O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 66

16

O Sr. Fernando Virgílio Macedo (PSD): — Sr. Presidente, Sr. Deputado Carlos Pereira, em abril de 2018,

o Partido Socialista apresentou, nesta Assembleia, um projeto de resolução que recomendava ao Governo que

efetuasse propostas para a modernização do setor do táxi, no âmbito de um grupo de trabalho que tinha como

áreas prioritárias de intervenção frotas, tarifário, regras de abandono, mercado de licenças, controlo de horas

de condução, etc. O que é que o Governo fez? Zero! Ou, melhor, quase zero.

O que é que o Governo fez? Legislou relativamente à colocação dos taxímetros numa parte superior do

tablier do carro e estabeleceu algumas regras relativamente à suspensão e ao abandono da atividade de taxista.

Sabemos, Sr. Deputado, que o PS é um partido imobilista, que não é um partido reformista; que de reformista

não tem nada! Mas, agora, o PS resolveu fazer oposição à oposição.

Srs. Deputados, o setor do táxi é extremamente importante. É um setor de serviço público e, portanto, merece

ter todos os instrumentos legais no sentido de fazer face à concorrência que hoje já existe.

Relativamente a algumas propostas apresentadas pelo PSD, como, por exemplo, a relativa à contingentação,

o Sr. Deputado concorda com a existência de oligopólios artificias?

O Sr. Heitor de Sousa (BE): — Por isso é que é preciso acabar com eles!

O Sr. Fernando Virgílio Macedo (PSD): — O Sr. Deputado concorda que um concelho, como o de Sintra,

com 380 000 habitantes, tenha só 124 licenças de táxi? O Sr. Deputado concorda que em Lisboa, com o aumento

de turismo que existiu, entre 2006 e 2016 tenha só havido mais 50 licenças de táxi?

É que, Sr. Deputado, hoje, com a TVDE, não existe, na prática, contingentação! Ainda não perceberam isso?

Quanto aos preços, estes constituem uma matéria completamente anacrónica nos nossos táxis. Ninguém

percebe a tarifa 1, a tarifa 3, a tarifa 5. Hoje, os táxis sofrem de uma concorrência do TVDE e não têm

possibilidade de se defender! Ou seja, estão totalmente desprotegidos!

Mas, mais ainda, Sr. Deputado: concorda que um taxista que pegue num cliente em Matosinhos, por exemplo,

e que o vá levar ao Aeroporto Francisco Sá Carneiro, na Maia, tenha de, obrigatoriamente, vir vazio, quando

existem 20 ou 50 pessoas na fila de espera para os táxis?! Faz sentido, isto? Não faz sentido alargar a prestação

de serviço público dos taxistas a outros concelhos, para além de só um concelho?

Afinal, qual é a proposta de modernização do setor do táxi que o Partido Socialista defende?

É que, até agora, não fez nenhuma proposta, só criticou! Só fez oposição.

Aplausos do PSD.

O Sr. Presidente (Jorge Lacão): — Ainda para formular pedidos de esclarecimento, tem a palavra o Sr.

Deputado Hélder Amaral.

O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, Sr. Deputado Carlos Pereira,

queria dizer-lhe que o Partido Socialista podia muito bem ter evitado a discussão de hoje. Bastava que o Partido

Socialista, como partido que suporta o Governo, fosse capaz de ajudar o Governo a fazer o seu trabalho de

cumprir, no mínimo, as promessas que faz e a promessa que fez ao setor.

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Muito bem!

O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — Aliás, o Partido Socialista também tem culpas no cartório, porque na

última manifestação do setor bem me lembro de ouvir os seus responsáveis dizerem que o Partido Socialista

tinha prometido que haveria uma participação dos municípios. Fiquei, até hoje, sem saber que participação seria

essa.

Quero, no entanto, Sr. Deputado, dar-lhe uma sugestão, para ver se concorda com ela.

Para o CDS faz todo o sentido que um taxista com um serviço de táxi, por exemplo, de Oeiras para Lisboa,

uma vez que há um número grande de quilómetros em vazio, o que prejudica o setor, possa deixar um cliente

em Lisboa e apanhar um outro cliente que queira fazer o caminho de regresso. Quero com isto dizer que

podemos olhar para isto em termos de área metropolitana, em termos de CIM (comunidades intermunicipais) e,

Páginas Relacionadas
Página 0003:
22 DE MARÇO DE 2019 3 O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs. Deputados, Sr.as e Srs. Func
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 66 4 O Governo andou sempre a reboque dos acontecime
Pág.Página 4
Página 0005:
22 DE MARÇO DE 2019 5 Sr.as e Srs. Deputados, senhores taxistas, utentes, consumido
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 66 6 — certamente, não o será! —, para ser o coveiro
Pág.Página 6
Página 0007:
22 DE MARÇO DE 2019 7 O Sr. BrunoDias (PCP): — Os senhores propõem que, pura
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 66 8 O Sr. AndréPinotesBatista (PS): — É só r
Pág.Página 8
Página 0009:
22 DE MARÇO DE 2019 9 serviço público que só podem ser cumpridas se estiverem contr
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 66 10 O Sr. Paulo Rios de Oliveira (PSD): — S
Pág.Página 10
Página 0011:
22 DE MARÇO DE 2019 11 Aplausos do CDS-PP. Também respondemos
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 66 12 O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — Aquilo
Pág.Página 12
Página 0013:
22 DE MARÇO DE 2019 13 O Sr. Carlos Pereira (PS): — Ex.mo Sr. Presidente, Sr.as e S
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 66 14 Aplausos do PS. Não quere
Pág.Página 14
Página 0015:
22 DE MARÇO DE 2019 15 O Sr. Presidente (Jorge Lacão): — Sr. Deputado Carlos Pereir
Pág.Página 15
Página 0017:
22 DE MARÇO DE 2019 17 porventura, nessa região geográfica, permitir alguma liberal
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 66 18 O Sr. Presidente (Jorge Lacão): — Para respond
Pág.Página 18
Página 0019:
22 DE MARÇO DE 2019 19 Pausa. Srs. Deputados, se a Mesa disser que dá
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 66 20 O Sr. Emídio Guerreiro (PSD): — O PSD rejeita
Pág.Página 20
Página 0021:
22 DE MARÇO DE 2019 21 Nós sabemos que não está bem, porque há anos ouvimos os agen
Pág.Página 21