O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 102

30

o caracter disruptivo da inovação. A sua ideia de destruição criadora não tem nada que ver, apesar de tudo, com

o diabo inventado pela direita portuguesa, numa alusão catastrófica, mas deliberadamente primária, à diferença

de pensamento político e de ação governativa entre nós e eles.

A destruição criadora de Schumpeter tem que ver com a necessidade de adaptação num ambiente que

evolui, que é competitivo e em que só sobrevive quem se adapta, como, aliás, também defendia outro clássico,

um naturalista da sua época, Darwin, com a sua inspiradora teoria da evolução humana, em que apenas os mais

adaptados sobreviviam. É essa adaptação que nos traz a inovação e que garante que empresas, regiões e

países evoluam.

Infelizmente, houve tempos em que partidos com responsabilidade de governo não compreenderam o papel

central da ciência, permitindo que o País tombasse de um processo de crescimento de intensidade tecnológica

extraordinário, iniciado, aliás, no ano 2000, atingindo picos de despesa em investigação e desenvolvimento em

2009 e em 2010 mas que entre 2011 e 2015 observou um retrocesso que comprometeu a meta essencial de

assegurar que chegaríamos aos 3% do PIB na investigação e desenvolvimento (I&D).

Sobre isto permitam-me voltar a Schumpeter, porque estou certo que se ele analisasse este fenómeno

acrescentaria outra ideia na linha da anterior, mas agora a da tendência para a «criação destruidora»,

demonstrada pela direita portuguesa, que travou bruscamente um dos eixos mais importantes para o

crescimento económico e para a recuperação da produtividade, ainda hoje, aliás, um dos grandes desafios do

País.

Sr. Presidente, é por isso que o PS não podia terminar esta Legislatura sem fixar a importância da ciência,

não apenas na sua vertente pura e dura de produção de investigação fundamental, cujos resultados são notórios,

mas de criação de valor e pilar essencial para o desenvolvimento, conforme facilmente demonstra a observação

empírica.

É por esta constatação que o Grupo Parlamentar do Partido Socialista, desde o início do seu mandato, saiu

à rua para procurar o País da inovação e para ajudar a implementar a única estratégia aceitável para recuperar

o tempo perdido e os níveis de investimento em investigação e desenvolvimento, mas também no

empreendedorismo, na transferência de tecnologia e no apoio à inovação dentro das PME (pequenas e médias

empresas) portuguesas.

Srs. Deputados, de Vila Real ao Algarve, dos Açores à Guarda, de Bragança a Évora, de Coimbra a Beja, da

Madeira a Portalegre ou a Viseu, portanto, sempre fora dos grandes centros urbanos, conhecemos e foi-nos

demonstrado que é também através da economia do conhecimento que se trava a luta da interioridade.

A batalha da coesão está hoje mais robusta e mais eficaz porque as opções políticas deste Governo, que,

por exemplo, melhoraram a autonomia financeira das empresas ou que apoiaram a despesa em I&D nas PME

ou as condições para atração de investimento direto estrangeiro (IDE) para fora dos grandes centros,

consolidaram a valorização do interior, fixaram populações e atraíram recursos qualificados. Nestes lugares que

visitámos ao longo dos quatro anos, encontramos a Kathrein Automotive, em Vila Real, a fundação Rebikoff-

Niggeler (FRN), nos Açores, a Vale D’Aldeia, na Guarda, a Quinta dos Castelares, em Bragança, a Embraer,

em Évora, a Evertis, em Portalegre, ou a Visabeira, em Viseu. Todas estas empresas trabalham no mercado

internacional, são muito competitivas e são um exemplo, entre muitas outras, da esperança do País e do futuro

do próprio interior.

Aplausos do PS.

Já não estamos na cauda da Europa porque progredimos fortemente nos últimos quatro anos e estamos

muito próximos de passarmos a integrar o grupo dos países mais inovadores da Europa.

Mas, Sr. Presidente, há um dado relevantíssimo que os indicadores europeus nos mostram: o País contrariou

um certo paradoxo, muito europeu, em que grande parte da investigação e desenvolvimento tem origem no

Estado, dificultando o aparecimento da inovação porque ocorrem obstáculos entre os laboratórios e as

universidades públicas para transformar a produção de ciência em valor, ou seja, para transferir a tecnologia

para o mercado e gerar negócio através das empresas.

Os dados apontam, também aqui, que estamos a fazer caminho, com as PME portuguesas a investir cada

vez mais em investigação, permitindo assim saltar a etapa da transferência de conhecimento, quase sempre

muito complexa e impeditiva da geração de negócio.

Páginas Relacionadas
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 102 34 Submetido à votação, foi aprovado por
Pág.Página 34