O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

93 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011

permitam conhecer a evolução da situação patrimonial, dos compromissos e da actividade do BPN antes e depois da nacionalização, e portanto avaliar as decisões do Governo.
Miguel Cadilhe, que presidiu ao Conselho de Administração antes da nacionalização, identificara perdas de cerca de 700 milhões, tendo proposto ao Estado que injectasse 600 milhões na compra de acções sem direito de voto. No entanto, nesse momento a situação do banco era tal que os accionistas não tinham realizado integralmente o reforço de capital de 300 milhões, a que se tinham comprometido. Por outro lado, as contas do banco ocultavam a sua situação real: em Junho desse ano, o banco só registava prejuízos de 33,6 milhões e, no exercício anterior, o auditor externo, a BDO, só tinha certificado imparidades no valor de 29,76 milhões.
Essas contas eram falsas.
É hoje conhecido que uma parte das operações do banco não constava do balanço e que a SLN usava uma centena de sociedades offshore, além das entidades registadas como o BPN Cayman e o BPN IFI em Cabo Verde, ou ainda o Banco Insular em Cabo Verde e o seu balcão virtual. Este banco, apesar de estar registado desde 2002, não era dado como pertencente ao BPN, e o Banco de Portugal não identificara os seus proprietários. Assim, ao longo da sua história anterior à nacionalização, o BPN ocultaria a sua contabilidade e responsabilidades, tendo chegado ao final de 2008 em situação de cessação de pagamentos. De facto, as contas corrigidas referentes a 2008 demonstraram que a sua situação patrimonial era negativa em -1,624 milhões, tendo apurado um resultado líquido negativo de -575 milhões e imparidades de crédito de cerca de 1,4 mil milhões.
Em todo o caso, é hoje certo que o Estado avaliou erradamente a dimensão do buraco financeiro do BPN no momento da nacionalização. O Governo avalizou então os cálculos correntes que apontavam para um prejuízo acumulado de cerca de 700 milhões de euros. O erro começou a ser detectado logo depois, quando duas entidades foram responsabilizadas, nos termos da lei da nacionalização, pela realização de uma avaliação do banco. Essas entidades foram identificadas no comunicado do Ministério das Finanças de 2 de Dezembro de 2008, que indicava que a Deloitte e o Deutsche Bank teriam o prazo legal de 30 dias para concluírem o processo.
No entanto, esse prazo não foi cumprido. Ainda assim, no final de Março de 2009, o Secretário de Estado do Tesouro ainda garantia que os relatórios seriam apresentados ao governo em breve. Numa audição no dia 6 de Julho de 2009 perante a comissão parlamentar, o Ministro das Finanças afirmou que a avaliação estava então concluída.
Nos termos destas avaliações, foram identificadas imparidades muito superiores ao anteriormente anunciado. A Deloitte calculou um património negativo de 1900 a 2200 milhões de euros, três vezes o valor inicialmente admitido — o Ministro das Finanças apresentara o valor de 700 milhões, na sua conferência de imprensa de 2 de Novembro de 2008.
Ora, mesmo nesse momento, em Dezembro de 2008, existiam razões para tomar essas estimativas iniciais com muita reserva. Num texto de 30 de Outubro, três dias antes da nacionalização, o Banco de Portugal tinha alertado o Governo: ―Dado que as imparidades [do BPN] são significativamente superiores á estimativa anteriormente feita pelo Conselho de Administração e pelo Auditor externo da instituição, torna-se na verdade necessário avaliar com cuidado o realismo das avaliações feitas pelas diferentes entidades antes de aceitarmos qualquer delas‖. O BdP acrescentava que ―a instituição apresenta enormes perdas acumuladas, capitais próprios negativos e prejuízos na sua actividade‖.
Em todo o caso, muito mais tarde, em Dezembro de 2010, cerca de dois anos depois da nacionalização, o Ministério das Finanças reconheceu, em comunicado, que a situação líquida seria negativa em pouco menos de dois mil milhões de euros. Ao longo destes dois anos, as decisões foram sendo tomadas com base em falta de informação e de rigor.
A conclusão que se impõe é que o BPN estava, está e tem estado tecnicamente falido. Esta situação nunca foi corrigida. O BPN era uma sociedade financeira falida e depois actuou sempre, como banco nacionalizado, ao longo de dois anos seguintes, como uma sociedade falida: no exercício de 2009, o último de que existem contas aprovadas, registava capitais próprios negativos no valor de -2013 milhões de euros e resultados de 216,6 milhões. Além das imparidades não provisionadas, o banco necessitaria então de um reforço de capitais próprios para poder cumprir o rácio de solvabilidade imposto pelas normas legais e prudenciais.
Não tendo sido nacionalizado todo o grupo SLN, acresce que os anteriores accionistas se arrogaram o direito de exigir indemnizações e ainda a satisfação de direitos que o BPN lhes teria outorgado no passado.

Páginas Relacionadas
Página 0034:
34 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Artigo único Altera o Regime jurídico
Pág.Página 34
Página 0035:
35 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Neste contexto, tornou-se mais prement
Pág.Página 35
Página 0036:
36 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Crescimento. Com esse fim, o Governo p
Pág.Página 36
Página 0037:
37 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Artigo 1.º Objecto A presente le
Pág.Página 37
Página 0038:
38 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Artigo 5.º [»] 1- [»] 2- [»] 3-
Pág.Página 38
Página 0039:
39 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 f) As receitas que resultem da disponi
Pág.Página 39
Página 0040:
40 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 termos previstos na presente lei. 2
Pág.Página 40
Página 0041:
41 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Artigo 28.º [»] 1- [»] 2- [»] 3-
Pág.Página 41
Página 0042:
42 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Artigo 37.º [»] 1- [»] a) [»] b)
Pág.Página 42
Página 0043:
43 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Artigo 51.º [»] 1 - No âmbito da
Pág.Página 43
Página 0044:
44 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Artigo 75.º [»] 1- [»] 2- [»] 3-
Pág.Página 44
Página 0045:
45 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 a) Infracção financeira, punível com m
Pág.Página 45
Página 0046:
46 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 3- Tendo em vista o estrito cumpriment
Pág.Página 46
Página 0047:
47 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 3- O aumento do endividamento em viola
Pág.Página 47
Página 0048:
48 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 6- As leis de programação financeira e
Pág.Página 48
Página 0049:
49 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 votação quando acompanhadas da estimat
Pág.Página 49
Página 0050:
50 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 necessárias para disciplinar a aplicaç
Pág.Página 50
Página 0051:
51 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 pela Lei n.º 23/2003, de 2 de Julho, p
Pág.Página 51
Página 0052:
52 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Artigo 9.º Produção de efeitos A
Pág.Página 52
Página 0053:
53 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 bases, as respectivas fontes de financ
Pág.Página 53
Página 0054:
54 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 2- A importância integral das receitas
Pág.Página 54
Página 0055:
55 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Artigo 8.º Especificação 1- As r
Pág.Página 55
Página 0056:
56 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 que os integram, estão sujeitos, na ap
Pág.Página 56
Página 0057:
57 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Artigo 12.º-A Endividamento das regiõe
Pág.Página 57
Página 0058:
58 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 3- O quadro plurianual de programação
Pág.Página 58
Página 0059:
59 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 articulado e os mapas orçamentais cons
Pág.Página 59
Página 0060:
60 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 montante máximo autorizado pela lei do
Pág.Página 60
Página 0061:
61 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Artigo 15.º Gestão por objectivos <
Pág.Página 61
Página 0062:
62 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 3- [Revogado] Artigo 19.º Progra
Pág.Página 62
Página 0063:
63 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 SECÇÃO II Orçamento dos serviços integ
Pág.Página 63
Página 0064:
64 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 a classificação económica das receitas
Pág.Página 64
Página 0065:
65 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 b) As despesas globais do sistema espe
Pág.Página 65
Página 0066:
66 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 g) A determinação das condições gerais
Pág.Página 66
Página 0067:
67 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Mapa XVIII, «Transferências para as Re
Pág.Página 67
Página 0068:
68 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 b) Evolução da situação financeira do
Pág.Página 68
Página 0069:
69 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Artigo 40.º [Revogado] Artigo 41
Pág.Página 69
Página 0070:
70 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Orçamento do Estado, incluindo o da se
Pág.Página 70
Página 0071:
71 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 3- O primeiro ano da execução das desp
Pág.Página 71
Página 0072:
72 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 6- As entradas e saídas de fundos do s
Pág.Página 72
Página 0073:
73 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 2- Competem ao Governo as alterações o
Pág.Página 73
Página 0074:
74 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 superiores, de superintendência ou de
Pág.Página 74
Página 0075:
75 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 mediante a presença do presidente do T
Pág.Página 75
Página 0076:
76 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 a) No conhecimento da missão, objectiv
Pág.Página 76
Página 0077:
77 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 tempo aos serviços e fundos autónomos
Pág.Página 77
Página 0078:
78 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Artigo 72.º-A Relatório com indicadore
Pág.Página 78
Página 0079:
79 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Mapa XXIV — cobranças e pagamentos orç
Pág.Página 79
Página 0080:
80 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 h) Créditos anulados por força de deci
Pág.Página 80
Página 0081:
81 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Artigo 77.º Apresentação das contas
Pág.Página 81
Página 0082:
82 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 f) Mapa do desenvolvimento das despesa
Pág.Página 82
Página 0083:
83 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 4- A justificação das medidas de estab
Pág.Página 83
Página 0084:
84 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Artigo 91.º Dever de informação
Pág.Página 84
Página 0085:
85 | II Série A - Número: 058 | 5 de Janeiro de 2011 Artigo 97.º Disposição transitória
Pág.Página 85