O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 13

24

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Tem, agora, a palavra o Sr. Deputado António Sales, do Partido

Socialista, para uma intervenção.

O Sr. António Sales (PS): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Os projetos de lei hoje, aqui, em

discussão abordam, de facto, temas fundamentais para o Serviço Nacional de Saúde: o financiamento, a Lei

dos Compromissos, a autonomia na contratação do pessoal, os novos modelos de organização.

No entender do Partido Socialista, não interessa camuflar abordagens políticas com iniciativas

parlamentares. Estamos até perplexos com algumas iniciativas de alguns partidos. Por exemplo, no CDS,

estamos a assistir a um enorme flique-flaque à retaguarda, vulgo cambalhota.

Protestos do CDS-PP.

Em 1976, o CDS votou contra o artigo 64.º da Constituição, em 1979, votou contra a Lei do Serviço Nacional

de Saúde…

Vozes do PS: — É verdade!

Protestos do CDS-PP.

O Sr. António Sales (PS): — … e, entre 2011 e 2015, guilhotinou o Serviço Nacional de Saúde!

Aplausos do PS.

Agora, Srs. Deputados, a propósito de uma proposta de financiamento dos hospitais, vem proclamar-se como

defensor intransigente e acérrimo do Serviço Nacional de Saúde.

O que é que se passa no CDS, Srs. Deputados?! Ou estamos perante uma nova assunção, repito, uma nova

assunção como defensores do Serviço Nacional de Saúde — e, se for assim, bem-vindos — ou estamos perante

uma iniciativa camuflada eleitoralista do CDS,…

A Sr.ª Ilda Araújo Novo (CDS-PP): — Está distraído!

O Sr. António Sales (PS): — … que mais não serve do que para convencer alguns de que, de facto, estão

ao lado do Serviço Nacional de Saúde.

Vozes do PS: — Muito bem!

O Sr. António Sales (PS): — Quanto ao PSD, Srs. Deputados, a história é bem diferente.

Compreendemos, aliás, o silêncio absoluto do PSD. Já não aposta na gestão pública do SNS, pretendendo

privatizar o setor público.

Protestos do PSD.

Foi o responsável, em tempo de troica, pela limitação e autonomia da gestão dos hospitais e o responsável

pela iniciativa que aprovou a Lei dos Compromissos.

Aplausos do PS.

E, por último, mantém-se em silêncio absoluto, porque pode sofrer um valente puxão de orelhas do seu líder

e, então, é melhor ficar calado do que criticar sem solução.

Aplausos do PS.

Páginas Relacionadas
Página 0033:
19 DE OUTUBRO DE 2018 33 Conferência de Líderes, isso não foi possível. Na nossa op
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 13 34 O Sr. Bruno Dias (PCP): — Mas que grande confu
Pág.Página 34
Página 0035:
19 DE OUTUBRO DE 2018 35 O Sr. Carlos Silva (PSD): — Vou terminar, Sr. Presidente.
Pág.Página 35