja

para transporte pessoal, fins turísticos, trabalho agrícola ou transporte de cargas.

Contudo, como apontámos no debate, o projeto de resolução n.º 1785/XIII/3.ª, que recomenda ao Governo

a elaboração de levantamento sobre a utilização de equídeos de tração animal e consequente regulamentação,

apresentado pelo PAN, contém dois pontos em concreto com os quais não podemos concordar, razão pela qual

votámos contra esta iniciativa.

A existência de seguro é já obrigatória para as empresas licenciadas para atividades de animação turística;

para os restantes casos, em particular os pequenos agricultores e todos os utilizadores de veículos de tração

animal no mundo rural, esta exigência poderia ter um impacto económico extremamente negativo, substancial,

desproporcional ao risco de acidente rodoviário. De igual forma, no que respeita à imposição de um limite

máximo de passageiros e/ou de carga, dada a diversidade de características dos veículos de tração animal,

parece-nos que seria de muito difícil regulamentação e fiscalização, sendo inclusivamente difícil assegurar que

se previam todas as situações.

O Grupo Parlamentar do CDS-PP.

———

Relativa aos Projetos de Lei n.os 538/XIII/2.ª, 982/XIII/3.ª, 983/XIII/3.ª e 996/XIII/4.ª:

Os Projetos de Lei n.os 538/XIII/2.ª (Os Verdes), 982/XIII/3.ª (PAN), 983/XIII/3.ª (PAN) e 996/XIII/4.ª (BE),

fazendo eco de algumas preocupações suscitadas por uma petição subscrita por um grupo de 11 546 cidadãos,

Página 37

6 DE OUTUBRO DE 2018

37

propõem que se interdite a caça à raposa e ao saca-rabos, por via de um conjunto de alterações ao Decreto-Lei

n.º 202/2004, de 18 de agosto, que fazem com que estas duas espécies deixem de ser consideradas espécies

sujeitas a exploração cinegética.

Especificamente o Projeto de Lei n.º 982/XIII/3.ª, apresentado pelo PAN, pretende impedir a caça à raposa

com recurso à paulada e a matilhas, naquilo que acaba por ser um meio-termo entre a solução atualmente

vigente e as propostas dos três partidos no sentido de proibir a caça destas espécies.

Os três partidos, corroborando o entendimento dos proponentes da petição que inspirou estes Projetos de

Lei, afirmam — e bem — que esta iniciativa se afigura como necessária, essencialmente, por dois motivos. Em

primeiro lugar, porque estamos a falar de espécies sem interesse gastronómico e que não constituem um perigo

relevante para a segurança e a saúde públicas.

Em segundo lugar, porque estamos a falar de espécies que são consideradas sujeitas a exploração

cinegética devido ao facto de não serem espécies em risco de extinção e de a exploração cinegética ser uma

forma de assegurar um controlo populacional, uma vez que estamos perante predadores.

Porém, se o primeiro dos fundamentos é factual, já não será assim tão certo o segundo dos fundamentos. A

verdade é que, conforme notam os proponentes dos projetos, os estudos científicos existentes nestes domínios

não se focam na realidade portuguesa e são relativamente contraditórios no que tange ao impacto da exploração

cinegética no controlo populacional, havendo estudos que apontam para a ideia de que esta é uma forma eficaz

de conseguir os objetivos de controlo populacional e outros que apontam para a ideia oposta, de que este

método se apresenta como contraproducente e que a existência destas espécies assegura uma maior

biodiversidade e qualidade dos ecossistemas.

Portanto, em meu entender, teria sido mais adequado que estas iniciativas assumissem a forma de

recomendação, para que o Governo promovesse os estudos científicos necessários sobre os efeitos da

exploração cinegética no controlo populacional em Portugal e, uma vez analisados os resultados, se ponderasse

uma alteração legislativa que alterasse o atual quadro.

Não obstante esta minha opinião, penso que as iniciativas ora propostas têm fundamento e são uma boa

base de partida para um trabalho em especialidade que procure expurgar um ou outro aspeto que se afigura

como negativo.

Por esse motivo, e na esperança de melhoria em sede de especialidade, votei favoravelmente os Projetos

de Lei n.os 538/XIII/2.ª (Os Verdes) e 996/XIII/4.ª (BE), por preverem mecanismos técnicos que asseguram a

possibilidade de equipas técnicas procederem a uma intervenção estratégica que assegure, de forma

tecnicamente comprovada, a resolução de problemas eventuais que se verifiquem quanto ao controlo

populacional. O facto de o Projeto de Lei n.º 983/XIII/3.ª (PAN) não prever tais mecanismos justificou a minha

abstenção.

Por fim, votei favoravelmente o Projeto de Lei n.º 982/XIII/3.ª (PAN), por considerar a caça à raposa com

recurso a matilhas uma prática desproporcional, cruel e contrária à lógica acolhida no nosso ordenamento

jurídico pelo Decreto-Lei n.º 315/2009, de 29 de outubro, que considera (pelo menos) censurável a promoção

de lutas entre animais, ainda que não proíba a caça por matilha essencialmente por motivos culturais. A sua

aprovação constituiria assim um progresso no nosso «processo civilizacional» (Norbert Elias).

O Deputado do PS, Paulo Trigo Pereira.

———

Nota: A declaração de voto anunciada pelo Deputado do PCP João Dias não foi entregue no prazo previsto

no n.º 3 do artigo 87.º do Regimento da Assembleia da República.

———

Presenças e faltas dos Deputados à reunião plenária.

A DIVISÃO DE REDAÇÃO.

Páginas Relacionadas
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 8 32 Nascido a 24 de dezembro de 1931, em Vila Verde

Exportar páginas

Página Inicial Inválida
Página Final Inválida

×