O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

2991 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004

 

4. Só é admitida a extradição por crimes a que corresponda, segundo o direito do Estado requisitante, pena ou medida de segurança privativa ou restritiva da liberdade com carácter perpétuo ou de duração indefinida, se, nesse domínio, o Estado requisitante for parte de convenção internacional a que Portugal esteja vinculado e oferecer garantias de que tal pena ou medida de segurança não será aplicada ou executada.
5. O disposto nos números anteriores não prejudica a aplicação das normas de cooperação judiciária penal estabelecidas no âmbito da União Europeia.
6. Não é admitida a extradição, nem a entrega a qualquer título, por motivos políticos ou por crimes a que corresponda, segundo o direito do Estado requisitante, pena de morte ou outra de que resulte lesão irreversível da integridade física.
7. A extradição só pode ser determinada por autoridade judicial.
8. É garantido o direito de asilo aos estrangeiros e aos apátridas perseguidos ou gravemente ameaçados de perseguição, em consequência da sua actividade em favor da democracia, da libertação social e nacional, da paz entre os povos, da liberdade e dos direitos da pessoa humana.
9. A lei define o estatuto do refugiado político.

Artigo 34.º
(Inviolabilidade do domicílio e da correspondência)

1. O domicílio e o sigilo da correspondência e dos outros meios de comunicação privada são invioláveis.
2. A entrada no domicílio dos cidadãos contra a sua vontade só pode ser ordenada pela autoridade judicial competente, nos casos e segundo as formas previstos na lei.
3. Ninguém pode entrar durante a noite no domicílio de qualquer pessoa sem o seu consentimento, salvo em situação de flagrante delito ou mediante autorização judicial em casos de criminalidade especialmente violenta ou altamente organizada, incluindo o terrorismo e o tráfico de pessoas, de armas e de estupefacientes, nos termos previstos na lei.
4. É proibida toda a ingerência das autoridades públicas na correspondência, nas telecomunicações e nos demais meios de comunicação, salvos os casos previstos na lei em matéria de processo criminal.

Artigo 35.º
(Utilização da informática)

1. Todos os cidadãos têm o direito de acesso aos dados informatizados que lhes digam respeito, podendo exigir a sua rectificação e actualização, e o direito de conhecer a finalidade a que se destinam, nos termos da lei.
2. A lei define o conceito de dados pessoais, bem como as condições aplicáveis ao seu tratamento automatizado, conexão, transmissão e utilização, e garante a sua protecção, designadamente através de entidade administrativa independente.
3. A informática não pode ser utilizada para tratamento de dados referentes a convicções filosóficas ou políticas, filiação partidária ou sindical, fé religiosa, vida privada e origem étnica, salvo mediante consentimento expresso do titular, autorização prevista por lei com garantias de não discriminação ou para processamento de dados estatísticos não individualmente identificáveis.
4. É proibido o acesso a dados pessoais de terceiros, salvo em casos excepcionais previstos na lei.
5. É proibida a atribuição de um número nacional único aos cidadãos.
6. A todos é garantido livre acesso às redes informáticas de uso público, definindo a lei o regime aplicável aos fluxos de dados transfronteiras e as formas adequadas de protecção de dados pessoais e de outros cuja salvaguarda se justifique por razões de interesse nacional.
7. Os dados pessoais constantes de ficheiros manuais gozam de protecção idêntica à prevista nos números anteriores, nos termos da lei.

Artigo 36.º
(Família, casamento e filiação)

1. Todos têm o direito de constituir família e de contrair casamento em condições de plena igualdade.
2. A lei regula os requisitos e os efeitos do casamento e da sua dissolução, por morte ou divórcio, independentemente da forma de celebração.
3. Os cônjuges têm iguais direitos e deveres quanto à capacidade civil e política e à manutenção e educação dos filhos.
4. Os filhos nascidos fora do casamento não podem, por esse motivo, ser objecto de qualquer discriminação e a lei ou as repartições oficiais não podem usar designações discriminatórias relativas à filiação.
5. Os pais têm o direito e o dever de educação e manutenção dos filhos.
6. Os filhos não podem ser separados dos pais, salvo quando estes não cumpram os seus deveres fundamentais para com eles e sempre mediante decisão judicial.
7. A adopção é regulada e protegida nos termos da lei, a qual deve estabelecer formas céleres para a respectiva tramitação.

Artigo 37.º
(Liberdade de expressão e informação)

1. Todos têm o direito de exprimir e divulgar livremente o seu pensamento pela palavra, pela imagem ou por qualquer outro meio, bem como o direito de informar, de se informar e de ser informados, sem impedimentos nem discriminações.
2. O exercício destes direitos não pode ser impedido ou limitado por qualquer tipo ou forma de censura.
3. As infracções cometidas no exercício destes direitos ficam submetidas aos princípios gerais de direito criminal ou do ilícito de mera ordenação social, sendo a sua apreciação respectivamente da competência dos tribunais judiciais ou de entidade administrativa independente, nos termos da lei.
4. A todas as pessoas, singulares ou colectivas, é assegurado, em condições de igualdade e eficácia, o direito de resposta e de rectificação, bem como o direito a indemnização pelos danos sofridos.

Artigo 38.º
(Liberdade de imprensa e meios de comunicação social)

1. É garantida a liberdade de imprensa.
2. A liberdade de imprensa implica:

a) A liberdade de expressão e criação dos jornalistas e colaboradores, bem como a intervenção

Páginas Relacionadas
Página 2978:
2978 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   DECRETO CONSTITUCIONAL
Pág.Página 2978
Página 2979:
2979 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   "Assembleias Legislati
Pág.Página 2979
Página 2980:
2980 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   Artigo 16.º 1 -
Pág.Página 2980
Página 2981:
2981 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   4 - A alínea j) do mes
Pág.Página 2981
Página 2982:
2982 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   Artigo 29.º 1 -
Pág.Página 2982
Página 2983:
2983 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   2 - É aditado ao mesmo
Pág.Página 2983
Página 2984:
2984 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   sendo eliminada in fin
Pág.Página 2984
Página 2985:
2985 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   expressão in fine "que
Pág.Página 2985
Página 2986:
2986 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   Artigo 47.º 1 -
Pág.Página 2986
Página 2987:
2987 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   domínio e exploração n
Pág.Página 2987
Página 2988:
2988 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   Artigo 14.º (Portu
Pág.Página 2988
Página 2989:
2989 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   3. A lei define e asse
Pág.Página 2989
Página 2990:
2990 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   Artigo 28.º (Prisã
Pág.Página 2990
Página 2992:
2992 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   dos primeiros na orien
Pág.Página 2992
Página 2993:
2993 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   2. A todos é garantido
Pág.Página 2993
Página 2994:
2994 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   pública, os direitos d
Pág.Página 2994
Página 2995:
2995 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   TÍTULO III Direito
Pág.Página 2995
Página 2996:
2996 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   2. Incumbe ao Estado o
Pág.Página 2996
Página 2997:
2997 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   c) Criar e desenvolver
Pág.Página 2997
Página 2998:
2998 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   3. O Estado apoia as o
Pág.Página 2998
Página 2999:
2999 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   c) Promover a salvagua
Pág.Página 2999
Página 3000:
3000 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   d) Os meios de produçã
Pág.Página 3000
Página 3001:
3001 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   do Governo, das organi
Pág.Página 3001
Página 3002:
3002 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   Artigo 100.º (Obje
Pág.Página 3002
Página 3003:
3003 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   PARTE III Organiza
Pág.Página 3003
Página 3004:
3004 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   Artigo 115.º (Refe
Pág.Página 3004
Página 3005:
3005 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   i) Os resultados de el
Pág.Página 3005
Página 3006:
3006 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   2. Em caso de vagatura
Pág.Página 3006
Página 3007:
3007 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   resoluções da Assemble
Pág.Página 3007
Página 3008:
3008 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   CAPÍTULO III Conse
Pág.Página 3008
Página 3009:
3009 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   2. Ninguém pode ser ca
Pág.Página 3009
Página 3010:
3010 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   b) Não tomem assento n
Pág.Página 3010
Página 3011:
3011 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   Artigo 164.º (Rese
Pág.Página 3011
Página 3012:
3012 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   Artigo 166.º (Form
Pág.Página 3012
Página 3013:
3013 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   decorridas 15 reuniões
Pág.Página 3013
Página 3014:
3014 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   Artigo 178.º (Comi
Pág.Página 3014
Página 3015:
3015 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   2. O Governo pode incl
Pág.Página 3015
Página 3016:
3016 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   iniciativa de um quart
Pág.Página 3016
Página 3017:
3017 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   Artigo 200.º (Comp
Pág.Página 3017
Página 3018:
3018 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   forense como elemento
Pág.Página 3018
Página 3019:
3019 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   2. Os juízes não podem
Pág.Página 3019
Página 3020:
3020 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   2. Compete também ao T
Pág.Página 3020
Página 3021:
3021 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   uma participação nas r
Pág.Página 3021
Página 3022:
3022 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   6. É da exclusiva comp
Pág.Página 3022
Página 3023:
3023 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   Artigo 238.º (Patr
Pág.Página 3023
Página 3024:
3024 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   Artigo 250.º (Órgã
Pág.Página 3024
Página 3025:
3025 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   Artigo 264.º (Estr
Pág.Página 3025
Página 3026:
3026 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   por agentes dos serviç
Pág.Página 3026
Página 3027:
3027 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   7. Nenhum cidadão pode
Pág.Página 3027
Página 3028:
3028 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   3. Quando a norma cuja
Pág.Página 3028
Página 3029:
3029 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   2. As alterações da Co
Pág.Página 3029
Página 3030:
3030 | II Série A - Número 073 | 08 de Julho de 2004   e) Proceder-se-á à ava
Pág.Página 3030